Confraria Floydstock

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Ozzy Osbourne passará por "grande cirurgia" na coluna

Sharon Osbourne compartilhara atualizações de saúde em meio ao mal de Parkinson que aflige o marido.

Ozzy foi atormentado por problemas no pescoço e na coluna depois de sofrer uma queda em 2019, o que o manteve fora do palco.

O roqueiro passou por momentos difíceis com sua saúde depois de ser hospitalizado pela primeira vez com pneumonia e, logo depois, sofrer uma queda em sua casa em Los Angeles, que deslocou as hastes de metal em sua coluna que foram colocadas após um acidente de quadriciclo em 2003.

No entanto, o ícone do Black Sabbath será submetido a uma "grande cirurgia" em breve para ajudar a corrigir os problemas, o que esperançosamente o fará se apresentar para seus fãs leais mais uma vez.

Em declarações ao DailyMailTV esta semana, Sharon disse: ‘O que mais me entusiasma é o meu marido voltar aos palcos. É por isso que oro.'

Ela passou a refletir sobre o diagnóstico de Parkinson, do vencedor do Grammy, Ozzy, que ocorreu um ano após sua queda.

"Foi assim um após o outro e é tipo, uau, só um minuto, sabe?" Disse Sharon. "Parte seu coração que ele queira voltar. Ele sente falta de seus amigos, seus músicos, eles são seus parceiros. Ele sente falta dessa vida."

Ela acrescentou: "Mas com seu Parkinson, ele está bem. Ele está bem, ele está sob controle."

O ex-co-apresentador do The Talk, que também falou sobre sua saída explosiva da série, admitiu que a família Osbourne não teve a melhor sorte com sua saúde, com Sharon lutando contra um câncer de cólon em 2002 antes de fazer uma mastectomia dupla em 2012 depois de descobrir que era portadora do gene do câncer de mama. Jack, filho de Sharon e Ozzy, também foi diagnosticado com esclerose múltipla recorrente-remitente.

Sharon disse:

"Nossa família nunca foi uma família onde houvesse ótima saúde. Eu tive câncer duas vezes, meu filho tem esclerose múltipla e, esta não é uma festa, mas estamos acostumados a lidar com grandes problemas de saúde."

Em uma palestra no ano passado, Ozzy revelou que temia por sua vida na época de seus problemas de saúde e estava convencido de que os médicos não estavam lhe contando o quão ruim era sua condição.

Ozzy explicou anteriormente no Sirius XM:

"Não estou de volta aos 100%. Estou com cerca de 75%, mas é uma recuperação muito lenta.

Cirurgia na coluna é uma má notícia, cara. Eu estive em um estado tão ruim de dor; Ainda estou sentindo muita dor."

Via METRO.

Deep Purple: Ian Gillan diz que David Coverdale foi oportunista ao "defender" Ritchie Blackmore

Ian Gillan diz que uma reunião do Deep Purple com Ritchie Blackmore seria um "circo" e "não seria nada divertido".

Blackmore é co-fundador do Deep Purple e escreveu muitos de seus riffs mais memoráveis, incluindo "Smoke On The Water", mas ele não tocou mais com o grupo desde sua saída de 1993. Steve Morse efetivamente assumiu o lugar de Blackmore em 1994 e, desde então, está no grupo há mais tempo que Ritchie.

Gillan falou sobre sua rivalidade de longa data com Blackmore em uma nova entrevista com Vikram Chandrasekar do Tales From The Road. Questionado se ele ainda está em contato com Ritchie e se há alguma chance de o guitarrista dividir o palco com o Deep Purple novamente, Ian disse (conforme transcrito por BLABBERMOUTH.NET):

"Não. A resposta à sua pergunta é sim , estamos em contato. As tensões diminuíram bastante depois que controlamos nossos negócios e resolvemos tudo. Havia gerentes anteriores que não haviam feito as coisas exatamente como  gostaríamos. Não fui pago por 10 anos quando estive com o Deep Purple, nos grandes anos e só Deus sabe o que aconteceu com tudo isso. E houve outras tensões também. E nem é preciso dizer que tudo foi muito desagradável quando terminamos e Ritchie foi embora. Mas nós, digo ' Já estou muito velho para isso. Ambos escrevemos algumas notas agradáveis ​​por meio de nossos gerentes. Não posso escrever para Ritchie ou telefonar para ele porque ele não tem um telefone, ele não tem um computador. Ele mora em um mundo dos greensleeves, ele vive em um mundo medieval, e ele tem mensagens dadas a ele e esse tipo de coisa. Mas ele enviou algumas palavras agradáveis ​​para mim, e eu enviei algumas palavras agradáveis ​​para ele. Ainda existem problemas; ainda há pontos de discórdia. Eu vi um monte de besteiras sendo faladas, não vale a pena nem levantar isso nesta ocasião, mas eu ouço o ex-vocalista David Coverdale e outros falando sobre o que aconteceu no Rock And Roll Of Fame. Bem, nós fomos muito gentis com todos, a banda atual. E convidamos Ritchie para tocar 'Smoke On The Water' conosco na cerimônia, mas ele recusou. Então, essas são apenas observações oportunistas dos outros.

Nunca tivemos qualquer antagonismo em relação a Ritchie", esclareceu Ian. "Ele tem suas próprias interpretações, e o resto de nós tem nossas interpretações, então realmente não vale a pena ficarmos nervosos com isso. Mas eu acho que provavelmente no final de nossa carreira, e com as coisas acontecendo de forma tão agradável para a banda, seria natural. Discutimos isso anos e anos atrás,  quando foi cogitado pela primeira vez, seria um circo e seria uma distração para tudo o que estamos fazendo, para ser honesto. Não seria nada divertido, porque nós não funcionamos mais assim."

Blackmore sugeriu anteriormente que o empresário do Deep Purple o havia impedido de se juntar aos ex-companheiros de banda no palco durante a cerimônia de introdução ao Hall da Fama do Rock And Roll 2016, e ele usou isso como uma desculpa para não comparecer ao evento.

Apesar de Blackmore não ter comparecido no Rock Hall, ele recebeu vários gritos durante os discursos de posse dos membros do Deep Purple presentes. Além disso, o baterista do Metallica, Lars Ulrich, que introduziu o Deep Purple na instituição, elogiou "Ritchie fucking Blackmore" por um dos riffs de guitarra mais memoráveis ​​de todos os tempos em "Smoke On The Water".

No final do ano passado, Coverdale expressou sua exasperação ao Deep Purple por como ele e Glenn Hughes foram tratados por sua antiga banda antes de sua introdução no Hall da Fama do Rock And Roll. O cantor, que tocou com a banda junto com Hughes de 1973 a 1976, disse:

"Assim que foi anunciado que seríamos oficialmente introduzidos, o atual Deep Purple se recusou a ir se Ritchie Blackmore estivesse lá. E isso foi, tipo, 72 horas antes, quando eu estava pronto para voar com minha família. E isso me custou, tipo, $ 75.000 ou $ 85.000, porque você tem que pagar por todas as mesas, exceto aquela em que você está, e eu fiz minha filha voar da Alemanha, meu filho saiu da faculdade. Era um assunto de família."

Ele continuou:

De repente, Glenn Hughes e eu ouvimos: 'Bem, não queremos vocês cantando com a gente'. Inicialmente, falei com Ian Gillan sobre aparecer e cantar os backing vocals de 'Smoke On The Water', porque originalmente eles iriam fechar o show. Então, de repente foi puxado o plugue. Eles tentaram parar fazendo discursos, e minha esposa estava furiosa pra caralho, além do fato de que ela gastou uma fortuna em vestidos chiques. [Risos] E eu disse, 'Foda-se! Ninguém vai nos impedir.' Entrei em contato com Carole, empresário de Ritchie, e disse: 'Diga a ele para vir comigo. Ninguém vai barrá-lo, porra. Diga a ele para vir comigo,' e ele não queria fazer isso."

Coverdale acrescentou:

"A primeira coisa que disse quando estava lá em cima foi: 'Nenhum de nós estaria aqui sem Ritchie Blackmore', e me certifiquei disso. Steve Morse e Don Airey foram mais elogiosos para Glenn e eu do que os outros caras. Nós nos divertimos muito; nos divertimos muito. Estou muito feliz por ser quem eu sou, e acabei de falar com Glenn outro dia sobre isso: 'Que porra foi essa porra deles?!'"

Ligante Anfetamínico lança financiamento coletivo para o clipe “Te Encontrei”

Após lançar “Dissintonia” em gostos de 2020, que trouxe excelentes resultados e continua rendendo bons frutos para os ligantes, clipe que teve premiação, em dois editais, um FAC da Feevale e também foi contemplado, por um edital municipal em Caxias do Sul–RS, através da lei emergencial “Aldir Blanc” Lei Nº 14.017, de 2020, devido a pandemia, sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas durante o estado de calamidade pública. Este mesmo vídeoclipe que já teve exibições canais de TV fechada como o Music Box Brazil, e outras de suas exibições na COM Brasil TV.  A Ligante Anfetamínico iniciou uma campanha de financiamento coletivo para um lançamento especial, do clipe de “Te Encontrei”.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A banda conta com o apoio do público para fazer o registro audiovisual, de uma das músicas mais emblemáticas da carreira da da banda. A ideia é conseguir bancar o trabalho da Nitro Sound e Vídeo e contar com o trabalho de produção e direção do Maicon Benatto”, revelou o vocalista Márcio Selistre (Esqueleto).

E pra fazer isso acontecer do modo que eles imaginaram, a banda resolveu começar um financiamento coletivo no site Catarse: https://www.catarse.me/ligante

O objetivo do financiamento é levantar fundos para uma campanha de lançamento do  videoclipe, por todo o país e mais. O lançamento do clipe está sendo feito por meio de crowdfunding na plataforma https://www.catarse.me/ligante

A campanha é por tempo limitado e quem quiser pode contribuir com qualquer valor ou adquirindo as recompensas. 

Os variados prêmios incluem desde participações em videoclipe da banda e camisa exclusiva, Revistas Pôster + CD, Canecas, Camisetas, Moletons, Quadro autografado, nome e dedicatória no clipe, jantar exclusivo com a banda em no Jaime Rocha, São Patrício ou Cachaçaria Sarau, até as excêntricas Jaquetas do Vocalista Esqueleto, um som do Esqueleto + duas fitas cassetes, Esculturas e trabalhos exclusivos do Ale Amorim, Sessão de Tatuagem com Fantasma Tattoo e degustação de cerveja e sessão de fotos exclusiva.


quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Mike Patton cancela datas da turnê do Faith No More por motivos de saúde mental

Acreditamos que avançar com essas datas teria um efeito profundamente destrutivo em Mike, cujo valor para nós como irmão significa mais para nós do que seu trabalho como cantor”, escreveu a banda em um comunicado.

Mike Patton cancelou as datas da próxima turnê do Faith No More, marcada para começar nesta quinta-feira no Missouri, citando razões de saúde mental. As datas teriam marcado a primeira turnê americana do Faith No More em cinco anos. Patton também cancelou as datas da próxima turnê da banda Mr. Bungle.

 Leia as declarações de Patton e da banda, incluindo as datas afetadas, abaixo.

Acreditamos que avançar com essas datas teria um efeito profundamente destrutivo em Mike, cujo valor para nós como irmão significa mais para nós do que seu trabalho como cantor”, escreveu Faith No More em seu comunicado. “Ele pode contar com nosso 100% do nosso apoio para fazer o que precisa para acertar as coisas. Assim como também pedimos seu apoio agora.

Mike Patton disse em nota:

"Lamento informar que, devido a razões de saúde mental, não posso continuar com as datas atualmente programadas para Faith No More e Mr. Bungle.

Tenho problemas que foram agravados pela pandemia que estão me desafiando agora. Não sinto que posso dar o que devo neste momento e não vou dar nada menos do que 100 por cento. Lamento aos nossos fãs e espero os compensar em breve.

As bandas me apoiam nessa decisão e estamos ansiosos para trabalhar nisso de uma maneira saudável."

Billy Gould, Jon Hudson, Mike Bordin e Roddy Bottum do Faith No More disseraam na nota completa:

"Dizer que nos sentimos abalados por esses cancelamentos seria um eufemismo completo. Tem sido um verdadeiro desafio voltar a essa música depois de 5 anos de ausência, mas estamos trabalhando duro há alguns meses, e esses últimos ensaios não deixaram dúvidas de que estávamos de volta a melhor forma, o que torna essa afirmação muito difícil de escrever.

Após quase dois anos de pandemia e falta de trabalho, foi doloroso dar a notícia à nossa equipe. Consideramos nossa tripulação como uma família. E então, igualmente importante, estamos cientes do que isso significa para nossos fãs, que têm nos apoiado pacientemente, esperando, como nós, por uma pausa nesta situação frustrante. Muitas pessoas encararam o isolamento com bastante dificuldade e esperaram pacientemente que os shows fossem adiados repetidas vezes. Isso vai ser difícil para eles.

E apesar de tudo isso, temos um membro da família que precisa de ajuda. Acreditamos que seguir em frente com essas datas teria um efeito profundamente destrutivo em Mike, cujo valor para nós como irmão significa mais para nós do que seu trabalho como cantor. Ele pode contar com nosso apoio 100% para fazer o que precisa para acertar as coisas. Assim como também pedimos seu apoio agora.

Obrigado por continuar a acreditar em nós."

Via PITCHFORK.

terça-feira, 14 de setembro de 2021

Santana, Diane Warren e G-Eazy apresentam uma paixão explosiva no clipe "She's Fire”

Blessings and Miracles” será lançado no dia 15/10.

Rock e rap se unem para refletir uma paixão explosiva em “She’s Fire”, faixa que une o lendário Santana, a multipremiada compositora Diane Warren e o flow de  G-Eazy. O single, que ganha um clipe, é um dos destaques de “The Cave Sessions Vol. 1”, disco de estreia de Warren e estará em “Blessings and Miracles”, o novo álbum de estúdio do guitarrista mexicano. Este é um lançamento BMG. 

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Diane tem um dom incrível, com a capacidade de pintar um quadro e transportar o ouvinte a um lugar de emoção e paixão. Suas letras e arranjos fazem parte da base da música mundial e devem ser apreciados para sempre”, conta Carlos Santana.

Diane Warren, autora da música, também se mostra animada. “Ter a oportunidade de trabalhar com Carlos Santana sempre foi um sonho meu. Eu também queria muito colaborar com G-Eazy e essa parecia ser a música perfeita para os dois fazerem juntos. Eu esperava que fosse ótimo, e ficou ainda melhor do que eu imaginava, pura energia”, conta ela.

O novo álbum de Santana trará “She’s Fire”, o recém-lançado single “Move” com Rob Thomas e American Authors e uma estelar lista de convidados como Chick Corea, Chris Stapleton, Steve Winwood, Rick Rubin, Corey Glover, Kirk Hammett, entre outros.

Ouça “Move”: https://santana.lnk.to/Move

Santana passou grande parte dos últimos dois anos gravando o álbum, feito quase totalmente à distância durante a pandemia. Quanto à seleção de artistas que colaboraram, Santana admite que às vezes fica surpreso com a forma como eles entram magicamente em sua vida. “Eu não escolho pessoas - é como se eu fosse escolhido”, diz ele. “Estou honrado em trabalhar com artistas tão incríveis. Sinto-me como um surfista surfando nas ondas que se transformam em canções destes diferentes criadores. Tenho muita sorte de ter a oportunidade de fazer isso e valorizo bastante".

Membro do Rock’n’Roll Hall of Fame e multipremiado em uma carreira que passa por mais de cinco décadas como sinônimo de qualidade e bom gosto em rock, pop, psicodelia e música latina, Santana quer continuar se desafiando e surpreendendo o público. 

Assista a “She’s Fire”:

Garanta “Blessings and Miracles” na pré-venda: https://santana.lnk.to/BlessingsnMiracles