Confraria Floydstock

sexta-feira, 13 de maio de 2022

Airbourne anuncia único show no Brasil em São Paulo

Banda australiana retorna ao Brasil após cinco anos para apresentação na Fabrique.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Um dos maiores nomes do Rock and Roll na atualidade, o Airbourne retorna ao Brasil para única apresentação. O quarteto australiano se apresenta no dia 28 de agosto, domingo, a partir das 17  horas, no palco da Fabrique Club, em São Paulo. Os ingressos estão à venda online pela plataforma Bilheto, e também no Manifesto Bar, sem taxa de conveniência.

O show será uma celebração de um dos mais conceituados bares de Rock do Brasil, o Manifesto Bar, que completa 28 anos de atividades ininterruptas, se tornando um reduto clássico para os admiradores de Rock e Metal. Durante este tempo, o local recebeu fãs de todos os cantos do Brasil e exterior, e também artistas de peso, como membros do Deep Purple, Iron Maiden, Saxon, Manowar, entre tantos outros, que foram curtir a noite no local.

O Airbourne se destacou logo com o primeiro disco, o visceral "Runnin' Wild" (2007), agradando fãs de Rock and Roll direto ao ponto, trazendo similaridades com o AC/DC e outros grandes nomes do Rock and Roll, porém imprimindo uma identidade própria e única em suas composições. Os trabalhos seguintes colocaram a banda nas paradas de diversos países e consolidaram o Airbourne no cenário mundial.

O grupo é formado pelos irmãos Joel O’Keeffe (vocal e guitarra) e Ryan O’Keeffe (bateria), Justin Street (baixo) e Matt "Harri" Harrisson (guitarra). Visitando pela segunda vez o Brasil – após um show explosivo em São Paulo em 2017 – já realizaram shows e turnês ao lado de grandes monstros da música pesada como o Iron Maiden, Mötley Crüe, Motörhead e os Rolling Stones.

A banda divulga atualmente o mais recente álbum, "Boneshaker", lançado pela gravadora Spinefarm Records em 2019, que marcou a estreia de Harrison em estúdio. Mesmo trazendo esta mudança na formação, o grupo manteve a linha dos quatro trabalhos de estúdio anteriores, ao mesmo tempo buscando uma gravação mais orgânica, e obteve excelente retorno dos fãs e da crítica especializada.

Antes de passar pela América Latina, o Airbourne realiza extensa turnê pela Europa para shows como headliner e passagens por grandes festivais como Download, Hellfest Open Air, Rock the Ring e Rock im Park. Em setembro, embarcam para mais uma excursão pela América do Norte.

Famosos por suas apresentações enérgicas e poderosas, o Airbourne oferece uma segunda chance aos fãs brasileiros de ter esta experiência única de vê-los em ação ao vivo.

SERVIÇO:

Airbourne em São Paulo

Data: 28 de agosto de 2022 (domingo)

Local: Fabrique Club

Endereço: Rua Barra Funda, 1071 – Barra Funda

Horário: 17h (portões)

Ingressos: R$ 190 (1º lote pista/promocional)

Venda online: https://www.bilheto.com.br/evento/755/Airbourne

Mais informações: www.manifestobar.com.br

quinta-feira, 12 de maio de 2022

Pink Floyd participará de evento-concerto global online em prol da Ucrânia

Buscando unir o mundo para a ajuda humanitária ucraniana, o evento virtual em streaming, de mais de 90 minutos, visa arrecadar US$ 10 milhões para ucranianos desabrigados por meio da Fundação EUA-Ucrânia.

O World Unite for Ukraine™, um movimento global de base que une milhões de pessoas em todo o mundo para apoiar os ucranianos e aliviar a crise humanitária na Ucrânia, anunciou que transmitirá um evento-concerto beneficente de mais de 90 minutos em 16 de junho de 2022. Transmitido para mais de 25 países, o evento contará com o Pink Floyd, AJR, Pat McGee Band, Crash Test Dummies, entre outros, além de aparições dos atores Liev Schreiber e Pej Vahdat, a artista multimídia nascida na Ucrânia Janina Pedan e outras celebridades dos EUA, Ucrânia e outros países ao redor do mundo. O objetivo do World Unite for Ukraine é arrecadar US$ 10 milhões para aliviar a crise humanitária na Ucrânia por meio da Fundação EUA-Ucrânia (USUF) e sua rede de ação direta, BlueCheck.

O veterano produtor de eventos Simon Kinney está doando seu tempo, energia e experiência para atuar como produtor executivo do evento. Os créditos do evento de Kinney incluem as Cerimônias de Abertura e Encerramento das Olimpíadas de Tóquio de 2020 e produções de turnês para grandes artistas internacionais, incluindo Taylor Swift, Maroon 5 e P!nk.

O evento World Unite for Ukraine atualmente apresenta músicas e aparições dos principais artistas, atores e outras celebridades globais dos EUA, Ucrânia e outros países, incluindo:

Pink Floyd

AJR

Pat McGee Band

Crash Test Dummies

Janina Pedan

Nastia Kamenskykh

Ruslana

Jamala

Michelle Andrade

DOROFEEVA

POSITIFF

ROXOLANA

Pianoboy

Os principais artistas, atores e celebridades também participarão com mensagens de apoio e inspiração, juntamente com histórias poderosas da Ucrânia que destacarão a história, a cultura do país e o impacto devastador que a guerra teve na Ucrânia e seu povo.

O World Unite for Ukraine anunciará participantes adicionais nas próximas semanas.

A transmissão do evento começará na plataforma de streaming Mandolin às 20h. ET  (21 horas pelo horário de Brasília) de 16 de junho de 2022. Também estará disponível on demand por pelo menos 24 horas após o evento. Os espectadores podem acessar a transmissão visitando a página do evento Mandolin e podem escolher entre vários níveis de doação para garantir seu ingresso. Antes do evento, os doadores também podem doar pela página do evento ou pela campanha ativa do GoFundMe e receber um código de acesso para assistir à transmissão. Patrocínios corporativos também estão disponíveis.

Os fundos arrecadados pela World Unite for Ukraine serão destinados a alimentos e abrigo para ucranianos deslocados, suprimentos e equipamentos médicos, roupas e outros bens e serviços essenciais, incluindo apoio à saúde mental. Os fundos também serão implantados em organizações locais de base via Blue Check e investidos em esforços para combater o tráfico de seres humanos.

A doação sugerida pelos organizadores é de US$ 30 por espectador, que pode:

Fornecer fórmula infantil a uma criança desabrigada por duas semanas;

Alimentar uma família de quatro pessoas por duas semanas;

Transporte de famílias desabrigadas para países da UE para realocação;

Fornecer medicamentos extremamente necessários para condições de saúde críticas e de longo prazo;

"Nosso evento transmitido em 16 de junho unirá o mundo através de uma experiência memorável para gerar a energia, amor e apoio financeiro que a Ucrânia precisa desesperadamente agora", disse Victoria Yampolsky, imigrante da antiga União Soviética em Nova York e uma empresária americana que concebeu e co-fundou o World Unite para a Ucrânia.

Jon Queen, membro do conselho da Fundação EUA-Ucrânia, acrescentou: "A crise humanitária na Ucrânia é horrível. Juntos, o mundo deve se unir para ajudar a aliviar a dor e o sofrimento dos ucranianos neste momento urgente. Convido a todos para ver este evento e doar o que puderem para apoiar organizações de base que causam impacto na Ucrânia."

As doações para a campanha World Unite for Ukraine podem ser feitas antes, durante ou depois do show. Para obter mais informações, visite https://worlduniteforukraine.com/.

Para acessar a transmissão e comprar ingressos antecipados, acesse https://boxoffice.mandolin.com/products/world-unite-for-ukraine.

Via YAHOO FINANCE.

Iggy Pop explica o que aprendeu com Mick Jagger e Jim Morrison

Desde que Iggy Pop tem se apresentado, ele ultrapassou os limites e testou o limite. Em raras ocasiões, sua veia selvagem colocou Iggy em apuros, e ele aprendeu com os melhores em Mick Jagger e Jim Morrison.

O desastre do The Doors em Michigan (aos olhos fascinados de Iggy Pop).

Embora Jagger nunca tenha agido de forma tão perturbadora quanto Morrison no palco, ele sabia exatamente como levar o público a fazê-los cair em um estado de histeria total. Por muitos anos, os shows dos Rolling Stones tornaram-se uma abreviação para o caos, principalmente pela maneira travessa que o vocalista orquestrava aqueles à sua frente.

Os shows selvagens dos Stooges rapidamente conquistaram uma reputação semelhante à dos Stones, e isso se deveu a Iggy, que havia recebido dicas dos melhores do ramo. Ele queria que seus shows fossem deliberadamente ásperos e com um elemento de perigo pairando no ar.

No entanto, como a carreira de Iggy começou depois que seus antecessores já reinaram supremos, seria seguro se ele simplesmente replicasse suas travessuras. Em vez disso, o frontman teve que dar um passo adiante, pois os limites foram movidos.

Em 2007, Iggy Pop se abriu sobre sua influência em sua carreira e como ele gosta de ser uma presença dominante ao se apresentar. O cantor disse à Rolling Stone: “De Morrison, era a maneira de ficar ao microfone, a postura e a pegada. Ele pendurou no suporte. Ninguém mais fez isso. A outra coisa é que ele pode fazer qualquer coisa, e ele não respeita você. Você não recebe respeito por dez dólares, desculpe! De Mick Jagger, seria ele se movimentando enquanto toca a música. Além disso, a voz como um fator irritante. Quando ele cantava, era o oposto de bom.

Ele continuou: “Eles foram tão longe quanto precisavam ir. Se eu ia trabalhar na mesma direção, tinha que ir mais longe. Mas isso não significa necessariamente mais extremo. Os Stooges foram mais longe em nossas influências. Ouvimos [a banda de acid-folk] Pearls Before Swine e [o compositor de vanguarda] Harry Partch. A batida em '1969' não é uma batida de Bo Diddley. É direto de um disco de dança do ventre. Pedra do Crescente Fértil."

Embora musicalmente os Stooges talvez parecessem ter influências amplas, Iggy Pop incluiu Jagger e Morrison em sua lista de cantores favoritos de todos os tempos. Em seu ranking, ele teve os ingleses em 11º e o frontman do The Doors em 18º.

Iggy usou habilmente a influência de ambos os frontmen. Ao contrário de muitos outros de sua geração, ele adicionou um ingrediente extra à mistura, que criou toda essa nova e excitante entidade que homenageou suas inspirações sem entrar em território de tributo.

Via FAR OUT.

Visions of Atlantis libera clipe de "Master the Hurricane", canção de seu novo álbum "Pirates"; assista

"Master the Hurricane" integra "Pirates", 8º álbum de estúdio da banda austríaca Visions of Atlantis, que chegará no dia 13 de maio próximo, via Napalm Records.

O trabalho sucederá "Wanderers" (2019).

Visions of Atlantis anuncia novo álbum "Pirates" e libera clipe da canção "Legion of the Seas"; assista.

Visions of Atlantis libera clipe de "Melancholy Angel", canção de seu novo álbum "Pirates"; assista.

Em nota, a banda comentou sobre o lançamento do disco:

"Marinheiros, Andarilhos e Piratas por aí, estamos muito animados para compartilhar com vocês o fruto de 2 anos de intenso trabalho apaixonado.

Pré-venda aqui: https://bit.ly/3tiPvf5

Ser Pirata para nós é estar plenamente consciente e ter a vida nas próprias mãos, viver e pensar livremente, abraçar a vida como uma aventura com toda a sua luz e escuridão.

Com o novo álbum, estamos abrindo uma nova era para o Visions of Atlantis, abraçando totalmente a identidade com a qual estamos flertando há vários anos, fazendo a música que realmente ressoa com nossas almas.

Continuamos nossa jornada nos levando por águas mais escuras, tempestades mais pesadas, onde tudo serve de pano de fundo para uma metáfora sobre crescimento pessoal e espiritualidade."

Assista ao clipe de "Master the Hurricane" no player abaixo:

Tracklist:

Pirates will Return

Melancholy Angel

Master the Hurricane

Clocks

Freedom

Legion of the Seas

Wild Elysium

Darkness Inside

In my World

Mercy

Heal the Scars

I will be Gone

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Roger Waters e seu encontro constrangedor com o "esnobe" John Lennon

Em várias ocasiões, Roger Waters, do Pink Floyd, falou longamente sobre a influência de John Lennon sobre ele como compositor. No entanto, as coisas não saíram conforme o planejado quando se conheceram e Waters ficou desapontado com o encontro gelado.

Pink Floyd: Nick Mason explica porque David Gilmour e Roger Waters ainda estão brigando.

Pink Floyd pode lucrar £ 350 milhões (+ de R$2 BILHÕES) com venda de seu catálogo.

Waters estudou meticulosamente os Beatles durante seus anos de formação, e a banda de Liverpool ensinou-lhe as regras básicas de composição. O Fab Four forneceu ao homem do Pink Floyd uma base de conhecimento que o ajudou imensamente, mas, mais notavelmente, os Beatles também ensinaram a Waters uma lição valiosa sobre expressão artística.

Certa vez, ele explicou: “Aprendi com John Lennon, Paul McCartney e George Harrison que não há problema em escrevermos sobre nossas vidas e o que sentimos – e nos expressarmos… nessa liberdade. E assim foi.

Além disso, Waters nomeou Lennon e McCartney entre seus compositores favoritos de todos os tempos em 2015. “Existem certos grupos cujos nomes você pode simplesmente arrancar do ar, e compositores. Como você pode dizer, John Lennon é um compositor importante, assim como Paul McCartney”, comentou.

Infelizmente, seu caminho cruzou apenas uma vez com Lennon durante a vida tragicamente curta do Beatle. De acordo com Waters, os dois estavam trabalhando respectivamente em Abbey Road na época e, infelizmente, ambos estavam com comportamento “esnobe”.

Falando no podcast WTF de Marc Maron, Waters refletiu sobre o encontro. Ele explicou: “Estávamos fazendo "Piper at Gates of Dawn", no estúdio número três em Abbey Road, e os Beatles estavam fazendo "Sgt. Peppers" no número dois, e eu fiz discos no número dois depois, fizemos coisas lá também.

Ele continuou: “Eu só encontrei John Lennon uma vez, para meu grande arrependimento, e isso foi na sala de controle número dois, e ele era um pouco… Ele era bastante arrogante, e eu também”.

O Pink Floyd era relativamente desconhecido na época e ainda não havia lançado seu álbum de estreia, o que talvez explique a falta de calor de Lennon em relação ao grupo. No entanto, seu comportamento não impediu Waters de amar os Beatles e o "Sgt. Pepper's" continua sendo um dos discos mais importantes de sua vida. “Lembro-me quando o Pepper saiu, parando o carro em uma parada, e sentamos lá e ouvimos”, disse Waters ao KLCS. “Alguém tocou a coisa toda no rádio. E eu me lembro de estar sentado nesse velho Zephyr Four, espancado, assim.

Este encontro entre Waters e Lennon é precisamente a prova de por que as pessoas dizem que você não deve conhecer seus heróis. Embora o baixista do Pink Floyd admitisse que a culpa não era apenas do Beatle e ele era igualmente culpado por criar a atmosfera estranha.

Via FAR OUT.