Confraria Floydstock: the beatles
Mostrando postagens com marcador the beatles. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador the beatles. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 23 de maio de 2019

The Beatles: 9 coisas que fizeram "Sgt. Pepper" possível


A história pode ser dividida em Pré-Pepper e Pós-Pepper

"Sgt. Pepper" ocupa um posto único no catálogo dos Beatles e na memória coletiva das pessoas. Não importam suas inclinações musicais, não há como negar a grande influência do álbum na música e na cultura em geral. A história pode ser dividida em Pré-Pepper e Pós-Pepper.
Aos que não estavam lá para experimentar em primeira mão durante o seu lançamento, o "Sgt. Pepper" é reduzido ao familiar. O que já foi considerado experimental e profundamente novo é categorizado como “rock clássico”. Ainda assim,  "Sgt. Pepper" é o que tornou o rock uma forma "respeitável" de arte e suas repercussões podem ser ouvidas nas décadas que se seguiram. "Sgt. Pepper" só poderia ter nascido em 1967 e, para entender por que, é preciso reconhecer a importante relação simbiótica entre cultura e música. Ao comemorarmos seu 50º aniversário, aqui estão apenas algumas das circunstâncias que levaram à conquista mais louvada dos Beatles.

1: A contracultura dos anos 60

O espírito da contracultura já estava em andamento muito antes de "Sgt. Pepper" aparecer. Dylan tinha entregue seu épico álbum duplo "Blonde On Blonde", enquanto Brian Wilson estava preparando Pet Sounds com The Beach Boys.
Aparentemente, todo artista estava criativamente a todo vapor e o tremendo ritmo dos lançamentos foi notável no período de apenas um ano. Tanto nos Estados Unidos quanto no Reino Unido, parecia haver um intercâmbio cultural aberto, já que os artistas inspirariam uns aos outros e, por sua vez, criariam algo inteiramente novo. Como John Lennon apontou, os Beatles não criaram a contracultura, mas eles certamente eram o símbolo mais visível. “Isso de termos mudado os penteados de todos? Mas algo nos influenciou ... o que está no ar”, disse Lennon. “Nós fazíamos parte dos anos 60. Isso estava acontecendo por conta própria. Nós fomos os escolhidos para representar o que estava acontecendo nas ruas.” Enquanto Sgt. Pepper pode não ter capturado a natureza anti-establishment da cultura dos anos 60, certamente definiu sua abertura, tanto em termos de música, arte visual e imagens líricas. Do Vaudevilliano "Being For The Benefit Of Mr Kite!" à palavra cantada em 'Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band' e uma orquestra completa em "A Day In The Life", eles desfocaram a linha entre a arte de vanguarda e a música pop.


2. Nomes de Bandas Psicodélicas da Califórnia

Enamorado pelo que estava acontecendo na cena da Costa Oeste, especificamente em São Francisco, Paul McCartney notara que a última onda de nomes de bandas estava ficando progressivamente mais longa e mais imaginativa. Já não eram os The Beatles, The Byrds ou The Kinks, era de repente Lothar e The Hand People, Big Brother e The Holding Company, ou a sugestão de Lennon, “Fred And His Incredible Shrinking Grateful Airplanes”. Como a banda especulava sobre paródias de disfarces, isso também deu origem à ideia de deixar os “The Beatles” para trás e criar uma nova identidade para eles mesmos.

3: Adoção de Alter Egos

A essa altura, os Beatles haviam alcançado níveis estratosféricos de popularidade e a Beatlemania havia ofuscado a música da banda. A banda queria liberdade para crescer além de sua imagem, e isso levou a uma exploração de alter egos. Como McCartney mais tarde lembrou, "achei que seria bom perder nossas identidades, nos submergir na persona de um grupo falso", e assim "Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band" nasceu. Essa idéia de identidade fluida ressoou fortemente entre a juventude da contracultura. Os seus antecedentes não precisavam mais determinar todo o seu futuro, podia-se simplesmente reinventar-se.


4: O  Pet Sounds dos The Beach Boys

Ambos George Martin e Paul McCartney foram registrados exaltando o "Pet Sounds" dos Beach Boys e que força influente ele foi para o "Sgt. Pepper". Martin disse que se Brian Wilson e os Beach Boys não tivessem criado seu álbum clássico, “Sgt. Pepper nunca teria acontecido", enquanto McCartney disse: "A invenção musical nesse álbum foi, tipo, "Wow!" Essa foi a grande coisa para mim. Eu apenas pensei, Oh meu caro, esse é o álbum de todos os tempos. O que diabos vamos fazer? ”Enquanto estava em rotação permanente durante as sessões de gravação, "Pet Sounds" também não teria existido sem que Brian Wilson se inspirasse no "Rubber Soul" dos Beatles. E assim o ciclo continuou.


5:  Freak Out!, de Frank Zappa And The Mothers of Invention

Se Brian Wilson ajudou a conduzir o lado pop das coisas, Frank Zappa iria impulsionar os Beatles para se tornarem mais experimentais. O álbum de estréia de Frank Zappa And the Mothers of Invention de 1966, "Freak Out!", também foi o primeiro do gênero, incorporando orquestração neoclássica com jazz improvisado e política contracultural, e com o objetivo de transformar o formato LP em uma declaração conceitual. Ambos, "Pet Sounds" e "Freak Out!" tinham provado que o rock poderia ser tanto uma mídia de produtor de estúdio como uma arte performática. Se Freak Out! foi o manifesto para a cultura freak em LA, em seguida, "Sgt. Pepper" seria o endosso intelectual da subcultura hippie de São Francisco.




6: Deixar de ser uma banda de turnê

Antes que decidissem adotar um alter ego, os Beatles decidiram que terminariam as turnês. Esqueça o inconveniente, as turnês se tornaram fisicamente perigosas para a banda, tanto devido a fãs fervorosos quanto por alguns públicos não tão favoráveis que não gostaram dos comentários aparentemente blasfemos de John Lennon sobre o cristianismo. Sua apresentação no Candlestick Park, em San Francisco, em 29 de agosto de 1966, seria o último show que eles iriam tocar, exceto por uma famosa apresentação no telhado da Apple em 1969.
Cada membro escapou à sua maneira, e quando eles se reuniram em novembro de 1966, decidiram fazer a mudança de banda de trabalho para uma "idéia" mais conceitual. Se suas músicas não exigissem que partes vocais e instrumentais fossem democraticamente divididas entre elas, o grupo era livre para jogar com os pontos fortes uns dos outros e mexer no estúdio até conseguir algo próximo da perfeição. Ringo resumiu o pensamento da banda no livro Anthology, dizendo: “Depois de decidir não fazer turnês, acho que não nos importamos mais. Nós estávamos nos divertindo mais no estúdio, como você pode ouvir em "Revolver" e "Rubber Soul". Em vez de sermos tirados do estúdio para ir à estrada, agora poderíamos passar um tempo lá e relaxar.


7: Experimentação de estúdio e George Martin

Durante suas sessões no Abbey Road, os Beatles estavam fechando o capítulo da Beatlemania em suas carreiras e iniciando um novo capítulo: os “anos de estúdio”. Durante anos, a maior parte do rock e da música pop foi escrita de forma a poder ser executada ao vivo. Quanto ao processo de gravação, a regra prática era recriar e capturar uma “performance ao vivo” no álbum. Mas Martin e os meninos queriam virar esse conceito de cabeça para baixo. Como Martin disse, "Nós estávamos colocando algo em fita que só poderia ser feito em fita." Ele era mais do que apenas um produtor; ele foi o arquiteto do som dos Beatles e expôs o grupo às gravações e idéias mais vanguardistas que expandiram seu campo de visão.

8: Limitações Técnicas

É notável o quanto Martin e a banda conseguiram realizar usando a tecnologia de estúdio da época - até certo ponto, isso é o que faz "Sgt.Pepper" tão impressionante. Como todas as grandes ideias, com a adversidade vem a engenhosidade. Enquanto a gravação multi-track era padrão da indústria em 1967, os gravadores de oito faixas eram mais comuns nos EUA e não estavam amplamente disponíveis no Reino Unido até o final de 1967. Muitos dos efeitos sonoros psicodélicos do álbum foram criados por meio de microfones separados ou acoplados a quase todos os objetos na sala, além de reaproveitar fones de ouvido como microfones e outros truques de engenhosidade.
Os Beatles, como o resto do mundo ocidental, apaixonaram-se pelas tradições musicais indianas, espiritualidade e cultura. Sua influência foi sentida desde "Norwegian Wood", no "Rubber Soul", e especialmente no "Revolver", com "Love You To", de George Harrison. O interesse de Harrison pela música indiana floresceria em uma paixão ao longo da vida. Antes das sessões de "Sgt. Pepper" começarem, Harrison voou para Mumbai (Bombaim) para tomar lições de citara de Ravi Shankar, culminando em sua orientalizada "Within You Without You" e nos timbres de fundo de "Lucy In The Sky With Diamonds".


9: Tendências da indústria ignoradas

Em 1966, os Beatles já haviam acumulado uma enorme série de sucessos, com "Revolver" vendendo 1.187.869 cópias até 31 de dezembro de 1966, só nos Estados Unidos. Seu sucesso os colocou em uma posição única de experimentar novas abordagens de composição e instrumentação. Com cada registro, eles expandiram a definição aceitável de “rock music”, e sua capacidade de alcançar fãs de todos os gêneros permitiu que eles tocassem estilos e instrumentos diferentes, mantendo o apelo tradicional. Sem ter que responder aos caprichos da música popular, os Beatles poderiam evitar fazer música de dança ou singles de rádio. Em vez disso, eles elevaram o rock a um padrão mais alto, abrindo caminho para o iminente rock progressivo e o art-rock do futuro.

Traduzido pelo confrade Renato Azambuja via UDISCOVERMUSIC