Confraria Floydstock: the alan parsons project
Mostrando postagens com marcador the alan parsons project. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador the alan parsons project. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 24 de maio de 2022

Alan Parsons Project reedita 'I Robot' e 'Eye in the Sky'

O Alan Parsons Project anunciou reedições de dois de seus álbuns de platina, "I Robot" e "Eye in the Sky", em homenagem aos respectivos aniversários de 45 e 40 anos.

Composto por Alan Parsons e Eric Woolfson, com um grupo constante de colaboradores adicionais ao longo dos anos, o Alan Parsons Project esteve ativo entre 1975 e 1990, lançando 11 álbuns durante esse período. Seu segundo lançamento, "I Robot" (1977), ajudou a dupla inglesa a se destacar nos EUA. Seu primeiro single, "I Wouldn't Want to Be Like You", foi um hit do Top 40, enquanto "Don't Let it Show". "Day After Day (The Show Must Go On)" e "Breakdown" também foram tocadas nas rádios.

Lançado em maio de 1982, "Eye in the Sky" alcançou a 7ª posição na Billboard 200. A faixa-título se tornou a música de maior sucesso comercial da banda, alcançando a 3ª posição na Billboard 100. Ainda assim, a faixa mais reconhecível do álbum pode ser a instrumental “Sirius”, que se tornou a música de introdução do Chicago Bulls de Michael Jordan e continua presente em arenas esportivas ao redor do mundo.

"Eye in the Sky" estará disponível como um pacote de dois LPs de 180 gramas e 45 RPM. "I Robot" estará disponível no mesmo formato, bem como um conjunto de caixas LP UltraDisc One-Step de 180 gramas de 33 RPM. Em um comunicado à imprensa, o Mobile Fidelity Sound Lab (MoFi), que remasterizou os dois álbuns para as reedições, prometeu que as versões mais recentes “testam os recursos de alcance total dos melhores sistemas estéreo do mundo”.

Nós nos sentimos muito sortudos por lançar essas duas obras-primas do Alan Parsons Project”, disse John K. Wood, vice-presidente executivo da Mobile Fidelity, em um comunicado. “Os álbuns de Alan Parsons e Eric Woolfson nunca soaram tão espetaculares. As camadas nas mixagens são simplesmente fenomenal e de outro mundo. O engenheiro de masterização Krieg Wunderlich trouxe esses dois títulos para um novo nível.

Ambos os álbuns já estão disponíveis para pré-venda.

Via UCR.

sexta-feira, 21 de maio de 2021

Os caminhos de Alan Parsons

Alan Parsons é um dos caras mais subestimados da história da música. O reconhecimento à sua obra sempre foi inferior ao que ele mereceu. Você já deve ter ouvido falar de Alan Parsons. Ou ouviu alguma música dele. Ou ainda ouviu alguma música em que ele trabalhou. Ou ouviu algo dele e ainda não sabe que ouviu. Mas ouviu. O fato é que Alan Parsons contribuiu para alguns dos grandes momentos do rock. Ele foi assistente de engenharia de som dos Beatles nas gravações dos álbuns "Abbey Road" e "Let It Be" e trabalhou como engenheiro de som do Pink Floyd no seu mais bem sucedido álbum, "Dark Side of The Moon". O relógio no começo de "Time" foi idéia dele, pra citar um exemplo.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Alan colaborou ainda com os Wings e com Al Stewart, entre outros nomes da música. Após quase uma década trabalhando como produtor musical, ele resolveu ir além. Em 1975 se uniu ao músico erudito Eric Woolfson e criou o Alan Parsons Project. Lançou nos anos seguintes diversos álbuns conceito, algo que ele trouxe do trabalho com o Pink Floyd. Com elementos psicodélicos, de música clássica e um espírito inventivo, Parsons enveredou pelo "Prog" e o fez com maestria. E assim como outras bandas de rock progressivo (Como o Pink Floyd pós Roger Waters, por exemplo), acabou sendo influenciado pela música Pop da década de 80, em que este gênero atingiu seu auge, com gente como Michael Jackson, Prince e Madonna comandando o cenário, e mesmo assim, Alan teve seu destaque. 

     Seus trabalhos abrageram diversos temas, desde as obras de Edgar Allan Poe e Isaac Asimov, até dramas do cotidiano e temas atemporais, como o papel da mulher na sociedade. O auge de seu sucesso se deu na virada da década de 70 para a de 80, com as músicas "Eye In The Sky", "Time", "Sirius"(que acabou sendo adotada como hino do Chicago Bulls de Michael Jordan), "Prime Time" e "Let's Talk About Me" (no melhor estilo Supertramp) entre outros sucessos. Alan Parsons seria ainda o responsável, junto a Andrew Powell (membro do Alan Parsons Project) pela trilha sonora do filme "O Feitiço de Áquila", dirigido por Richard Donner e lançado em 1985.

      A parceria com Woolfson terminaria em 1990 e Alan investiria seu tempo em turnês mundo afora, algo que antes não era de seu feitio. Embora não tenha atingido o mesmo sucesso de antes, Alan Parsons já havia cravado seu nome entre os grandes. Uma obra a ser celebrada e cada vez mais valorizada. É o que fica de um artista da música que sempre foi maior do que pareceu.

Por Jaderson Gomes.