Confraria Floydstock: rock nacional
Mostrando postagens com marcador rock nacional. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador rock nacional. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 2 de agosto de 2022

Em novo single “Adoça A Alma”, Sylvestra Bianchi fala sobre esperança e cura emocional

A faixa “Adoça a Alma” é uma bossa nova em português e traz mensagem espiritual de esperança e de cura emocional. O novo som é um lançamento do selo musical Marã Música.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A cantora curitibana Sylvestra Bianchi lança seu mais novo single “Adoça a Alma”. A faixa é uma bossa nova em português e traz mensagem espiritual de esperança e de cura emocional. O trabalho está disponível em todas as plataformas digitais e é um lançamento do selo musical Marã Música.

Sylvestra Bianchi lança videoclipe de “Sons of the Blue Ray”; assista.

A música chega como um convite a ouvir o coração, desapegar do sofrimento, eliminar os rancores, entender que existem as dores, mas que é possível superar adoçando a alma, se abrindo para viver a alegria na vida, onde o remédio está no coração e no interior de cada um. “Muitas vezes acabamos aprendendo no caminho da dor e de vivências sofridas, por escolhas inconscientes e até cármicas, porém existe um caminho de aprendizado por amor, quando temos consciência dos nossos atos, sentimentos, pensamentos e emoções, que é quando ouvimos nosso coração e nossa alma, compreendendo e transformando as negatividades”, acredita Sylvestra.

Ouça o single “Adoça a Alma”:

Letra (Escrita por Sylvestra Bianchi):

Fecho as portas para dor

Adoço a alma com amor

Todo mundo tem uma dor

E tem amor

Descarto todo o rancor

Hoje eu sou meu curador

Todo dia um bom humor

Com muito amor

Um novo ciclo começou 

O sofrimento terminou 

Um novo ciclo começou 

Agora aprendo com amor 


[refrão 3x]


O meu remédio tá no coração 

O meu remédio tá na minha alma

Sinta paz 

Sinta calma

Adoça a alma 

Adoça o coração.

A nova canção da artista chega, desta vez, em português. Ela foi escrita no primeiro ano da pandemia, após uma conexão espiritual vivida pela cantora. O som traz uma melodia de bossa nova, gênero com raiz brasileira e caracterizado por forte influência do samba carioca e do jazz. O produtor musical Leomaristi selecionou músicos renomados neste estilo musical para a gravação da obra.

Quando recebi esta mensagem, junto com a melodia, soube que teria que adaptar todo estilo musical de canto e instrumental. Para mim foi um desafio superado cantar uma bossa nova em português, após diversas composições em inglês e em Rock Cósmico. Precisei fazer aulas de coach vocal (e agradeço a Coach Ana Cascardo), para chegar neste resultado desafiador. A música significa muito para mim devido a clareza que tive desta conexão espiritual e a mensagem que ela traz de cura emocional”, declara Sylvestra.

A música vem acompanhada de um lyric video gravado na Chácara da Villarrica Filmes e estará disponível no canal do youtube da artista no próximo dia 11 de agosto, às 20h. Com direção da produtora Villarrica Filmes, o lyric vídeo traz imagens captadas de Sylvestra na natureza, apresentando a letra da música. Sylvestra traz novamente a energia dos elementais da natureza em seu figurino e na energia da faixa.

Sobre o que espera para o lançamento, ela conta: “A expectativa é que ao ouvir ‘Adoça a Alma’, as pessoas possam se abrir a um novo ciclo na vida com mais leveza, com mais alegria, desapegando do sofrimento e se permitindo adoçar a alma e o coração, ancorado e manifestando o amor”, finaliza.

Sylvestra Bianchi, de Curitiba, Paraná, iniciou o projeto musical em 2016, lançando a primeira música "Lightworkers" em outubro de 2019. A administradora e engenheira civil, aceitou um chamado espiritual, após mais de 10 anos na jornada de autoconhecimento e evolução espiritual, a cantar e transmitir mensagens altruístas que auxilie a todos na paz de espírito.

Na infância, Sylvestra cantava em concursos de karaokê infantil na cidade de Curitiba, resgatando o dom após uma jornada de cura interior e então criou o Rock Cósmico, para que através da música, seja transmitido mensagens espiritualistas a fim de auxiliar a todos na jornada de autoconhecimento. Anos antes do chamado ao canto, foi possível aprender sobre o mercado da música indo a diversos shows de rock pelo mundo

O Rock Cósmico recebe inspiração do plano espiritual. Já o gosto musical da artista fica com as bandas Guns n’ Roses, Kiss, Led Zeppelin, The Doors, Beatles, além das cantoras Etta James e Nina Simone, e dos artistas brasileiros Cazuza, Rita Lee, Mutantes e Tom Jobim.

quarta-feira, 27 de julho de 2022

Outland lança o seu novo single, "Hybrid One"; ouça

NOSSAS CANCOES TRAZEM HISTORIAS DE UM UNIVERSO DE FORA. DISTOPIAS,

METAFORAS E DELIRIOS DO SER. SOMOS SONS DE MUNDOS DISTANTES.

SOMOS OUTLAND...”.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O Outland traz no seu Metal Progressivo grandes influências de Hard Rock e Game Music. Melodias marcantes, harmonias exóticas e ritmos complexos para retratar uma realidade além da imaginação.

Esta história começa em 2008 quando o guitarrista Raphael Vale, junto a seu amigo de infância, o baterista Mauro Morais, resolve unir sua paixão por Rock Progressivo e Heavy Metal, e seus estudos musicais com sua admiração por games e RPG, criando assim a banda Lirium (2008-2010) , um projeto audacioso de Metal Progressivo ambientado em um universo alternativo que serviu de base para as composições. Já em 2019, Raphael e Mauro se reúnem novamente com os companheiros da antiga banda Leo Coelho (baixo) e Tio Lu (teclado), trazendo suas novas influências e ideias para os arranjos originais. Com a entrada do vocalista Diego Reategui, nasce então o Outland.

Outland é um Universo distante, nos quais habitam as histórias, personagens e conceitos abordados nas músicas. No entanto, representam metáforas e personificações de aspectos reais de nossa realidade. Reflexões sobre a existência, tomando formas como símbolos e narrativas nas canções da banda. Assim, embora pareçam fantasias distantes, é possível ver por trás de cada música o paralelo com nossas situações mundanas.

As artes conceituais foram idealizadas por Raphael, principal criador do Universo Outland e as ilustrações ficaram por conta da artista visual Valéria Aranha, que topou o desafio de dar vida e cores a este mundo, conseguindo representar esta visão de forma espetacular.

As fotos, assim como os projetos da capa, encartes e também e releases foram feitos pelo diretor de Arte Marcus Vale, que já apoia o trabalho da banda desde seus primórdios em 2008.

O EP "City of Eternal Lights" (lançamento em breve) foi totalmente produzido pelo Outland, com baterias gravadas no Fábrika Studio (Belém, Brasil), sob direção de Kleber Chaar e demais instrumentos e vocais gravados in Home Studio ao longo de 2021, com o próprio tecladista e produtor fonográfico Tio Lu a frente da engenharia de captação som, mixageme masterização, assim como da distribuição digital.

O Single "Hybrid One" é uma das faixas do EP. Aqui os elementos de Hard Rock e Metal se mesclam às experimentações progressivas. As harmonias e compassos complexos representam o conflito interno e a complexidade da existência. Esperamos que embarque nesta viagem sonora e que possa vislumbrar conosco as cores e histórias deste universo.

Bem vindo a Outland.

"HYBRID ONE" (LETRA E MÚSICA: R.VALE):

...A híbrida, em raça e em alma. Sem nome e sem lar. Deus e Diabo

de si mesma, é uma caçadora impiedosa em um mundo indiferente.

Uma sombra descrente do sentido maior, mas em constante conflito

com sua própria natureza divina. É um ser em constante

autodescoberta, vivendo o martírio da dualidade, aprendendo seu

papel numa incompreensível realidade...”.

terça-feira, 26 de julho de 2022

Female President lança “Saints of Heartache” single do EP de estreia “Our Year To Grieve”; ouça

Faixa é uma exibição imprudente de poder e uma melodia de rock retorcida que você vai querer aumentar até o fim.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Uma demonstração imprudente de poder, a batida selvagem de "Saints of Heartache" e os riffs de rock retorcidos se sustentam sob os vocais de aço crescentes. Escrito para inspirar o início e sair de uma situação tóxica, você estará batendo os pés, tamborilando no volante e aumentando o volume nesta faixa. Este é o último single lançado do próximo EP "Our Year To Grieve" do trio Female President.

Um trio de rock moderno e energizado inspirado nas primeiras raízes do rock n roll; Female President usa coragem sincera e riffs simplistas para criar um som próprio. Uma família de músicos cujos estilos individuais criam dinâmica e groove a um ritmo febril.

 Dréa Atkins (do Farewell Albatross), Johnny Moss (do DSR) e Jasper Cunningham (do Vacant Lights) formaram a banda durante o verão de 2020. Female President lançará seu EP completo em junho de 2022. O EP é dedicado à perda de muitos membros da família e da comunidade no ano passado, incluindo o pai de Dréa.

 Ouça: "Saints of Heartache":

quinta-feira, 21 de julho de 2022

Ultranova libera seu novo single "Odisseia para Sirius"; ouça

Canção marca o retorno pós-pandêmico da banda prog paraense.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A banda Ultranova, forte expoente do prog rock nacional, liberou hoje o seu novo single, "Odisseia para Sirius", seu primeiro lançamento após "Samsara" (OUÇA AQUI), música que chegou em maio de 2019, sucedendo o álbum de estreia, o excelente "Orion", de 2017 (LEIA A NOSSA RESENHA).

O lançamento marca o retorno pós-pandemia da banda, que interrompeu as atividades de ensaios e shows desde meados de 2020. Agora o grupo se encontra em fase de gravação de novas músicas que farão parte do novo álbum que planejam lançar até o final do ano. Além dessa, há outras em fase de gravação que talvez resultem em um outro single antes do lançamento do disco.

Sobre a faixa, o guitarrista Daniel Leite explicou:

"Quando criamos o projeto Ultranova, sempre imaginamos uma sonoridade espacial, o primeiro álbum está repleto dessa atmosfera cósmica, presente com mais amplitude em faixas como "Órbita" e "Órion". "Odisseia para Sirius" por sua vez, vem coroar todo esse contexto, e baseado nesse ambiente cósmico, fui compondo os temas e deixando a própria estrutura musical me direcionar no decorrer da composição. O nome "Odisseia para Sirius" busca inspiração na história de uma jornada para a estrela mais brilhante de nossos céus, e foi baseada nesse contexto, que a composição foi pensada e elaborada. Espero que vocês apreciem esse brilho, o brilho de Sirius!"

Ouça "Odisseia para Sirius" no player abaixo:

segunda-feira, 18 de julho de 2022

Titas lança clipe para "Caos", canção de seu vindouro novo álbum; assista

Canção foi composta pela família Lee: Rita Lee, Roberto de Carvalho e Beto Lee.

Os Titãs, hoje composto por Branco Melo, Sérgio Britto e Tony Belotto, lançaram o primeiro single de seu novo álbum, que chegará ainda este ano, sucedendo a ópera rock “Doze Flores Amarelas” (2018).

Rick Bonadio e Sérgio Fouad assinaram a produção da canção, enquanto Otávio Juliano assinara a direção do videoclipe da mesma.

‘Caos’ é uma pérola, um presente muito especial que ganhamos de Rita, Roberto e Beto Lee, uma canção inédita composta especialmente para nós por esse trio de talento extraterrestre! É também a primeira música que lançamos de nosso novo disco, um trabalho titânico que reúne 15 músicas novas, um disco de rock com que comemoramos 40 anos de carreira.” - declarou em nota o guitarrista Tony Belotto.

Assista ao clipe de "Caos" no player abaixo:

quarta-feira, 6 de julho de 2022

Orangeira Fest terá CPM 22, Plutão Já Foi Planeta e mais com entrada gratuita em Osasco

Evento, no dia 10 de julho, também terá Dona Iracema, Deb and the Mentals e outras sete bandas; entrada gratuita é mediante doação de um quilo de alimento não perecível.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A banda CPM 22 será a atração principal do Orangeira Rock Fest, que acontecerá dia 10 de julho em Osasco (SP). O festival contará ainda com outros destaques da cena rock nacional, como as bandas Plutão Já Foi Planeta, Dona Iracema e Deb and The Mentals, além de outras bandas. A entrada para o evento será 1kg de alimento não perecível, prometendo casa cheia.

Com apoio da Secretaria de Cultura de Osasco, o evento fará parte da programação da Semana do Rock em Osasco, no ano em que o município paulista completa 60 anos. O festival, com line up eclético, reúne bandas de diferentes estados brasileiros.

O CPM 22 surgiu em 1995, influenciada por punk rock e hardcore, com músicas rápidas, melódicas e letras cotidianas. O CPM 22 tem como maior influência a cena pós punk californiana dos anos 90, como, Screeching Weasel, No Use For A Name, Face To Face, Lagwagon, entre outros.

Ao longo dos anos, a banda foi se tornando cada vez mais popular com sucessos como ‘Um Minuto Para o Fim do Mundo’, ‘Regina Let’s Go’, ‘Dias Atrás’, ‘Não Sei Viver Sem Ter Você’ e muitos outros, se tornando um dos principais nomes do rock / hardcore brasileiro.

Neste ano de 2022 a banda será atração do Palco Mundo do Rock in Rio, representando o rock nacional na mesma noite que grandes nomes do rock mundial como The Offspring, Maneskin e Guns n’ Roses. Será a terceira participação da banda no festival carioca, um dos maiores do mundo.

A Plutão Já Foi Planeta é uma banda de Natal (RN) iniciada em 2013, e no ano seguinte, lançaram o primeiro trabalho de estúdio, o ‘Daqui Pra Lá’. Com esse álbum, tocaram em cidades de todo o Brasil, marcando presença em festivais como Bananada (GO), DoSol (RN), MADA (RN), Circadélica (SP), Rolling Stone (SP), Tomarrock (RR), Contato (SP) e Ponto CE (CE). Em 2016, foram vice-campeões do reality show global “SuperStar”, o que rendeu visibilidade nacional para o trabalho.

Logo depois, em março de 2017, lançaram o segundo álbum, intitulado ‘A Última Palavra Feche a Porta’, em parceria com o selo slap da Som Livre, e conta com as participações de Maria Gadú e Liniker. Nesta turnê a banda seguiu participando de grandes festivais, como Coma (DF), Lollapalooza (SP), Rock in Rio (RJ).

É difícil ficar indiferente ao som da banda Dona Iracema, de Vitória da Conquista (BA). Potente, afirmativo, politizado, irreverente e, principalmente, autêntico, com uma propriedade rara, o grupo consegue mexer em assuntos espinhosos e imperativos na sociedade atual. No meio disso, um hardcore com sotaque nordestino e elementos de baião e forró, batizado por eles de “caatincore”.

Deb and The Mentals é uma das bandas mais ativas do cenário atual. Nascida em 2015 e liderada pela potente vocalista Deb Babilônia, a banda começa agora – em parceria dos selos Forever Vacation Records e Flecha Discos – uma nova fase, com letras em português, mas mantendo o seu garage rock/grunge pulsante.

Desde que lançou ‘Mess’, em 2017, a Deb And The Mentals tem uma estética sonora bem definida: soa noventista, se encaixa perfeitamente no que se chamava de college rock, caminhando a entre o rock mainstream e o punk underground.

Idealizador do evento e responsável pela Orangeira Music, Lucas Laranjeira falou sobre o festival.

Sou morador de Osasco desde que nasci, em 1987, e produzo eventos na cidade há muitos anos. Sempre foi vontade nossa na Orangeira Music poder realizar um festival que reunisse destaques de diferentes vertentes e regiões do rock brasileiro na cidade. Sempre trabalhamos a circulação de artistas na cidade e poder fazer isso em um festival como este é colocar Osasco na rota dos grandes festivais do país.

Além da parte musical, o festival terá exposições de artesanato, espaço kids, entre outras novidades para atender a todos os públicos e famílias do município de Osasco. Contará ainda com uma praça gastronômica com diversas opções de doces e salgados, além do bar com diversas opções.

Com entradas limitadas, sujeito a lotação máxima da casa, quem não quiser ficar de fora do Orangeira Rock Fest 2022 terá que chegar cedo para aproveitar todas as atrações do evento.

ORANGEIRA ROCK FEST 2022

Data: 10 de julho de 2022

Horário: das 10 às 23h

Local: Centro de Eventos Pedro Bortolosso

Endereço: Av. Visc. de Nova Granada, 513 – Km 18, Osasco – SP, 06194-025

Entrada solidária: 1 kg de alimento não perecível

Realização: Orangeira Music.

terça-feira, 5 de julho de 2022

Montanee lança session de versão rock do hit "...Baby One More Time"; assista

Sucesso de Britney Spears, que marcou o pop da segunda metade dos anos 90, ganha contornos rock da banda carioca.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O trio carioca Montanee, prestes a lançar pelo selo Olga Music a inédita "Chepeast Thrill" (15/7 no streaming), solta antes a live session em que tocam uma versão rock e moderna de "... Baby One More Time", hit absoluto da cantora norte-americana Britney Spears e até hoje uma das músicas mais emblemáticas do pop.

Confira a session da Montanee tocando "... Baby One More Time":

A versão também está nas plataformas digitais, ouça aqui.

A ideia de fazer esse cover, conta o guitarrista e vocalista Felipe Areias, surgiu ao escutar a versão acústica de "... Baby One More Time" criada pela banda britânica Travis.

"Resolvi tirar ela no violão e, no dia seguinte, a gente tinha ensaio. Fiquei pronto antes dos outros e comecei a tocar ela de bobeira, o resto da banda começou a acompanhar e gostamos do que saiu dali em diante", ele revela.

Teo Kligerman, o baterista da Montanee, conta um pouco sobre o processo criativo da versão rock deste clássico do pop noventista:

"Quando fazemos uma releitura, claro que criamos várias coisas, temos uma liberdade criativa, mas é mais fácil transformar do que brotar do zero. Mas foi um processo bem natural".

A ideia de começar a música apenas com fraseados de guitarra, conta Areias, foi uma forma de manter como a versão nasceu pela primeira vez em um ensaio. "Foi uma coisa instintiva a banda entrar só no primeiro refrão".

A versão, então, ganhou mais corpo com a adição de sintetizadores, por meio da produção de Thiago Cymbal e Vic Delnur. "Elevamos nossa leitura de "...Baby one More Time" a outro nível e foi a partir daí que resolvemos encher a música com vozes", completa Areias.

Mais diversas harmonias foram gravadas e mais uma participação entra em cena na gravação: Nanda Cid, que contribuiu com backing vocals.

"Acho que a Britney vai ficar orgulhosa com a nossa versão", finaliza a banda.

Mais detalhes sobre os bastidores e o processo de gravação podem ser conferidos neste vídeo, com direção, edição e colorização de Felipe Areias, e direção de fotografia de João Carlos Rocha:

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Mothica lança seu novo álbum “Nocturnal”

Artista se consolida como uma das novas sensações do rock em segundo álbum.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Mothica une o peso do rock com a aura do pop alternativo em “Nocturnal”, seu segundo álbum de estúdio. Trazendo um mergulho em melodias dinâmicas e emoções à flor da pele, ela faz uma continuação do seu álbum de estreia “Blue Hour”, de 2020.

Ouça “Nocturnal”: https://heavyheart.lnk.to/NocturnalPR 

Enquanto em seu debut ela se inspirava no fim da tarde, agora Mothica mergulha na escuridão falando sobre saúde mental, pesadelo e até a estreia relação que a artista tem com o sono. Em 17 faixas, ela traz o clima de fim de noite em narrativas etéreas.

Muitas das músicas tocam nos temas da escuridão e falam sobre ações autodestrutivas", diz a artista. "'Blue Hour' foi um momento de transição onde eu fiquei sóbria. Eu estava vivendo um desastre emocional, tentando entender minha vida. Esta sou eu totalmente firme, fazendo um álbum onde queria me sentir mais empoderada”.

Assista ao clipe “SENSITIVE”: 

Assista ao clipe "CASUALTY": 

Assista ao clipe “LAST CIGARETTE” (FEAT. AU/RA):

Assista ao clipe “BEDTIME STORIES”:

Crescendo em Oklahoma, Mothica achou que falar abertamente sobre problemas de saúde mental era um tabu e procurou na internet um senso de comunidade. Embora tenha escrito música desde criança, ela não começou a se dedicar à música até os 18 anos, produzindo e lançando suas músicas e se tornando muito próxima dos seus fãs que se conectam com sua história e suas temáticas. A artista explodiu globalmente no TikTok com o hit “VICES” e hoje acumula mais de 200 milhões de execuções em suas músicas em poucos anos de carreira, que já conta além dos dois álbuns, uma série de singles e EPs, sendo o mais recente “forever fifteen”, de 2021.

Dirigindo ou co-dirigindo os impactantes vídeos do projeto, Mothica agora se prepara para uma turnê de lançamento do álbum onde. Além de shows-solo, ela fará uma série de shows pela América do Norte com o Coheed and Cambria entre Julho e Agosto.

Nocturnal” é um lançamento Rise Records/BMG disponível em todas as plataformas de música.

Tracklist:

1. Sleepwalk

2. Nocturnal

3. Sensitive

4. Highlights

5. I

6. Casualty

7. Last Cigarette (Ft. Au/Ra)

8. Back Of My Mind

9. Ii

10. R.E.M.

11. Bedtime Stories

12. Lullaby

13. Iii

14. Absinthe

15. The Reckoning (Ft. Polyphia)

16. Blood

17. Tears

quinta-feira, 30 de junho de 2022

Janete Saiu Para Beber reverbera a cena de Pernambuco ao unir rock a ritmos da cultura popular

Unindo punk rock e manguebeat, pernambucanos lançam ao vivo no estúdio Showlivre.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Banda pernambucana, Janete Saiu Para Beber, lançou recentemente no YouTube e nas principais plataformas digitais o show que gravou em fevereiro no estúdio Showlivre. O grupo traz em sua sonoridade uma mistura entre o punk/garage rock e ritmos da cultura popular, tais como: coco de roda, cavalo marinho, frevo e caboclinho. Suas letras revelam críticas sociais e pessoais, por serem o reflexo do estilo de vida e experiências pessoais de seus integrantes.

Escute aqui: https://open.spotify.com/album/6ghpbZ1semLDWxuQHp7JcG

Em janeiro deste ano, a banda Janete Saiu Para Beber, original do Cabo de Santo Agostinho-PE, aceitou o convite para realizar uma apresentação no estúdio Showlivre em São Paulo-SP. Janete Saiu Para Beber se tornou a primeira banda cabense a participar do Showlivre, onde até então só tinham participado bandas de Recife e Olinda, que fizeram parte da Cena Mangue dos anos 90. Essa realização contou com o apoio da Secretaria de Cultura do Cabo de Santo Agostinho-PE, que viabilizou a presença da banda no espaço.

Além de apresentar toda a sua pluralidade sonora, que mistura o punk com hip hop e ritmos da cultura popular, a JSPB trouxe 9 músicas inéditas e um tributo ao Rei do  Baião Luiz Gonzaga, para o palco do Showlivre.  A banda é formada atualmente por César Braga - vocal, Kin Noise - Guitarra, Lennon Carneiro - Baixo, Niel Melo - Bateria, Eudes Junior - Percussão, e Erivaldo Romão - Percussão.

Assista a apresentação no Showlivre:

Conversamos com Cesar Braga, Vocal da JxSxPxBx, sobre a trajetória da banda, curiosidades, influências musicais, processo de gravação e planos futuros. Confira a entrevista!

De onde tiraram a ideia para o nome da banda? 

O nome foi tirado do Livro factotum do escritor Charles Bukowski onde Chinaski, alter ego do escritor, se relaciona com Jane. Ambos pulam de emprego em emprego e passam por aventuras alcoólicas noites adentro. Mudamos Jane para Janete e usamos para o nome da banda fazendo uma representação ao ser humano comum que contribui para fazer funcionar a engrenagem do sistema e no fim da luta diária quer tomar uma dose, ou duas, ou três para se sentir vivo.

Vocês se conheciam antes da banda ser formada? Como e quando a banda surgiu?

Já nos conhecíamos, tocamos em bandas diferentes durante um período em que a cena contava com uma galera que ainda bebia muito do período grunge/noise e o hardcore noventista. Durante um show no pátio de São Pedro- Recife rolou a ideia entre Kin e César de formar um novo projeto, daí surgiu o convite para Niel assumir as baquetas e Lennon tocar baixo. Nessa formação ainda não contávamos com nossos atuais percussionistas, Eudes e Erivaldo. Isso foi em 2009.

A banda segue promovendo seu último lançamento, o ao vivo no estúdio showlivre. Como foi o processo de gravação desse ao vivo?

A banda ensaiou bastante pra essa ocasião e foi um pouco cansativo devido toda logística de equipamento de Recife para São Paulo mas na hora tudo fluiu muito bem, a equipe do showlivre é muito prática e fácil de trabalhar, na Hora H estávamos bastante a vontade e o resultado final foi mais do que satisfatório e foi muito gratificante mostrar nossas músicas a nível nacional.

O lançamento foi muito bem recebido nos sites de música especializada nacionais e internacionais . Como a banda está vendo esse feedback tão positivo do material lançado?

Nos orgulhamos muito, é aquela sensação de que não está sendo em vão e é o que na verdade nos dar força pra continuar compondo para que nossa música seja compreendida e bem aceita

Cada banda favorita dos membros da banda?

A banda bebe de muitas fontes diferentes, desde o coco de roda e mais ritmos regionais, Nu Metal, Grunge, Experimental, Mangue, Punk, Hip Hop... Fica difícil especificar por bandas mas pra citar algumas essenciais seriam, Chico Scince e Nação Zumbi, Sheik Tosado, N.W.A, Korn, Planet Hemp, Sepultura na fase Roots principalmente, The Mars Volta, Sonic Youth, Fugazi e por aí vai...

Quem ou o que te inspira a escrever músicas?

De modo geral o cotidiano, a vontade de reclamar sobre tudo que nos deixa indignados, a sociedade e sua falta de consciência de classe. Todos da banda tem empregos comuns, então a maior inspiração talvez seja ser o grito de luta dessa classe.

Onde foi seu último show?

Nosso último show foi no centro cultural mestre goitá, berço do coco de roda da cidade de Pontezinha no Cabo de Santo Agostinho.

Onde a banda gostaria de tocar? 

A gente curte tocar em lugares pequenos e apertados, além de pogar junto com o público, mas não seria nada mal chegar a grandes festivais e deixar nossa marca. A banda gostaria de tocar no país inteiro e em outros continentes também, estamos nessa luta.

Com quem vocês gostariam de apresentar?

Sonhando bem alto seria foda tocar no mesmo palco do The Mars Volta, Planet Hemp ou Racionais Mc's. Somos bem ecléticos, mas tem muita banda que achamos foda e que seria uma honra gigante dividir o palco.

Quais bandas e fontes artísticas inspiraram o som do Janete Saiu para Beber?

Vai desde literatura a música, para citar algumas bandas e artistas seriam, Chico Science e Nação Zumbi, Sheik Tosado, Sepultura, Korn, N.W.A, Racionais Mcs, Sabotage, Kátia França, Jackson do pandeiro, Zefirina Bomba, Querosene Jacaré, Rage Against the Machine, Turnstile, The Mars Volta, Fugazi, Sonic Youth. Tem muita coisa.

Podemos esperar  mais material inédito em breve? clipe ou single talvez?

Sim, já estamos trabalhando em novas músicas e já temos um single que está em fase de produção para sair junto com um clipe. Esse single está sendo feito em parceria com a Caos Maria de São Paulo e assim como a nova leva de músicas, está com muito cunho de crítica social e flertando cada vez mais com o Rap/Hip Hop misturado a Riffs pesados e muito noise, logo logo estará disponível na rede.

terça-feira, 7 de junho de 2022

"Surpresa": Vinicius Cantuária e Jesse Harris em Especial do Dia dos Namorados

O Dia dos Namorados chega mais cedo no Teatro Rival Refit com o show dos cantores e compositores Vinicius Cantuária e Jesse Harris, no dia 11 de junho. Os artistas vão apresentar o recém-lançado CD “Surpresa”. Eles já rodaram por Estados Unidos e Europa cantando as músicas do álbum que gravaram juntos, além dos sucessos individuais de cada um.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Vinicius canta “Só você”, “Lua e Estrela”, “Cheio de amor”, “Coisa linda” e também músicas do seu elogiado CD “Vinícius canta Tom Jobim”. Já Harris ataca com vários hits, inclusive “Don’t know Why”, mundialmente consagrada na voz de Norah Jones.

Serviço:

11 de Junho de 2022 Sábado às 19h30

Ingressos entre R$ 60,00 e R$ 140,00

Teatro Rival Refit - Rua Alvaro Alvim , 33 - Subsolo , Rio de Janeiro - Rio de Janeiro

LINK:  https://bileto.sympla.com.br/event/73128/d/137495

terça-feira, 31 de maio de 2022

Matanza INC lança clipe de “Tudo Destruído”, single do novo álbum da banda

O disco "Retórica Diabólica" chega em junho.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O aguardado segundo álbum do Matanza INC, "Retórica Diabólica", será lançado em parceria com o selo Estelita, dia 10 de junho. Para saciar a ansiedade dos fãs da banda, foi disponibilizado o primeiro single e videoclipe do trabalho, para a faixa “Tudo Destruído”.

A banda restabelece sua proposta de dar continuidade ao trabalho autoral desenvolvido por Marco Donida ao longo de mais de duas décadas. O videoclipe, com direção de Eduardo Kurt, traz os músicos em um cenário distópico, como sugerem os versos desesperançosos da letra.

Assista o videoclipe de “Tudo Destruído”:

Antigo parceiro da banda e autor de outros clipes do Matanza, como “Ela Roubou meu Caminhão”, “Pé na Porta” e “Mulher Diabo”, Kurt sabe como ninguém transformar música em caos audiovisual. Vital na voz, Donida na guitarra, Dony no baixo e Jonas na bateria esbanjam entrosamento musical, liberdade criativa e propriedade para pavimentar um sólido caminho com o Matanza INC: É o que sugere o single “Tudo Destruído” e o que promete o "Retórica Diabólica".

Além do single e do vindouro álbum, o grupo iniciará em breve uma nova turnê para a divulgação do trabalho. As datas serão divulgadas muito em breve. Uma das apresentações acontece no lendário Hangar 110, dia 25 de junho.

"Retórica Diabólica" é um álbum criado durante os momentos de pandemia, que não apenas expande fortemente os horizontes musicais da banda como reforça as estruturas de sua identidade melódica. As letras seguem sarcásticas e provocativas, levantando questionamentos sobre a nossa percepção dos problemas do mundo.

Ouça o novo single: https://open.spotify.com/album/4m8NyqdTP1zcSEKHZiHzVp

terça-feira, 17 de agosto de 2021

Entrevista com Sylvestra Bianchi

A Cantora Curitibana Sylvestra Bianchi,  já tem data marcada para o lançamento do seu mais novo single "Astral Larvae", no estilo Rock Cósmico, em todas as plataformas digitais (Spotify, Deezer, Apple Music, Tidal) programado para  27 de agosto e videoclipe programado para 08  de Setembro  no Youtube.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Sylvestra alinha o rock com espiritualidade. A música trata de assuntos espirituais. Saiba mais tudo dá sobre ela por ela mesma na entrevista  abaixo:

SB - Me fale um pouco sobre História da Sylvestra Bianchi:

Há pelo menos 13 anos, em uma longa jornada espiritual e de autoconhecimento, passei pelo processo de cura interior, reconexão com a essência e desbloqueio de dons e talentos de alma. Com duas graduações, em administração e engenharia civil, minha alma pedia por algo que me fizesse mais feliz e eu já era movida a música e ao rock n roll. 

Entre inúmeras crenças limitantes que foram identificadas, o canto da infância que estava adormecido, ao longo do processo de cura, reapareceu através das terapias holísticas e com uma chuva de mensagens espirituais em 2015, quando aceitei o desafio de resgatar esse dom, e colocar em ação o canto, alinhado ao propósito que essas músicas auxiliassem na paz de espírito, na alegria de viver, no amor maior, no caminho do bem.

SD- Como surgiu a ideia de montar o projeto musical?

Com o desenvolvimento da espiritualidade e o autoconhecimento, o chamado pela música despertou muito forte. Comecei a frequentar aulas de canto para aprimorar a técnica vocal, e comecei a compor músicas num processo intuitivo. Com algumas letras e melodias, busquei um produtor musical para colocar em prática e criar este projeto musical Sylvestra Bianchi. Desde 2016 venho trabalhando diariamente, numa jornada evolutiva, com muitos desafios sendo superados. 

SD - Conte-nos um pouco sobre a trajetória da Sylvestra início, meio e tomara que não tenha fim (risos)?

Embora essa nova missão de vida, de levar o canto em um projeto musical profissional, tenha vindo de um chamado espiritual, eu nunca imaginei que os desafios seriam tão grandes e complexos! 

Como sou uma cantora que só canta, e não toca instrumentos, precisei de muitas pessoas para colocar as composições e melodias no instrumental, precisei de músicos para gravar, ensaiar e fazer shows, tentei formar uma banda, tentei terceirizar alguns serviços que uma cantora precisa, e foram muitos erros até começar a encontrar o caminho onde as músicas começaram a ficar conhecidas.  

Muitas pessoas não acreditaram no meu potencial, na minha evolução musical, na qualidade do meu canto, além de encontrar muita ganância no caminho. Deus testou minha força, autoconfiança, equilíbrio, perseverança, sabedoria, paciência, coragem de todas as formas possíveis. Quando coloquei 100% da minha energia no projeto, na música, no marketing, na organização em geral, tudo começou a acontecer com resultados positivos.

SD - Por que o nome Sylvestra Bianchi?

Sylvestra Bianchi é um nome espiritual, alinhado a um trabalho de branding, para essa missão e propósito de levar a paz de espírito através da música. 

SD - Quem produz e toca com Sylvestra Bianchi? Onde são os ensaios?

Atualmente trabalho com mais de um produtor musical, pois os streamings pedem lançamentos em curto prazo, e as redes sociais pedem frequência e diversidade nos conteúdos, concentrando mais os trabalhos agora com o renomado Leo Maristi. Os músicos são contratados por show e os ensaios na minha cidade local, Curitiba/PR.

SD - Como vocês definem o som da banda?

O estilo musical é o Rock Cósmico, que é a união das vertentes do rock com a temática de espiritualidade. O instrumental varia conforme a mensagem e a consciência que queremos transmitir. 

SD - Quais são suas principais influências?

O Rock Cósmico traz inovação. O meu gosto musical pessoal tem The Doors, Guns N Roses, Led Zepplin, Beatles, BB King, Nina Simone, Etta James, um mix de bandas de rock, blues e jazz. 

SD - Sobre o que retratam suas letras e quem as compõe?

As letras trazem mensagens relacionadas a espiritualidade, ao mundo místico, ufológico, além de mensagens motivacionais, de autoajuda, e tudo aquilo que possa expandir a consciência na luz maior. As composições são próprias. 

SD - E como tem sido a aceitação do público desse casamento do Rock com a Espiritualidade?

Com o público de rock e de músicos, acabam se identificando com as mensagens, uma vez que músico tem uma sensibilidade maior com a arte, com o significado da vida, com a criatividade que acaba levando para esses questionamentos. 

Para os espiritualistas, o choque foi um pouco maior, porque muitos estão mais acostumados com mantras, com sons muito calmos, e falar em rock, nem todos se sentiram atraídos ao som, porque o rock ainda é julgado pela imagem criada ao longo da história. 

Os que se tornaram fãs, acabou sendo aqueles que ouvem Beatles, Pink Floyd, Led Zepplin.

Tem o público do empoderamento feminino, pela identidade visual da Sylvestra, e tem também o público das cantoras, que acabam achando alguma semelhança com alguma consagrada.  

SD - Quais são os lançamentos da banda? Podem citar pra nós em ordem cronológica a discografia e produção já lançada pela banda?

O primeiro single da banda chama-se “Lightworkers”, lançado em Outubro/2019, música conceito do trabalho.

https://open.spotify.com/album/56FRFWAT9C6XlgRB3pNztX

"Lightworkers", fala dos trabalhadores de Luz e remete a conexão com a nossa essência divina e o alinhamento perfeito entre rock e espiritualidade.

A música fala sobre união, sobre colocar os dons em prática em prol da humanidade. "Lightworkers" inspira alegria! O ritmo e a melodia varia de um verso a outro! Tem um refrão que "cola na cabeça"! 

Na sequência, o segundo single “Lemurian Warrior” vem em ritmo de Blues. 

https://open.spotify.com/album/7DA9bVSsfwiQkvu7C6KjQW

O single "Athena", lançado em Março/2021, chega com empoderamento feminino, sabedoria, coragem, e consciência para nossa verdade interior. 

https://open.spotify.com/album/4ziXladrRJcMiGJiJoQ3pz

SD - Qual é o seu trabalho mais recente? está disponível em algo formato, físico/ digital?

A música mais recente é “Astral Larvae”, lançado agora dia 27/agosto/2021, disponível nas plataformas digitais. Estou planejando um álbum, assim que lançar mais alguns singles. 

SD - Qual a temática e a proposta do último single “Astral Larvae”?

“Astral Larvae” é uma música de purificação energética. Ela traz a consciência do que são as energias negativas, e ela traz mantras hindus e tibetanos de transformação. Ela começa pesada e termina num estado de paz. 

Segue link para pré save da Música "Astral Larvae".

SD - Quanto tempo levou desde a concepção até chegar ao produto final para produzir este trabalho?

Esta música “Astral Larvae” ficou sendo trabalhada por 4 anos, entre ajustes no instrumental e gravação vocal. 

SD - Sobre os videoclipes: me conta a produção, roteiro, temática, repercussão? 

Os três primeiros singles: “Lightworkers”, “Lemurian Warrior” e “Athena” tem videoclipes com produção, roteiro, e ambientação de natureza, na temática de cada música. Os últimos dois produzidos pela Villarrica Filmes, contam um com uma história de amor com o personagem de guerreiro, e o outro com a personagem da Deusa Grega Athena. Athena está com 450 mil visualizações, e é o clipe mais bem produzido até agora, com maior aceitação do público. Em “Astral Larvae” teremos um lyric vídeo, pois a letra traz muitas consciências. 

SD - A identidade visual de Sylvestra chama muito a atenção. Me conte mais sobre a identidade, figurino, acessórios e maquiagem?

Sylvestra Bianchi é um nome espiritual, e a identidade visual traz elementos de deusas mitológicas e ancestrais que tragam a mensagem do empoderamento, da essência e dos valores da mulher, para transmitir essas mensagens. Os figurinos e acessórios são desenvolvidos pela designer de moda Denise de Leão Mueller Bianco, da De Bianco em Curitiba/PR, e a maquiagem pelo Paulo Stein. Esta identidade visual tem atraído o público infantil e as mulheres que se identificam com o sagrado feminino.

SD -Voltando a falar de trabalhos e álbuns: quais álbuns marcaram sua vida e que te inspiraram a entrar no mundo da música?

Use Your Illusion I e  II – Guns N Roses

Abble Road – The Beatles

Led Zepplin II e IV – Led Zepplin

Dark Side of The Moon – Pink Floyd

The Woodstock Experience – Janis Joplin

Live -Fleetwood Mac

Riding with the King – BB King e Eric Clapton

The Very Best of Nina Simone

Quadrophenia – The Who

The Diary of Alicia Keys - Alicia Keys

SD - Se pudesse ir a algum show no mundo, de qualquer época e qualquer banda: a qual iria e por quê?

Vou contar uma história bem legal, que mostra bem como meu caminho já estava escrito, antes mesmo de eu ter consciência disso. Antes de eu decidir investir no Projeto Musical, todo meu lazer era em eventos de espiritualidade e shows de rock pelo mundo. 

Fiz em 2014 uma viagem pela Europa, e em 18 dias, assisti a 13 shows de rock, incluindo Aerosmith, Rolling Stones, Black Sabbath, Eric Clapton. Em 2015, assisti a turnê completa do Kiss na Austrália, em 6 cidades. Já assisti a 18 shows do Guns N Roses, 5 do Paul McCartney, 4 do Metallica, alguns do Zakk Wylde, entre outros. Me falta assistir um show do ACDC, gostaria de ver o Jimmy Page tocando, e tem muitos que já se foram que eu gostaria de ter assistido com The Doors, Chris Cornell, Janis, Etta James, Freddie Mercury, etc.

SD - O que você faz no tempo livre? 

Descanso, sempre! A carga de trabalho é enorme, e com o pouco tempo livre que resta, é preciso descansar e renovar as energias.

SD - Quais os planos para o futuro?

O próximo passo, após este lançamento de "Astral Larvae", vou trazer uma versão cover da música “Shoud I Stay or Should I Go”, do The Clash, em ritmo de blues, que já está licenciada para lançar nas plataformas digitais, e deve chegar no fim de setembro ou começo de outubro. 

Estou preparando um show para abrir a agenda de shows assim que a vacinação se complete no país e  eu me sinta a vontade de convidar as pessoas e proporcionar segurança a elas nesses ambientes. 

Também compus uma música em português em ritmo de bossa nova com uma mensagem motivacional de um novo recomeço de vida após a pandemia, e lançaremos assim que chegue o momento certo.

É uma proposta diferente, mas respeitei a melodia que intuí em uma meditação. E tenho alguns rock cósmicos a serem finalizados para lançamento posterior.

SD - O que podemos esperar de um show da Sylvestra Bianchi?

Os shows variam com músicas autorais, do Rock Cósmico, e versões cover de rock clássico e blues. 

São com músicos contratados, e Sylvestra se produz de Deusa Cósmica, com suas danças femininas, e seu canto, passeando por diversos estilos.

Jogo Rápido: Regras resposta única sem justificar não precisa explicar o porquê duvido conseguir.

1- Um Disco para levar para uma ilha deserta apenas 1?

Concert For George

2-Melhor Banda do mundo?

Guns N Roses

3-Melhor show da vida já visto?

Paul McCartney

4-Melhor disco já produzido no universo? 

Quadrophenia do The Who

5- Uma personalidade marcante?

Axl Rose

6-Uma música é a melhor música já composta no universo?

Shine on Your Crazy Diamond – Pink Floyd

7- Um paraíso

Ilha de Páscoa

8-Uma praia

Byron Bay -Austrália

9-Um livro

Todos do Osho

10- Um sonho

Cantar em um grande Festival 

11- Uma experiência inesquecível

Assistir o show do Guns N Roses no palco

12- Um aprendizado

Não esperar nada dos outros

13-Um ponto fraco

Ter um sono fora do comum

14- Um ponto forte

A Paciência

Sylvestra Bianchi Senhoras e senhores, muito obrigado pela sua disponibilidade e tempo para responder nossas perguntas, participar das nossas brincadeiras e em breve passando essa pandemia tenho certeza que vamos nos encontrar pelos palcos do Brasil. Muito, Muito obrigado e até a  próxima!

Sylvestra Bianchi é um nome espiritual, representa uma energia cósmica!

A Identidade é referenciada com empatia, empoderamento, o propósito do trabalho da luz, a referência nas sementes das estrelas, deusas cósmicas e mitológicas, energia de seres elementais e angélicos. Explorar a espiritualidade, percorrer a multidimensionalidade, sondar a mitologia, investigar a ufologia, entender nossos medos e transitar para uma vida mais completa e feliz.

Este é o objetivo de “alma” da artista Sylvestra Bianchi, que traz estes temas com a ousadia do rock cósmico, a elegância dos clássicos do rock, a coragem do hard rock, a nobreza do rock progressivo, o destemor do rock psicodélico, a beleza do blues e a valentia do jazz.

Cosmic Rock:

Nossas músicas variam de um estilo para outro, trazendo aspectos do Rock Clássico, Hard Rock, Rock Progressivo, Rock Psicodélico, Blues, um pouco de Jazz e Bossa Nova. 

Queremos transmitir a cada verso o instrumental necessário para sentir nossa mensagem. 

Nosso instrumental traz mensagens e consciências que auxiliam no autoconhecimento e elevam a vibração  Nós não queremos usar o termo “Rock Psicodélico” porque alcançamos a consciência sem a ajuda de alucinógenos. E se você verificar a definição do estilo psicodélico, esta associação está presente.

Cosmic Rock refere-se ao conceito de universalidade, multidimensionalidade, falamos em energia, falamos em física quântica, falamos em espiritualidade, falamos em Deus, em mitologia, ufologia e, portanto, transformamos nosso som em Rock Cósmico.

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Mission Pilots and the Dropkick Apollo traz peso do stoner com camadas psicodélicas

Álbum de estreia conta com cinco músicas instrumentais com referências à Dead Meadow e Truckfighters.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A Abraxas Records lança nas plataformas de streaming o disco de estreia da Mission Pilots and the Dropkick Apollo, power trio instrumental de Florianópolis. São cinco músicas que carregam o peso do stoner em meio à viagens psicodélicas e camadas de fuzz.

Ouça aqui: https://onerpm.link/242548343897.

O álbum foi concebido em torno de um universo narrativo embebido nas referências do sci-fi, nas viagens espaciais, no etéreo e no passional. Esses elementos se estabelecem, criando de forma subjetiva - e muito vinculada ao interpretativo - o início de uma saga.

"Mission Pilots and the Dropkick Apollo" foi gravado em 2019 de forma independente, no estúdio da banda, e todas as faixas foram produzidas por Bruno Bastos Nogueira.

Para a estreia, Sleepy Sun, Truckfighters, Dead Meadow, Causa Sui e Pink Floyd são referências para o material consistente e empolgante, uma viagem lisérgica com altas doses de adrenalina.

A banda

Formada em 2012, a Mission Pilots and the Dropkick Apollo inicia sua jornada tocando em pequenas festas na região.

Instrumental, busca uma sonoridade que une o peso do stoner com momentos introspectivos, sempre instigada por uma camada psicodélica. Em suas inspirações iniciais, lá estavam bandas como Sleepy Sun, Dead Meadow, Causa Sui e Pink Floyd.

Já com um repertório autoral, a banda logo é chamada para se apresentar ao lado de nomes internacionais do rock chapado, dentre eles, três realizados pela Abraxas: Radio Moscow, The Shrine e Earthless.

Próximo lançamento

Já está em produção uma graphic novel que aprofunda a narrativa do disco de estreia. A intenção da banda é ampliar a experiência auditiva para outras plataformas.

Evil Motor: quarteto disponibiliza novo videoclipe de “The Blast”

A banda carioca de hard rock Evil Motor, um dos precursores do Stoner no Brasil, lançou nessa última Quarta (28) seu novo single. “The Blast”, ótima faixa de hard rock e rock´n roll, veio com um videoclipe e foi disponibilizada no Youtube e no streaming, atrelando peso e boa melodia com uma dose generosa de energia.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com 

O quarteto, formado nos anos 90 na cidade de Teresópolis, é um dos primeiros nomes do país relacionados ao cenário Stoner, tendo lançado o álbum “Atomic Vacuum” em 1999. Seu lançamento anterior foi a faixa “Tell of My”, e mais material já se encontra em processo de produção, trazendo a banda de volta à ativa como nunca!

Confiram “The Blast”:

Em memória de Aldir Blanc, novo EP do músico brasiliense apresenta 3 faixas autorais com tom de protesto

Tiago Sá é músico, produtor, cantor e compositor com influências que vão do rock ao reggae, passando pela música brasileira até a eletrônica. Ele começou sua carreira ainda na década de 1990, tocando em bandas de reggae da capital e na banda do músico Renato Matos, com quem lançou um álbum ao vivo em 2004.  Ele tem dois álbuns autorais lançados: “Reação da Alquimia” (2012) com produção de Lucas Santtana e “Música pra te aguçar” (2019). Ambos lançados de maneira física e fora dos serviços de streaming atuais.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com 

Agora, o artista lança digitalmente o EP “Querelas de Brasília” (ouça no spotify, deezer, apple music), que tem esse nome em referência a Aldir Blanc e ao complicado momento político do nosso país. O protesto dá o tom das letras do EP e a sonoridade viaja pelo rock, o dub, a música brasileira e a eletrônica ao longo das três faixas do trabalho. "O Brazil tá matando o Brasil. Os versos de Blanc permanecem atuais. Nesse pesadelo necropolítico a resistência é nos mantermos vivos junto com os nossos sonhos. Esse EP é em memória de Aldir Blanc e das vítimas do desgoverno Bolsonaro, é minha afirmação de oposição e ao mesmo tempo uma espécie de terapia. Apesar do horror não deixo de contemplar a beleza que resiste junto com a esperança”, comenta Tiago.

O EP, que foi produzido pelo próprio artista, conta com as participações do rapper Japão Viela 17 em “Quase Tudo Bem”, do guitarrista Marcelo Barbosa da banda Angra fazendo o solo da faixa “Querelas de Brasília” e da cantora Andressa Munizo da banda Binarious na canção “Anticorpos Antifascistas”. A arte de capa é da Imaginarte.

Além das faixas, o EP ainda será acompanhado por Lyric Videos, também produzidos pela Imaginarte para todas as canções. Os 3 lyrics são praticamente clipes já que são feitos 100% com filmagens, têm uma estética que lembra o punk rock dos anos 80 e cada vídeo tem uma cor predominante como na trilogia de Kieslowski. O primeiro video lançado foi do single “Anticorpos Antifascistas” em junho. Junto com o lançamento do EP, Tiago aproveita para lançar o Lyric Video da faixa que dá nome ao trabalho. O último lyric, da canção “Quase tudo Bem”, será lançado em seguida.

Veja o Lyric Video de "Querelas de Brasília":

O EP “Querelas de Brasília” tem letras e produção do Tiago Sá, com mix e master por Ricardo Ponte e será lançado pelo selo digital nordestino Hominis Canidae REC. Tiago é o primeiro artista autoral do cast, de fora da região mais amada e antifascista do Brasil. O selo aproveita pra avisar que também irá disponibilizar os outros álbuns autorais do cantor e compositor brasiliense em todos os streamings, ao longo deste segundo semestre.

Ouça o EP “Querelas de Brasília” em seu streaming favorito:

https://rec.hominiscanidae.org/2021/07/HC36TiagoSa.html

terça-feira, 27 de julho de 2021

Fryer busca a luz em meio à escuridão em conceitual álbum “The Moth - Before the Darkness”

Lançamento é do selo Nightbird Records

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Tal qual uma mariposa desesperada à procura da luz, Fryer busca um olhar para o futuro através da escuridão em seu álbum de estreia. Usando com referência sons góticos, industriais e pós-punk com um viés contemporâneo, “The Moth - Before the Darkness” é um curto e cru trabalho cheio de ambiências que dialogam com o cenário de caos sócio-político do Brasil atual. O lançamento é realizado pelo selo norte-rio-grandense Nightbird Records em todas as plataformas de streaming. 

Ouça “The Moth - Before The Darkness: https://smarturl.it/TMBTDFryer

Esse é um disco conceitual que aborda várias figuras presas em um ambiente escuro onde ninguém sabe onde está, como chegou ali ou para onde está indo. Quase uma referência a Beckett. O álbum funciona como uma sátira nostálgica e atual do momento político e social que vivemos abordando temas como o narcisismo nas redes sociais e os desdobramentos políticos do Brasil nos últimos anos”, resume o artista.

Fryer é um artista visual e compositor piauiense que aborda em suas obras múltiplas questões sociais e políticas e suas ligações com temas psicológicos e emocionais. Natural de Teresina, ele traz o um olhar ao mesmo tempo enquanto pessoa nordestina e como ser humano em um mundo caótico, se conectando com as pessoas em suas exposições ou canções. A capa, de sua autoria a partir de uma colagem digital de fotografias, traz a sensação de desconforto e estranhamento proposto como ponto de partida para o início do disco.

A ausência do rosto vem justamente para representar os pensamentos e a consciência social sendo diluídas. Não é uma persona específica. Somos todos nós perdidos. Sem ambições, sem perspectivas, sem uma imagem clara do futuro e sem rosto. O objetivo era criar uma imagem que conseguisse transmitir essa personalidade quase concreta se dissolvendo em um ambiente abstrato, no escuro, como um inseto lentamente desaparecendo na noite. A figura está suspensa nesse ambiente para significar a todos nós, que nesse momento, não sabemos para onde ir ou como seguir devido aos fatos que nos cercam em 2021”, reflete ele, que preparou artes para cada uma das faixas.

O álbum foi idealizado por Fryer ao longo de 2019. A pré-produção foi feita em um processo colaborativo com sua banda, composta por Izídio Cunha (baixo), Flávio Lopes (bateria) e Jean Medeiros (guitarra). As gravações das faixas principais ocorreram no início de 2020, de modo analógico para manter a estética proposta, no ForestLAB em Petrópolis (RJ). As faixas de transição foram gravadas em Teresina (PI), ao longo da pandemia do coronavírus em uma abordagem mais experimental. Debut do artista em formato disco, “The Moth - Before the Darkness” pode ser ouvido em todos os serviços de streaming de música.

A Banda:

Sintetizadores, vocais e guitarras: Fryer

Guitarras: Jean Medeiros

Baixo: Izídio Cunha

Bateria: Flávio Lopes

segunda-feira, 26 de julho de 2021

Com rock psicodélico e blues, Ancestral Diva divulga álbum de estreia homônimo

Rock psicodélico, blues e resistência. É com esse espírito que a banda Ancestral Diva divulgara o seu álbum de estreia no dia 23 de julho. Homônimo, o disco é inspirado na música setentista e versa sobre a liberdade, a paz e o amor.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Escute o álbum Ancestral Diva

Ao todo, 11 faixas integram o álbum. Entre elas, estão a faixa Lamento, gravada em colaboração com a drag queen, Dolly Piercing, e os singles "Macumbeira" e "Dançando no Inferno". Esta última, inclusive, conta com uma performance teatral de Ricardo Righi na introdução. 

As sessões de gravação ocorreram no estúdio Última Gota, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Na ocasião, a banda contou com o suporte do produtor artístico e engenheiro de áudio, Vitor Lopes. A masterização ficou a cargo de Fred Chamone. 

O vocalista Babo Gruppi explica o significado de “Ancestral Diva”. 

É um nome inspirado no simbolismo das árvores milenares que resistem ao tempo. Elas têm suas raízes enterradas, mas seguem vivas respirando. E esse sentimento de que é preciso resistir para sobreviver, está presente em todo o nosso disco”, frisou. 

O guitarrista Zé Mário Sousa, por sua vez, frisa que o grupo teve um caldeirão de influências durante o processo de produção do álbum. 

Nós gostamos da sonoridade stoner/blues. Por isso, nos inspiramos em novos nomes como All Them Witches e Royal Blood. No entanto, também curtimos muita coisa nacional e ouvimos desde de Secos & Molhados a Pabllo Vittar. No Brasil, o Jards Macalé foi a principal referência. Ele lançou uma obra prima chamada ‘Besta Fera'. Esse álbum nos influenciou bastante”.

A banda Ancestral Diva está em atividade desde 2019 e é oriunda do projeto The Spacetime Ripples, que em 2017 excursionou nos Estados Unidos. Além de Babo e Ze, a formação ainda é constituída pelos músicos Luce Lee (baixo, piano e synths) e Saulo Ferrari (bateria e percussão).

Tracklist:

Enterrado Vivo (Parte I)

Lamento (feat. Dolly Piercing)

Fim Distante

Escancarado

Macumbeira

Levada da Breca

Dançando no Inferno

Despertamente

Enterrado Vivo (Parte II)

Pindorama

Samba Para o Fim do Mundo

quarta-feira, 14 de julho de 2021

Setfire Fest: 6ª edição acontece de forma online em agosto

A 6ª edição do "Setfire Fest", organizada pela banda de Thrash Metal Setfire. acontece de forma online na primeira quinzena de agosto.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O cast do festival conta com 20 bandas do cenário underground nacional, sendo que algumas destas bandas já estiveram presentes em edições anteriores do festival.

O Setfire Fest Online 2021 acontecerá no dia 15 de Agosto de 2021, às 19:30 no canal do Youtube da banda Setfire.

Confira o Cast do festival em ordem alfabética:

Andralls, Anthares, AnamA, Blackning, BrightStorm, Drowned, Death Conspiracy, Faces of Death, Final Disaster, Endrah, Hellgarden, Invokaos, Okill, Setfire, Sinaya, Torrencial, Tribal Scream, Válvera e Vulcano.

SERVIÇO:

Setfire Fest Online 2021 - 6ª edição

Data: 15 de abril de 2021

Horário: 19:30hrs

Transmissão: www.youtube.com/setfiretv

A 6ª edição do Setfire Fest conta com a parceria dos amigos, que juntos uniram com o objetivo de fortalecer o underground, sendo eles: Coletivo Rock ABC, EM Music Management, Pancadaria Sonora, Metal Music, Heavy Metal On Line, Garibaldi Tattoo Stúdio e Gangue Underground.

terça-feira, 13 de julho de 2021

Dr. Sin celebra trinta anos de carreira com duas apresentações em São Paulo no mês do Rock

Shows acontecem no Teatro J Safra, seguindo todas os protocolos de segurança.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Comemorando 30 anos de uma vitoriosa carreira, o Dr. Sin, um dos maiores nomes do Rock no Brasil, realiza dois shows especiais no Teatro J. Safra, nos dias 23 e 24 de julho (sexta e sábado), a partir das 20 horas. O grupo é um dos primeiros nomes da música pesada a participar da retomada das apresentações ao vivo no país.

Para tornar esta celebração ainda mais especial, aliada as comemorações referentes ao mês do Rock, o trio contará com a participação de Edu Ardanuy, ex-guitarrista do grupo. A formação atual do conjunto é Andria Busic (vocal principal e baixo), Thiago Melo (guitarra e vocal) e Ivan Busic (bateria e vocal).

As apresentações, em formato mais intimista, acontecem em um espaço privilegiado e com ingressos limitados, seguindo todas os protocolos de segurança referentes a prevenção do Coronavírus.

Os ingressos para a apresentação podem ser comprados online, pelo site do Teatro. O Teatro J. Safra fica localizado na Rua Josef Kryss, 318, no bairro Barra Funda, próximo a Marginal Tietê.

O Dr. Sin, desde o início de sua trajetória, impressionou com a qualidade das músicas e os shows cheios de energia. No decorrer dos anos, a banda brasileira dividiu palco com grandes nomes do Rock e do Metal mundial, como Nirvana, AC/DC, Ian Gillan, Bon Jovi e Pantera, entre tantos outros.

Além de celebrar três décadas de estrada, o Dr. Sin se prepara para a próxima turnê, o lançamento de um novo single e de um DVD comemorativo. O grupo lançou este ano o aclamado single “Never Go Down”. O mais recente álbum completo do grupo, "Back Home Again", saiu no Brasil em 2019 pela Shinigami Records. O lançamento internacional aconteceu este ano, pela gravadora italiana Valery Records.

SERVIÇO:

Data: 23 e 24 de julho de 2021 (sexta e sábado)

Local: Teatro J. Safra (Rua Josef Kryss, 318 – Barra Funda. São Paulo/SP)

Horário: 20h

Venda online: https://www.teatrojsafra.com.br/espetaculo.html?id=355

Telefone: (11) 3611-3042

quarta-feira, 7 de julho de 2021

Plebe Rude lança lyric video para "68", seu novo single

Canção, embebida em crítica política, integra o vindouro álbum "Evolução - Vol. II", celebrando os 40 anos da banda brasiliense.

Assista no player abaixo:


A Banda:

Andre X: Baixo e Voz
Philippe Seabra: Voz e Guitarra
Clemente: Guitarra e Voz
Marcelo Capucci: Bateria