Confraria Floydstock: reggae
Mostrando postagens com marcador reggae. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador reggae. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Dos Beatles a Stevie Nicks: 15 músicas brilhantes que começam com o refrão

Não nos aborreça. Vá para o refrão”. Uma excelente máxima para se viver e que mais artistas deveriam abraçar com fervor. Introduções longas e estendidas devem ser mantidas no reino das bandas de jam: se você está tentando causar uma primeira impressão sólida, por que acertar o ouvinte na cara com a parte mais cativante e memorável da música logo de cara?

Agora, nem sempre é óbvio qual parte da música é o refrão. Estrutura clássica da canção AABA, mais conhecida por sua prevalência em padrões de jazz e composições de Tin Pan Alley, mas também usada por músicos influenciados por este estilo particular de composição, como Brian Wilson ('Surfer Girl') e Lennon / McCartney ('From Me to You' ), desconsidera a forma verso-refrão. Outras canções, como ‘Bohemian Rhapsody’ e ‘2112’, são suítes épicas que ignoram as formalidades de um refrão.

Mas, existem muitos exemplos de música popular dos últimos 60 anos ou mais de canções que começam com um refrão claro e conciso antes de introduzir o primeiro verso. Para esta lista, estamos jogando rápido e solto com as introduções, com o entendimento básico de que, desde que não seja uma introdução estendida, alguns compassos de trabalho instrumental não vão destruir as chances de uma música.

Aqui estão alguns dos melhores exemplos de músicas que começam com suas seções mais memoráveis: o refrão.

Chapel of Love’ - The Dixie Cups (1964)

Você, o leitor anônimo perspicaz, me julgará duramente se eu disser que uma das minhas músicas favoritas de todos os tempos é este pedaço incrivelmente sincero e inocente do pop dos anos 60? Em uma época em que os grupos femininos ainda eram uma grande parte da cena pop americana, The Dixie Cups marcou seu primeiro e único sucesso com esta ode à felicidade do casamento.

As mãos famosas que ajudaram a dar vida a essa música são tão notáveis quanto a própria música: Phil Spector é um co-escritor junto com os músicos pop Ellie Greenwich e Jeff Barry, enquanto os lendários compositores Leiber e Stoller são os produtores. Aquela equipe combinada conhecia o poder do refrão de abertura, e então chegamos a capella, sem nada para impedir sua glória.

I Wanna Rock’ - Twisted Sister (1984)

Colocado aqui apenas para equilibrar a insegurança que senti ao admitir que uma das minhas músicas favoritas é reconhecidamente meio esquisita. Não me arrependo, mas se um limpador de palato é necessário, por que não torná-lo o mais direto e estúpido possível?

Dee Snider e seus companheiros de banda pesadamente maquiados em Twisted Sister nunca foram realmente do tipo sutil. Como tal, ‘I Wanna Rock’ diz logo de cara o que a banda pretende fazer (aqui vai uma dica: rock). Existe um sentimento mais imediato do que Snider gritando o refrão incrivelmente direto da música para você logo de cara? Não pelo meu dinheiro.


She Loves You’ - The Beatles (1963)

Como mencionado anteriormente, os Beatles eram uma banda com muitas influências de composição que os inspirou a escrever músicas com várias formas e estruturas. Há músicas na forma clássica de trinta e dois compassos A-A-B-A, músicas com formas tradicionais de verso-refrão-meio e até músicas sem refrão, como "Happiness Is a Warm Gun".

Mas para o que ainda permanece como uma das canções mais populares da banda em toda a sua carreira, "She Loves You" dá a você a satisfação imediata de ouvir seu refrão indelével. Tudo o que você precisa é um rápido tom preenchido de Ringo Starr antes que o anzol seja imediatamente plantado em seu cérebro, onde ficará até o fim dos tempos.


Shout’ - Tears for Fears (1984)

De todas as bandas new wave britânicas que invadiram os Estados Unidos durante a década de 1980, hoje uma das mais reverenciadas continua sendo o Tears for Fears. A apreciação por músicas como ‘Pale Shelter’, ‘Mad World’ e ‘Everybody Wants to Rule the World’ os coloca um passo à frente de alguns de seus colegas mais nostálgicos.

O poder de seu maior sucesso, "Shout", vem daquele refrão central eternamente ecoado. Soando como se estivesse sendo recitado do topo das montanhas, o refrão foi uma decisão natural de colocar bem no primeiro plano da melodia, exceto por alguns sons introdutórios de percussão apenas para definir o clima.


Everything Right is Wrong Again’ - They Might Be Giants (1986)

Em sua essência, John Flansburgh e John Linnell são nerds. Nerds sobre ciência, história e linguagem, mas mais especificamente nerds sobre música. Sua gama de influências é ampla o suficiente para emprestar elementos de tudo, desde a polca ao punk, frequentemente fundindo-os na mesma música.

Everything Right Is Wrong Again’, a primeira faixa do primeiro álbum da banda, decide ir direto ao ponto e dar-lhe o refrão imediatamente. Não só isso, mas a música tem um final falso antes de uma ponte lenta e subaquática que explode de volta naquele refrão maravilhosamente cativante.


Build Me Up Buttercup’ - The Foundations (1968)

Com alguma sorte, a presença constante de ‘Build Me Up Buttercup’ em comerciais de carros idiotas e filmes preguiçosos e aparições na televisão não diminuiu o poder da música quando você a ouve pela milionésima vez. Estranhamente, a música se tornou uma estranha sugestão de áudio para a felicidade, apesar de seu contexto claramente deprimente.

Com aquela batida alegre e melodia vocal indelével, no entanto, é difícil não sentir um pouco de alegria quando "Build Me Up Buttercup" explode em seu subconsciente. Após uma breve introdução instrumental, temos aquele refrão memorável bem na frente, pronto para ficar preso na sua cabeça o dia todo.


Le Freak’ – Chic (1978)

"Awwwwww freak out!" Você pode ouvir, eu posso ouvir, todos nós podemos ouvir em nossas cabeças. Nenhuma nota inicial ou jam introdutória necessária. O que o frequentemente difamado movimento disco realmente fez foi pegar R&B e soul music e destilá-las em seus elementos pop mais essenciais. As músicas disco ainda trazem o funk e o sabor de um ótimo R&B, mas a ênfase foi colocada em ganchos memoráveis e dançabilidade.

É difícil conseguir algo melhor no mundo da discoteca do que Chic, o Nile Rodgers dirigiu a banda que trouxe uma atmosfera de festa gigante para tudo o que fizeram. Quando você pensa em música disco em seu cérebro, provavelmente está pensando nos elementos que o Chic foi pioneiro, incluindo a remoção de qualquer coisa que atrapalhe um refrão monstruoso.


Edge of Seventeen’ - Stevie Nicks (1982)

Tentando lutar por conta própria antes de ter que retornar ao seu trabalho diurno no Fleetwood Mac para o álbum "Mirage", Stevie Nicks conjurou seu feitiço diabólico e criou Bella Donna, ainda uma das estreias solo mais idiotas e divertidas de um já famoso cantor.

Edge of Seventeen’ não retém nada da mesma leveza, em vez disso procura acertá-lo bem entre os olhos com poder e drama. Nicks tinha um refrão monstruoso para cantar junto com a música e, muito corretamente, decidiu que deveria ser colocado bem na vanguarda do arranjo da música. O resultado é uma introdução instantânea à carreira solo de Nicks.


I Shot the Sherrif’ - Bob Marley & The Wailers (1973)

Bob Marley tinha uma intuição tão natural para a composição musical que as formas tradicionais e estruturas musicais, bem como as tradições em geral, não se encaixavam em seu MO. Em vez disso, sempre havia espaço para experimentação para criar qualquer que fosse a versão ideal de uma determinada música.

Eu, pessoalmente, teria escolhido o início lento de 'Stir It Up', mas ficou claro que a introdução cada vez maior de instrumentos em camadas era muito longa e muito única em seu próprio direito para dizer razoavelmente que a música começa com seu refrão . Portanto, este anúncio vai para ‘I Shot the Sherrif’, que é muito mais imediato: uma rápida jogada de armadilha e o conto simbólico de assassinato entra em ação na mídia res.


‘Minority’ - Green Day (2000)

OK, então ‘Minority’ claramente tem uma introdução escolhida pela guitarra que vem antes do refrão. Mas, como sou eu que estou na lista, e sou eu que decidi seguir as regras de maneira rápida e solta, eu queria incluir uma das minhas músicas favoritas do Green Day.

Na época de "Warning", os membros do Green Day estavam aparentemente perdidos em seu desejo de diversificar seu som. Uma clara influência folk se insinua em "Minority", quase como se Phil Ochs pudesse ter cantado essa música se fosse um punk rocker, mas como um todo Warning se sente confuso consigo mesmo, especialmente em seu meio inchado. Não há esse problema com ‘Minority’, que arrasa tanto quanto qualquer música do Green Day com guitarras elétricas em vez de acústica.


Song 2’ - Blur (1997)

Falando em experiências da banda com seu som característico. Em 1997, o Britpop acabou. "Be Here Now" meio que arruinou a festa para todos, mas o Blur já estava fora de casa quando lançou seu quinto LP autointitulado alguns meses antes.

Principalmente influenciado pelo rock e grunge alternativo americano, Blur faz de tudo para apagar virtualmente os sons estabelecidos do passado da banda. 'Song 2', apropriadamente, acabou sendo a única música do Blur reconhecível que a maioria dos americanos poderia escolher. “The Woo-hoo Song” conhece seu poder e, depois de uma curta progressão de bateria e guitarra para estabelecer o sentimento, entramos naquele refrão ridículo em quinze segundos.


Any Way You Want It’ - Journey (1980)

Tudo bem, chega dessa merda de “essa música pode entrar na lista mesmo que tenha uma introdução instrumental”. Precisamos de uma música que seja inequívoca, inquestionavelmente iniciada com o refrão exatamente na marca de 0:01. Dói em cada fibra do meu ser dizer isso, mas é verdade: precisamos de Journey.

Na verdade, eu não odeio Journey. Eu costumava fazer isso quando tinha 14 anos e o principal componente do meu ser era mijo e vinagre, mas agora posso apreciar os tons doces e doces de AOR de Steve Perry e companhia. ‘Any Way You Want It’ tem aquele tipo de atração imediata que é difícil de resistir, e todos esses anos depois, eu finalmente consegui voltar ao seu encanto. Droga, Journey, parece que você me pegou.


Nowhere to Run’ - Martha and the Vandellas (1965)

Vamos nos jogar de volta à era clássica da Motown para ver como Martha e os Vandellas subestimados pelo crime. Claro, The Supremes recebem todo o amor e atenção por sua ladainha de sucessos número um, mas Martha Reeves tem uma voz e presença de palco melhores do que Diana Ross (duas tomadas quentes que formam uma colina proeminente na qual vou morrer) e ocasionalmente tem melhores músicas da máquina Motown.

Uma dessas canções é ‘Nowhere to Run’, o single matador de ‘Dancing in the Street’, que retém todos os melhores elementos do som da Motown, ao mesmo tempo em que apresenta um refrão cativante no topo da música. Ponha um pouco de respeito no nome Vandellas!


Casey Jones’ - Grateful Dead (1970)

Gravado em uma época em que os Dead procuravam criar gravações mais concisas e de inspiração folk, "Casey Jones" era a única coisa que ninguém poderia esperar da polêmica banda movida a drogas: uma música com claro potencial pop.

Talvez seja um pouco irônico que uma banda conhecida por suas longas passagens tenha decidido ir direto ao ponto em "Casey Jones", mas isso é parte de seu charme contagiante. O set e o set eram essenciais para a banda, e ambos foram estabelecidos nos segundos iniciais de "Casey Jones", não se entregando aos hábitos passados da banda de construções lentas e recompensas pacientes.


Feels Like We Only Go Backwards’ - Tame Impala (2012)

Os refrões imediatos não são apenas um elemento de algumas das melhores músicas do passado: eles também continuam a surgir nos dias modernos. Kevin Parker do Tame Impala nem sempre brinca com ganchos explicitamente pop-centric, mas quando o faz, eles muitas vezes se encontram na vanguarda de seus arranjos.

Esse é o caso de ‘Feels Like We Only Go Backwards’. Parker sabia o quão grande era aquele refrão e decidiu não mexer em transmiti-lo direto para o cérebro do ouvinte. Sempre fico chocado que ‘The Less I Know the Better’ acabou sendo o maior sucesso da banda, considerando a franqueza e o poder de ‘Feels Like We Only Go Backwards’.


Via FAR OUT.

quinta-feira, 29 de julho de 2021

Em memória de Aldir Blanc, novo EP do músico brasiliense apresenta 3 faixas autorais com tom de protesto

Tiago Sá é músico, produtor, cantor e compositor com influências que vão do rock ao reggae, passando pela música brasileira até a eletrônica. Ele começou sua carreira ainda na década de 1990, tocando em bandas de reggae da capital e na banda do músico Renato Matos, com quem lançou um álbum ao vivo em 2004.  Ele tem dois álbuns autorais lançados: “Reação da Alquimia” (2012) com produção de Lucas Santtana e “Música pra te aguçar” (2019). Ambos lançados de maneira física e fora dos serviços de streaming atuais.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com 

Agora, o artista lança digitalmente o EP “Querelas de Brasília” (ouça no spotify, deezer, apple music), que tem esse nome em referência a Aldir Blanc e ao complicado momento político do nosso país. O protesto dá o tom das letras do EP e a sonoridade viaja pelo rock, o dub, a música brasileira e a eletrônica ao longo das três faixas do trabalho. "O Brazil tá matando o Brasil. Os versos de Blanc permanecem atuais. Nesse pesadelo necropolítico a resistência é nos mantermos vivos junto com os nossos sonhos. Esse EP é em memória de Aldir Blanc e das vítimas do desgoverno Bolsonaro, é minha afirmação de oposição e ao mesmo tempo uma espécie de terapia. Apesar do horror não deixo de contemplar a beleza que resiste junto com a esperança”, comenta Tiago.

O EP, que foi produzido pelo próprio artista, conta com as participações do rapper Japão Viela 17 em “Quase Tudo Bem”, do guitarrista Marcelo Barbosa da banda Angra fazendo o solo da faixa “Querelas de Brasília” e da cantora Andressa Munizo da banda Binarious na canção “Anticorpos Antifascistas”. A arte de capa é da Imaginarte.

Além das faixas, o EP ainda será acompanhado por Lyric Videos, também produzidos pela Imaginarte para todas as canções. Os 3 lyrics são praticamente clipes já que são feitos 100% com filmagens, têm uma estética que lembra o punk rock dos anos 80 e cada vídeo tem uma cor predominante como na trilogia de Kieslowski. O primeiro video lançado foi do single “Anticorpos Antifascistas” em junho. Junto com o lançamento do EP, Tiago aproveita para lançar o Lyric Video da faixa que dá nome ao trabalho. O último lyric, da canção “Quase tudo Bem”, será lançado em seguida.

Veja o Lyric Video de "Querelas de Brasília":

O EP “Querelas de Brasília” tem letras e produção do Tiago Sá, com mix e master por Ricardo Ponte e será lançado pelo selo digital nordestino Hominis Canidae REC. Tiago é o primeiro artista autoral do cast, de fora da região mais amada e antifascista do Brasil. O selo aproveita pra avisar que também irá disponibilizar os outros álbuns autorais do cantor e compositor brasiliense em todos os streamings, ao longo deste segundo semestre.

Ouça o EP “Querelas de Brasília” em seu streaming favorito:

https://rec.hominiscanidae.org/2021/07/HC36TiagoSa.html

sexta-feira, 7 de maio de 2021

Gravado na pandemia, Amaro Mann lança novo EP intitulado “Refúgio”

Com muito digital reggae, o novo EP de Amaro Mann, projeto solo do músico paraibano Leo Marinho, foi gravado durante a pandemia da Covid-19 e conta com os sucessos “Mergulho em La Herradura”, “Coisa boa dub”, “A Cura” e “Tarde em Macaco Beach” (ouça no seu streaming favorito).

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Foi ao longo da pandemia da Covid-19 que Amaro Mann, projeto solo do músico e produtor paraibano Leo Marinho, focou em produzir algo novo, voltado a tornar o isolamento social mais leve e menos caótico. Mas o “Refúgio”, título estrategicamente escolhido pelo músico, não é só para quem escolhe desacelerar, em meio aos dias difíceis: ele também representa uma válvula de escape utilizada pelo artista para si mesmo, que enxerga a arte como uma das principais salvações em períodos sombrios, sendo ferramenta de luta, esperança e alívio.

E é nesse contexto que o novo EP “Refúgio” é lançado, contando com 4 faixas marcantes, com destaque para “Mergulho em La Herradura”, single lançado no início de abril e já bastante tocado nas principais plataformas de músicas do mundo. Lançado com o selo virtual Hominis Canidae REC, o álbum destaca-se também pela alta qualidade sonora, sendo a junção de elementos utilizados na criação do som um grande diferencial: Tem guitarra, baixo, sintetizadores, programações, samplers e até escaleta, instrumento bastante usual no reggae, caracterizado por um timbre agradável de ouvir. Além de todo um arranjo diferenciado, o EP também conta com uma versão Dub de um single produzido por Amaro Mann em 2020 com o cantor Potiguar Zé Caxangá, um dos músicos mais atuantes do cenário musical potiguar, com passagem por projetos como Luísa e os Alquimistas, Orquestra Greiosa, Angela Castro e Buena Onda.

Composto e produzido por Amaro Mann, “Refúgio” (ouça no spotify, Deezer, Apple Music) é uma excelente pedida para quem quer fugir um pouco do barulho externo e sentir-se imerso à um som que tranquiliza e relaxa, sem deixar de ser instigante e dançante: “Quem trabalha com música está tendo que se desdobrar para continuar ativo, procurando por editais, criações colaborativas e outras formas de criar e vender seu trabalho. Para mim, “Refúgio” representa a resiliência da categoria, é entrega, é amor, tranquilidade, paz e espiritualidade. Espero que seja tudo isso e muito mais para quem o ouvir, proporcionando momentos de alegria e do mais puro descanso”, relata Amaro Mann.

A masterização do EP “Refúgio” é de Adriano Leão, do estúdio Casa do Kaos e a capa é criação do Filosofino.