Confraria Floydstock: poprock
Mostrando postagens com marcador poprock. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador poprock. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 12 de agosto de 2021

Mark Knopfler: celebre seu aniversário com vídeo do Dire Straits em Wembley

Mark Knopfler comemora seu 72º aniversário hoje. O aclamado guitarrista, cantor e compositor, produtor e compositor nasceu em 12 de agosto de 1949 em Glasgow, Escócia, mas cresceu em Blyth, perto de Newcastle, na Inglaterra.  As primeiras influências de Mark incluíram seu tio junto com o guitarrista do Shadows, Hank Marvin.  Knopfler ansiava por uma Fender Stratocaster vermelha como seu herói Marvin, mas se contentou com uma Hofner mais barata.  Ele logo pegaria o violão e também se apresentaria com seu herói.

Depois de se formar na Universidade de Leeds e trabalhar como professor universitário por três anos, Mark fundou a lendária banda de rock Dire Straits em Londres em 1977 com seu irmão guitarrista David Knopfler, o baixista John Illsley e o baterista Pick Withers.  Embora seu single de estreia, "Sultans Of Swing", tenha obtido sucesso, os quatro membros da banda trabalharam durante o dia e aprimoraram seus talentos em clubes de Londres à noite, juntamente com Withers sendo músico de estúdio de Gerry Rafferty e outros ao longo dos anos 70. Em 77, a banda surgira de uma demo que incluía "Sultans Of Swing" e, embora tenham sido rejeitadas algumas vezes, a música acabou chamando a atenção de um DJ da BBC chamado Charlie Gillet, que começou a tocar o disco em sua BBC Radio London  programa Honky Tonk.

A tração de "Sultans", que começou a subir nas paradas, levou a banda a assinar com a divisão Vertigo da Phonogram Inc. e a contar sua estreia homônima em 1978 com o produtor Muff Winwood (irmão de Steve Winwood).  A banda começou a turnê, abrindo para Talking Heads, e um relançamento de "Sultans of Swing" começou a escalar as paradas no Reino Unido chegando ao número 8. Isso levou a banda a assinar um contrato com a Warner Bros.  turnê pela América do Norte que colocou "Sultans" no Top 5 nos EUA. Bob Dylan pegou a banda em Los Angeles e convidou Knopfler e Withers para gravar com ele. Dire Straits havia atingido o grande momento.

A estrela da banda continuaria a crescer com os álbuns subsequentes e eles alcançaram um sucesso astronômico com seu álbum de maio de 1985, "Brothers In Arms", que incluía o sucesso da MTV "Money For Nothing", bem como outras canções de assinatura como "So Far Away", "Walk Of  Life ”e muito mais.  Em 10 de julho de 1985, no auge de sua fama, os Dire Straits se apresentaram na lendária Wembley Arena em Londres.

A banda viu algumas mudanças de pessoal e continha apenas os membros originais, o guitarrista Mark Knopfler e o baixista John Illsley.  A formação foi completada pelos tecladistas Alan Clark e Guy Fletcher, o guitarrista Jack Sonni, o baterista Terry Williams e o saxofonista Chris White.

O set de Wembley de 1985 viu o Dire Straits se apegando amplamente ao material de "Brothers in Arms", incluindo as já mencionadas "Money For Nothing" e "Walk Of Life" junto com a faixa-título - e seu álbum de 1980, "Making Movies", incluindo clássicos do último  como “Romeo And Juliet" e “Tunnel of Love”.  A banda também incluiu “Sultans” e deu as boas-vindas ao guitarrista Nils Lofgren em “Solid Rock”.  O set termina com "Going Home: Theme of the Local Hero", de Knopfler, que apresenta o guitarrista Hank Marvin.

Para comemorar o aniversário de Mark Knopfler, assista-o se apresentar com o Dire Straits em Wembley em 1985 no player abaixo.



quinta-feira, 15 de julho de 2021

Diane Warren anuncia disco e lança single unindo rock e hip hop com G-Eazy e Santana

She's Fire” é o primeiro lançamento do álbum de estreia da compositora.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A icônica e multipremiada compositora Diane Warren lança o primeiro single do seu disco de estreia “The Cave Sessions Vol. 1”. O álbum vai trazer composições de Warren nas vozes de artistas plurais como um portifólio da versatilidade do trabalho de uma das artífices da música pop das últimas décadas. A primeira faixa revelada, junto de um lyric vídeo, conta com o rap de  G-Eazy com as guitarras da lenda do rock Santana. Este é um lançamento BMG.

Estou tão animada para que todos ouçam ‘She’s Fire’! Ter a oportunidade de trabalhar com Carlos Santana sempre foi um sonho meu. Eu também queria muito colaborar com G-Eazy e essa parecia ser a música perfeita para os dois fazerem juntos. Eu esperava que fosse ótimo, e ficou ainda melhor do que eu imaginava, pura energia”, conta ela.

Autora de clássicos de artistas que vão de Celine Dion a Cher, de Alice Cooper a Aerosmith, de Lady Gaga a Rihanna, Diane Warren acumula mais de 40 décadas de sucessos. Uma das compositoras mais famosas da música m,oderna, ela é autora de 9 hits #1 e 32 top 10 na Billboard Hot 100. Vencedora do Grammy, Emmy e Globo de Ouro, ela já recebeu 12 indicações ao Oscar, incluindo esse ano pela música original “Io Si (Seen)” do filme “Uma Vida à Sua Frente”, feita junto de Laura Pausini. “She’s Fire” abre um projeto colaborativo que marca uma nova fase na premiada carreira da artista.

Diane tem um dom incrível, com a capacidade de pintar um quadro e transportar o ouvinte a um lugar de emoção e paixão. Suas letras e arranjos fazem parte da base da música mundial e devem ser apreciados para sempre”, conta Carlos Santana. “Foi uma experiência incrível trabalhar ao lado de Diane e Carlos, que são duas lendas da música. Diane realmente me levou para um próximo nível, vocalmente, durante todo o processo", completa G-Eazy.

She’s Fire” está disponível em todas as plataformas de streaming.

Assista “She's Fire ft. G-Eazy & Santana”:

Ouça “She's Fire ft. G-Eazy & Santana”: https://dianewarren.lnk.to/ShesFire

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Counting Crows lança curta-metragem de EP “Butter Miracle, Suite One”

Lançamento da BMG, EP é a primeira novidade da banda em 7 anos

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Counting Crows está de volta com “Butter Miracle,  Suite One”, um EP composto como uma espécie de sinfonia pop de nossos tempos e contando uma história. Isso fica explícito no curta-metragem que dialoga com essa narrativa lançado pela banda. Com direção de Bill Fishman (do filme “Tapeheads” e que assina vídeos do Ramones, Wilco e Decemberists), o filme é estrelado pelo ator Clifton Collins Jr., conhecido por seus trabalhos em “Westworld”, “Ballers”, “Era Uma Vez Em... Hollywood”, “Veronica Mars” e que se destacou no último Sundance Film Festival com o longa “Jockey”.

Counting Crows tem mais de 20 milhões de álbuns vendidos no mundo todo e teve a carreira catapultada pelo seminal álbum “August and Everything After”, de 1993. Com hits globais como “Mr. Jones”, “A Long December”, “Big Yellow Taxi” e a faixa indicada ao Oscar “Accidentally in Love”, a banda californiana busca um novo caminho em seu mais recente EP lançado via BMG, composto de um modo que as canções fluam de uma música para outra, sem interrupções.

Enquanto escrevia o final de ‘The Tall Grass’, fiquei tocando os dois principais acordes para frente e para trás por um tempo, apenas curtindo a maneira como a música terminava em um loop. Por capricho, mudei os acordes e me vi cantando uma melodia diferente. As palavras simplesmente vieram direto à minha cabeça e percebi imediatamente que era o começo de uma música diferente. Foi quando me ocorreu que eu poderia escrever uma série de músicas, cada uma tocando perfeitamente a anterior e fluindo juntas como uma longa música. Uma suíte. Depois que pensei nisso, era tudo o que eu queria fazer”, conta o vocalista Adam Duritz.

Assista ao lyric video de “Elevator Boots”:

Com produção musical de Brian Deck (Iron & Wine, Modest Mouse, The Shins), o projeto foi completamente composto ainda no começo de 2019, antes da pandemia, em uma fazenda remota no interior do Reino Unido e traz uma banda com vigor renovado.

Eu fiquei realmente exausto com a indústria da música algumas vezes na minha carreira, e muito deprimido com o que significa estar neste meio. Eu me senti assim novamente depois de alguns anos de turnê com o nosso último disco ‘Somewhere Under Wonderland’. Nenhuma razão específica real: o negócio da música é simplesmente muito feio às vezes e eu fico desiludido. Esse é um sentimento que vem e vai. Pensei muito nisso quando comecei a escrever esta suíte porque, por mais que odeie o mundo da música, ainda amo música de verdade e queria escrever sobre isso de algumas perspectivas diferentes, especificamente em 'Elevator Boots'. A faixa conta a história de um cara em uma banda e sua vida se passa entre diferentes cidades e diferentes amantes. É sobre ele passar a vida fazendo algo que significa tudo para ele, mesmo sabendo quando partes disso não são realmente ideais. A música veio até mim muito rápido e então eu simplesmente vaguei pela fazenda cantando para mim mesmo com meu telefone para fazer anotações. Depois de ter a música, o resto demorou muito pouco tempo”, revela Duritz.

Butter Miracle,  Suite One” já pode ser ouvido em todos os serviços de música digital.

Assista ao curta-metragem:

Ouça “Butter Miracle,  Suite One”: https://countingcrows.lnk.to/ButterMiracleSuiteOne

Ficha Técnica:

Diretor: Bill Fishman

Estrelando: Clifton Collins Jr., Josefine Lindegaard e Michael John Maclane

Produção de elenco: Kasia Szarek

Editor: Michael Yanovich, A.C.E

Fotografia:  Cody William Smith

Produção: Melissa Masquelier

Co-produção: Dawn Church

Produção executiva: Doug Dearth e Bill Fishman

Roteiro: Bill Fishman

Uma realização da Fallout Entertainment Inc.

quarta-feira, 2 de junho de 2021

Ex-vocalista do Delain, Charlotte Wessels, anuncia o seu 1º álbum solo

A ex-cantora e compositora do Delain Charlotte Wessels lançará seu primeiro trabalho solo, "Tales From Six Feet Under", em 17 de setembro próximo, em LP e digital, via Napalm Records.

Charlotte Wessels, ex-Delain, lança clipe de "Victor", sua nova canção como artista solo; assista.

Incapaz de se apresentar ao vivo devido à pandemia, Wessels passou a maior parte do ano passado enterrada em seu estúdio caseiro Six Feet Under, escrevendo, atuando e produzindo uma eclética riqueza de canções. "Tales From Six Feet Under" traz suas influências fora do grupo. Todos os instrumentos e vocais nessas dez canções íntimas e honestas foram executados ou programados pela própria Wessels, exceto pela emocionante colaboração de Alissa White-Gluz (Arch Enemy) na faixa "Lizzie", mostrando a natureza multifacetada de Wessels, incluindo habilidade excepcional para expressar os sentimentos e emoções mais sinceros dentro de sua arte.

Wessels diz:

"Em maio de 2020, comecei a lançar uma música todos os meses no Patreon como uma válvula de escape para o meu excedente de música, e faixas que escrevi que não combinavam com minha banda. O ano que se seguiu foi uma montanha-russa absoluta, de viver através de uma pandemia global para fechar um capítulo tão caro para mim. Isso transparece através dessas músicas, feitas aqui mesmo no meu estúdio caseiro Six Feet Under. Produzir essas músicas com o apoio de uma comunidade maravilhosa tem sido um salva-vidas durante tempos tão turbulentos, e estou feliz por trazê-las do porão para o mundo com este lançamento. Deixe-me contar a vocês os 'Tales From Six Feet Under'."

O trabalho é uma coleção eletrizante com joias que vão do indie pop melancólico ao rock com base em sintetizadores. O álbum apresenta a interpretação de Wessels do clássico gótico "Cry Little Sister", bem como uma bela sinergia das vozes impressionantes de Wessels e White-Gluz em "Lizzie". Também estreia uma música na língua nativa de Wessels como o rock em holandês "Afkicken". A hipnotizante e assustadora "Victor" foi lançada em abril deste ano junto com um videoclipe visualmente palpável. "Soft Revolution" mostra o artista exatamente onde a mágica acontece; em seu estúdio Six Feet Under. A música - parte doce tristeza, parte crescente chamada à ação - está rapidamente se tornando uma das favoritas dos fãs.

Wessels afirmou sobre "Soft Revolution":

"'Soft Revolution' foi uma canção catártica de escrever e significa muito para mim saber como ela ressoa nas pessoas. Trabalhando na canção, esperava que se tornasse uma peça musical isso deixaria os ouvintes menos sozinhos em seus sentimentos, mas nunca esperei que acabasse fazendo isso comigo também."

Via Blabbermouth.

Tracklist:

Side A

01. Superhuman

02. Afkicken

03. Masterpiece

04. Victor

05. New Mythology

06. Source Of The Flame

Side B

07. Cry Little Sister

08. Lizzie (a duet with Alissa White-Gluz)

09. FSU (2020)

10. Soft Revolution

sexta-feira, 16 de abril de 2021

Evanescence lança clipe de “Better Without You”, canção de seu novo álbum, assista

Better Without You” integra "The Bitter Truth", novo álbum do Evanescence, que chegara no dia 26 de março último, em diversos formatos.

Evanescence lança clipe oficial de "Use My Voice". Assista.

Assista no player abaixo:

Segundo a @playfonic, a banda nos brindara com um trabalho "emotivo, sensitivo, poderoso e com importantes mensagens atuais. Evanescence está de volta com músicas inéditas depois de muito tempo de espera, lançaram hoje o quinto álbum de estúdio da banda, o tão esperado "The Bitter Truth.

Amy Lee emprega toda a potência de sua voz, entregando um disco que vai agradar aos antigos e novos fãs." Segundo a cantora, em uma entrevista de rádio em setembro de 2020, ela deu outra explicação sobre o títuloː

"O álbum tem esse título por um motivo. Não é sobre mostrar seu lado mais bonito, é sobre mostrar seu eu interior mais real e ser fiel a si mesmo externamente a qualquer custo. Sinto que existe uma maneira de se ter uma opinião forte e ainda respeitar seus semelhantes que não necessariamente concordam contigo".

Ouça “The Bitter Truth"no player abaixo:

Tracklist:

1. "Artifact/The Turn"

2. "Broken Pieces Shine"

3. "The Game Is Over"

4. "Yeah Right"

5. "Feeding The Dark"

6. "Wasted on You"

7. "Better Without You"

8. "Use My Voice"

9. "Take Cover"

10. "Far From Heaven"

11. "Part of Me"

12. "Blind Belief"

quinta-feira, 15 de abril de 2021

Bernardo amadurece seu jazz alternativo no segundo EP “Wasn’t there, someone told me”

Lançamento da cantora inglesa é da Seloki Records

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A vocalista, guitarrista e produtora de jazz alternativo de Londres Sonia Bernardo revela seu novo EP, “Wasn’t there, someone told me”, uma coleção de quatro faixas onde explora vertentes do indie, dream pop e até da bossa nova. O trabalho foi produzido por Bernardo e por Dave Maclean, do Django Django, e é um lançamento da Seloki Records juntamente do clipe para a faixa “Lovers Praise”.

O EP foi antecipado pelos singles e clipes “All You Leave is Love” e “Almost A Mother”. Além delas e “Lover’s Praise”, o álbum acompanha a intensa “Migraine Daze”. Após essa série de lançamentos, um remix feito por Django Django será revelado no dia 09/04.

Depois de excursionar pelo mundo, tendo trabalhado com Phil Manzanera (Roxy Music) e abrindo o programa de Jools Holland, Sonia Bernardo recrutou algumas das mentes musicais mais requisitadas de Londres, incluindo Skinny Pelembe, Luke Wynter (Nubyan Twist, Roller Trio) e Oscar Robertson (Sunglasses For Jaws) para dar vida ao seu segundo trabalho solo.

Bernardo é filha de portugueses. Nascida em Londres, ela mudou-se com os pais para uma aldeia no interior do país ibérico antes de retornar à Inglaterra. Suas primeiras composições surgiram ainda aos 10 anos, influenciada pelos grandes nomes do fado. No auge da onda indie que mexeu com o Reino Unido, a artista retornou para Londres, onde passou a se aprimorar como produtora e guitarrista e a descobrir a própria voz enquanto compositora e intérprete.

Seu primeiro EP, “Panic Prayers”, foi lançado em fita cassete e digitalmente em 2019, mesclando um lado pop e sensual para a música de guitarra underground londrina. O trabalho colocou de vez Bernardo entre os nomes em ascensão no cenário. 

Já em “Wasn’t There, Someone Told Me”, a artista mergulha fundo nas melodias que adora criar, atravessando o dream pop, o pós-punk e dub da cena de Londres e o soul psicodélico com inspirações na bossa nova. As canções exploram temáticas que vão de pertencimento e identidade a autoconhecimento e foram todas compostas por Sonia Bernardo e co-produzidas pela artista ao lado de Dave Maclean. A mixagem é de Alexis Smith, no Dan Careys Studio, em Streatham.

Wasn't there, someone told me” chega às principais plataformas de streaming via Seloki Records.

Assista a “Lovers Praise”:

Ouça “Wasn’t there, someone told me”: https://smarturl.it/BernardoEP