Confraria Floydstock: pop rock
Mostrando postagens com marcador pop rock. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pop rock. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

Adam Levine, vocalista do Maroon 5, afirma que "não há garotas gostosas" ouvindo metal

O vocalista do Maroon 5, Adam Levine, se viu em apuros recentemente. Agora, ele recebeu mais críticas por fazer alguns comentários equivocados e misóginos sobre o gênero metal. Embora ele seja ostensivamente uma estrela pop, foi alegado que Levine acredita que “nenhuma garota gostosa” ouve metal.

Em 2021 o cantor proclamou que “não há mais bandas, e eu sinto que elas são uma raça em extinção”, mas agora ele deu um passo adiante e, com razão, atraiu a ira de muitos.

O cantor chegou às manchetes no início desta semana depois que a modelo Sumner Stroh revelou uma série de mensagens compartilhadas entre os dois, sugerindo que eles tiveram um caso. Stroh até afirmou que Levine, que é casado com a modelo da Victoria Secret, Behati Prinsloo, pediu permissão para ela nomear seu filho ainda não nascido Sumner em um ponto. Depois que Stroh fez suas alegações, outras mulheres seguiram, compartilhando capturas de tela e gravações de tela de suas interações com o músico de 'This Love'.

No entanto, foi Alyson Rose quem afirmou que Levine havia feito seu comentário estranho sobre mulheres ouvindo metal. Em uma captura de tela compartilhada on-line, Rose disse: “Eu também sou tão estranha e só ouço metal”, antes de Levine responder: “Nenhuma garota gostosa além de você”.

Levine foi ao Instagram em 20 de setembro para responder às acusações feitas por Stroh sobre ele trair. “Eu usei pouco julgamento ao falar com qualquer pessoa que não fosse minha esposa de QUALQUER tipo de flerte. Eu não tive um caso, no entanto, cruzei a linha durante um período lamentável da minha vida”, escreveu ele.

Levine acrescentou: “Em certos casos, tornou-se inapropriado. Eu abordei isso e tomei medidas proativas para remediar isso com minha família. Minha esposa e minha família são tudo o que me importa neste mundo. Ser tão ingênuo e estúpido o suficiente para arriscar a única coisa que realmente importa para mim foi o maior erro que eu poderia cometer. Eu nunca vou fazer isso novamente. Assumo total responsabilidade. Vamos passar por isso e vamos passar por isso juntos”.

Via FAR OUT.

quarta-feira, 7 de setembro de 2022

Simple Minds antecipa novo disco com o clipe da inédita “First You Jump”; assista

Faixa estará no álbum “Direction of the Heart”, previsto para 21 de outubro.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Depois de anunciar seu 18º álbum de estúdio, “Direction of the Heart”, com o single “Vision Thing”, a banda escocesa Simple Minds canta o otimismo na faixa inédita “First You Jump”. Embalada por riffs oitentistas e coros imponentes, a canção convida a arriscar diante dos desafios acima das inseguranças. A faixa chega acompanhada de um impactante vídeo da banda interpretando a faixa no histórico teatro Taormina, na Itália, durante uma passagem de som. O lançamento é da BMG.

Assista ao video de “First You Jump”: 

Ouça “First You Jump”: https://SimpleMinds.lnk.to/FirstYouJumpPR   

Faça pré-save de “Direction of the Heart”: https://simpleminds.lnk.to/DirectionOfTheHeartPR 

Formada por Jim Kerr (vocais), Charlie Burchill (guitarras, teclados), Gordy Goudie (violão), Ged Grimes (baixo), Cherisse Osei (bateria), Berenice Scott (teclados) e Sarah Brown (vocais), o Simple Minds faz, nessa nova fase criativa, uma ponte entre o passado e o presente da banda. Sem se acomodar com sucessos anteriores - como o hit massivo “Don’t You (Forget About Me)”, presente na trilha sonora do filme “Clube dos Cinco” - o grupo abraça novos desafios para seguir em frente.

Simple Minds anuncia novo álbum de estúdio “Direction of the Heart” - Ouça “Vision Thing”.

Pré-produzido por Kerr e Burchill na Sicília (Itália), o álbum foi gravado na Alemanha com produção adicional de Andy Wright (Massive Attack, Echo & The Bunnymen) e Gavin Goldberg (Simply Red, KT Tunstall) e conta com participação especial de Russell Mael (Sparks). 

First You Jump” está disponível em todas as plataformas de música. O álbum “Direction of the Heart” será lançado em 21 de outubro.

Tracklist:

Vision Thing

First You Jump

Human Traffic (featuring Russell Mael of Sparks)

Who Killed Truth?

Solstice Kiss

Act Of Love

Natural

Planet Zero

 The Walls Came Down (written and originally recorded by The Call).

quinta-feira, 1 de setembro de 2022

Rock in Rio: guia rápido sobre quais as atrações serão transmitidas e onde assistir

Mais uma edição do festival carioca terá início amanhã, com transmissões ao vivo de 4 palcos diferentes.

O Rock in Rio 2022, evento adiado de 2021, abrirá seus portões amanhã (02/09) e seguirá por este final de semana adentro, no sábado e domingo (dias 03 e 04/09), além dos dias na próxima semana (8, 9, 10 e 11/09).

Para quem não quis ou não coonseguiu comprar o Rock in Rio Card, o ingresso do festival, a opção é assistir pela TV ou internet, nos canais e sites a seguir.

Confira a programação:

2 de setembro, sexta.

Palco Mundo (com exibição no canal Multishow, Globoplay, G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Dream Theater – 0h05

Iron Maiden – 21h30

Gojira – 19h25

Sepultura + Orquestra Sinfônica Brasileira – 17h25

Palco Sunset (com exibição no canal Multishow, Globoplay , G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Bullet For My Valentine – 20h30

Living Colour ft. Steve Vai – 18h25

Metal Allegiance – 16h25

Black Pantera – 14h55

Espaço Favela (Canal Bis e  Globoplay):

Gangrena Gasosa – 20h05

Affront – 17h55

Revengin – 16h30

New Dance Order (Canal Bis e  Globoplay):

Len Faki 02h00 – 04h00

Renato Ratier Vs Diogo Aciolly 00h30 – 02h00

Ananda 23h00 – 00h30

Victoria Engel 21h30 – 23h00

Valentina Luz 20h00 – 21h30

Binaryh 18h30 – 20h00

Flo Masse Vs Craig Ouar 17h00 – 18h30

Chang Rodrigues Live 16h00 – 17h00

3 de setembro, sábado.

Palco Mundo (com exibição no canal Multishow, Globoplay, G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Post Malone – 0h10

Marshmello – 22h20

Jason Derulo – 20h10

Alok – 18h00

Palco Sunset (com exibição no canal Multishow, Globoplay , G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Racionais – 21h15

Criolo convida Mayra Andrade – 19h05

Xamã convida Bro’s MCs – 16h55

Papatinho e L7nnon convidam MC Carol e MC Hariel – 15h30

Espaço Favela (Canal Bis e  Globoplay):

PK convida MC Don Juan – 20h05

Bin – 17h55

Azula – 16h30

New Dance Order (Canal Bis e  Globoplay):

Chris Lorenzo 03h00 – 04h00

Bhaskar 01h30 – 03h00

Malifoo 00h30 – 01h30

Carola 23h30 – 00h30

Groove Delight 22h15 – 23h30

Kvsh 20h45 – 22h15

Illusionize 19h15 – 20h45

Victor Lou 18h00 – 19h15

Almanac 17h00 – 18h00

Fluxzone 16h00 – 17h00

4 de setembro, domingo

Palco Mundo (com exibição no canal Multishow, Globoplay, G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Justin Bieber – 23h00

Demi Lovato – 20h35

Iza – 18h25

Jota Quest – 16h15

Palco Sunset (com exibição no canal Multishow, Globoplay , G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Gilberto Gil e família – 21h55

Emicida convida Drik Barbosa, Rael, Priscilla Alcântara e Pastor Henrique Vieira – 19h30

Luísa Sonza convida Marina Sena – 17h20

Matuê – 15h10

Espaço Favela (Canal Bis e  Globoplay):

Funk Orquestra – 20h05

Buchecha – 17h55

Taylan – 16h30

New Dance Order (Canal Bis e  Globoplay):

Lost Frequencies 02h30 – 04h00

Liu 01h00 – 02h30

Samarah 23h15 – 01h00

Sickick 22h15 – 23h15

Dubdogz 20h45 – 22h15

Cat Dealers 19h15 – 20h45

Gabe 18h00 – 19h15

Ownboss 17h00 – 18h00

Maz 16h00 – 17h00.

8 de setembro, quinta.

Palco Mundo (com exibição no canal Multishow, Globoplay, G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Guns N’ Roses – 0h10

Måneskin – 22h20

The Offspring – 20h10

CPM 22 – 18h00

Palco Sunset (com exibição no canal Multishow, Globoplay , G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Jessie J – 21h15

Corinne Bailey Ray – 19h05

Gloria Groove – 16h55

Duda Beat – 15h30

Espaço Favela (Canal Bis e  Globoplay):

Drenna – 20h55

Th4i convida Lia Clark – 17h55

Izzra – 16h30

New Dance Order (Canal Bis e  Globoplay):

Adriatique 02h00 – 04h00

Zac 01h00 – 02h00

Sarah Stenzel 00h00 – 01h00

Ben Böhmer 22h30 – 00h00

Gui Boratto 21h30 – 22h30

Du Serena Vs Junior C 20h00 – 21h30

Leo Janeiro Vs Nepal 18h30 – 20h00

Marta Supernova 17h00 – 18h30

Nu Azeite Live 16h00 – 17h00

9 de setembro, sexta.

Palco Mundo (com exibição no canal Multishow, Globoplay, G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Green Day – 0h10

Fall Out Boy – 22h20

Billy Idol – 20h10

Capital Inicial – 18h00

Palco Sunset (com exibição no canal Multishow, Globoplay , G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Avril Lavigne – 21h15

1985: A Homenagem – 19h05

Jão + convidado – 16h55

Di Ferrero & Vitor Kley – 15h30

Espaço Favela (Canal Bis e  Globoplay):

MD Chefe e Domlaike – 20h05

Choice – 17h55

Marvvila – 16h30

New Dance Order (Canal Bis e  Globoplay):

Neelix 02h30 – 04h00

Blazy 01h30 – 02h30

Paranormal Attack 00h00 – 01h30

Vegas 22h30 – 00h00

Rica Amaral 21h30 – 22h30

Aly & Fila 19h00 – 21h30

Antdot 17h30 – 19h00

Meca 16h00 – 17h30

10 de setembro, sábado.

Palco Mundo (com exibição no canal Multishow, Globoplay, G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Coldplay – 0h10

Camila Cabello – 22h20

Bastille – 20h10

Djavan – 18h00

Palco Sunset (com exibição no canal Multishow, Globoplay , G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Ceelo Green – 21h15

Maria Rita + convidado – 19h05

Gilsons + Jorge Aragão – 16h55

Bala Desejo + convidado – 15h30

Espaço Favela (Canal Bis e  Globoplay):

Ferrugem e Thiaguinho – 20h05

Orochi – 17h55

El Pavuna – 16h55

New Dance Order (Canal Bis e  Globoplay):

Kaskade 02h30 – 04h00

Jetlag 01h00 – 02h30

Curol 23h45 – 01h00

Gabriel Boni 22h30 – 23h45

Makj 21h30 – 22h30

The Fish House 20h00 – 21h30

Chemical Surf 18h30 – 20h00

Bruno Be Vs Fancy Inc 17h00 – 18h30

Alexiz Bcx 16h00 – 17h00

11 de setembro, domingo.

Palco Mundo (com exibição no canal Multishow, Globoplay, G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Dua Lipa – 0h10

Megan Thee Stallion – 22h20

Rita Ora – 20h10

Ivete Sangalo – 18h00

Palco Sunset (com exibição no canal Multishow, Globoplay , G1 e Rede Globo (melhores momentos):

Ludmilla – 21h15

Macy Gray – 19h05

Power! Elza Vive – 16h55

Liniker convida Luedji Luna – 15h30

Espaço Favela (Canal Bis e  Globoplay):

Lexa – 20h05

Azzy – 17h55

Ella Fernandes – 16h30

New Dance Order (Canal Bis e  Globoplay):

Anna 02h00 – 04h00

Eli Iwasa 00h00 – 02h00

Blond:Ish 22h30 – 00h00

Ella De Vuono 21h00 – 22h30

Anabel Englund 19h30 – 21h00

Aline Rocha 18h00 – 19h30

Mary Olivetti 16h00 – 18h00.

Maiores informações no IGORMIRANDASITE.

quarta-feira, 31 de agosto de 2022

Junior Carelli lança álbum com grandes clássicos em formato voz e piano

Greatest Hits on Piano” reúne 18 músicas que marcaram gerações com releituras especiais.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O renomado músico brasileiro Junior Carelli lançou durante este ano três singles com releituras bastante particulares de grandes músicas da história, em um formato de piano e voz, que obtiveram grande retorno do público.

Este novo e versátil trabalho de Junior Carelli é uma oportunidade de entregar aos fãs uma nova abordagem para músicas que marcaram época. Com ampla bagagem de turnês por diversos continentes, o artista agora apresenta versões pianísticas de grandes sucessos internacionais no álbum “Greatest Hits on Piano”, que chegou recentemente às plataformas digitais em parceria com Outono Music, selo especializado em rock e metal, com distribuição da Universal Music.

Todas as 18 músicas presentes em “Greatest Hits on Piano” terão seus respectivos videoclipes, que serão disponibilizados aos fãs por meio do canal oficial do artista no YouTube.

Os singles lançados anteriormente, como uma prévia deste álbum, foram “Wasted Years” (Iron Maiden), “You'll Be in my Heart” (Phil Collins) e “Bridge Over Troubled Water” (Simon & Garfunkel). Confira abaixo a lista de todas as canções presentes neste novo trabalho de Junior Carelli:

1 - Sunrise (Norah Jones)

2 - What a Difference a Day Made (Aretha Franklin)

3 - Alone (Anie)

4 - Fly Me to the Moon (Frank Sinatra)

5 - Night Tale (Anie)

6 - Wasted Years (Iron Maiden)

7 - Hold On (Anie)

8 - When You Wish Upon a Star (Cliff Edwards)

9 - Against all Odds (Phil Collins)

10 - She (Charles Aznavour)

11 - Choices (Anie)

12 - I’m All Over It (Jamie Cullum)

13 - Angels (Robbie Williams)

14 - Bridge Over Troubled Water (Simon & Garfunkel)

15 - You'll Be in my Heart (Phil Collins)

16 - It’s Begging to Look a Lot Like Christmas (Bing Crosby)

17 - Let it Snow! Let it Snow! Let it Snow! (Frank Sinatra)

18 - Have Yourself a Merry Little Christmas (Judy Garland)

Escute na sua plataforma preferida:

https://umusicbrazil.lnk.to/GreatestHitsOnPiano

Dedicando sua vida à música há 25 anos, Junior Carelli tem vasta experiência no mercado musical, tocando ao lado de grandes nomes do Metal nacional, como Shaman, Noturnall, Angra, Edu Falaschi e ANIE. Como produtor, trabalhou com artistas das mais diversas áreas, indo de comediantes a importantes bandas do cenário mundial. Trabalhou por sete anos com a banda Viva Noite, do Pânico na TV e é sócio-diretor da empresa Foggy Filmes, que atua em diversas áreas no entretenimento.

Este novo e versátil trabalho musical de Junior Carelli é uma oportunidade de ouvir e absorver uma nova abordagem para músicas que marcaram gerações.

sexta-feira, 26 de agosto de 2022

Elton John e Britney Spears lançam "Hold me Closet", versão de "Tiny Dancer"; ouça

Canção marca o retorno artístico da cantora, que nada lançava desde 2016.

A cantora americana Britney Spears, finalmente livre judicialmente de seu pai, vem retomando aos poucos a direção de sua própria vida, incluindo agora a artística, dando o pontapé inicial desse processo com o lançamento de hoje: uma versão de "Tiny Dancer" sucesso enorme do cantor bretão Elton John, contando com a participação do próprio, agora com o título de "Hold me Closet".

Sobre isso, Sir Elton John declarou:

Ela está longe há tanto tempo – há muito medo ali, porque ela foi traída tantas vezes e não esteve oficialmente no radar do público por tanto tempo. Estamos segurando a mão dela durante todo o processo, assegurando-lhe que tudo vai ficar bem. Estou muito animado por poder fazer isso com ela, porque se for um grande hit – e acho que pode ser -, isso lhe dará muito mais confiança do que ela já tem e ela perceberá que as pessoas realmente a amam.

segunda-feira, 8 de agosto de 2022

Morreu Olivia Newton-John, estrela de 'Grease' e cantora de 'Physical'

Artista tinha 73 anos e sucumbiu ao câncer.

Olivia Newton-John, a principal vocalista pop feminina da década de 1970, que estrelou filmes como “Grease” e “Xanadu”, morreu nesta segunda-feira. Ela tinha 73 anos.

Seu marido, John Easterling, postou a notícia em sua página oficial no Facebook, escrevendo: “Dame Olivia Newton-John (73) faleceu pacificamente em seu rancho no sul da Califórnia esta manhã, cercada por familiares e amigos. Pedimos que todos respeitem a privacidade da família durante este período muito difícil”.

A causa da morte não foi dada, mas Newton-John foi diagnosticado com câncer de mama que surgiu pela terceira vez em 2017. escreveu. “Sua inspiração de cura e experiência pioneira com plantas medicinais continua com o Olivia Newton-John Foundation Fund, dedicado à pesquisa de plantas medicinais e câncer.

Seu colega de elenco de “Grease” e parceiro de dueto John Travolta foi rápido em fazer uma homenagem nas mídias sociais. “Minha querida Olivia, você fez todas as nossas vidas muito melhores”, escreveu ele. “Seu impacto foi incrível. Eu te amo muito. Nos veremos na estrada e estaremos todos juntos novamente. Seu desde o momento em que te vi e para sempre! Seu Danny, seu John!"

O historiador de gráficos Joel Whitburn classificou a cantora de voz quente, criada na Austrália, como a solista feminina nº 1 dos anos 70. Seus nove singles pop top-10 da década incluíram três 45 rotações no topo das paradas; a maior delas, “You’re the One That I Want”, um dueto com Travolta extraído da trilha sonora de 1978 do musical “Grease”, passou quase seis meses nas listas dos EUA.

Newton-John permaneceu uma força comercial potente nos anos 80; ela registrou o maior sucesso de sua carreira, "Physical", em 1981. Embora seu outro grande sucesso musical "Xanadu" tenha sido um fracasso caro em 1980, sua trilha sonora de platina dupla gerou três singles de sucesso, incluindo a onipresente número 1 nas rádios "Magic."

Originalmente colocada como vocalista country, ela rapidamente conquistou as paradas pop com uma sucessão de músicas bem exploradas. Embora os sucessos tenham se esgotado no início dos anos 90, ela permaneceu uma artista querida no novo milênio, com uma base de fãs duradoura sustentada pela contínua popularidade de “Grease” como um grampo de TV a cabo e exibições teatrais cantadas.

Nos últimos anos, ela falou sobre sua atitude aparentemente otimista, mesmo quando o câncer voltou depois que ela foi diagnosticada como livre de câncer. "Eu estou feliz. Estou com sorte. Sou grata. Tenho muito pelo que viver. E pretendo continuar vivendo isso”, disse ela a Gayle King em entrevista ao “CBS This Morning” realizado em seu rancho na Califórnia em 2019. “‘Por que eu’ nunca fez parte disso”.

Em uma de suas últimas entrevistas, que foi ao ar no programa “Today” em outubro, ela se solidarizou com a apresentadora Hoda Kotb, que compartilhou sua própria experiência com o câncer. Disse Newton-John: “Somos irmãs. … Qualquer um que tenha feito essa jornada com câncer, são destinos desconhecidos e surpresas e reviravoltas.” A transmissão observou que a cantora e atriz estava lidando com câncer de mama metastático em estágio 4, quase 30 anos após seu diagnóstico inicial. Ela creditou a cannabis cultivada por seu marido por ajudá-la em momentos dolorosos de sua doença.

Via VARIETY.

sexta-feira, 15 de julho de 2022

Nita Strauss faz sua estreia na banda de apoio de Demi Lovato

Guitarrista acompanhou a cantora pop tocando o novo single "Substance" no Jimmy Kimmel Live.

Depois de anunciar no início desta semana que ela havia deixado a banda de Alice Cooper com um novo empreendimento promissor pela frente, a guitarrista Nita Strauss foi confirmada como a nova integrante da banda de apoio da estrela pop Demi Lovato . Ela fez sua estréia com Lovato durante uma apresentação do novo single da cantora, "Substance", no  Jimmy Kimmel Live na noite passada (14 de julho).

Lovato está fazendo seu retorno a um som orientado ao rock com seu novo álbum, "HOLY FVCK" , e já deu aos fãs um gostinho de como será, em junho com o lançamento da faixa "Skin of My Teeth". A cantora, que também toca guitarra, se dobrou as graças as do rock e até tocou uma guitarra em forma de V que disparou faíscas do cabeçote no videoclipe dessa música.

Em Kimmel , ela adotou uma imagem punk, ostentando um blazer preto adornado com remendos de pano, botões, correntes e alfinetes de segurança enquanto balançava no palco, rasgando a contagiante "Substance" com sua banda de apoio de quatro peças (duas guitarras, baixo e bateria).

Veja imagens da apresentação na TV, que foi compartilhada por um fã no Twitter , logo abaixo.

"HOLY FCVK" chega em 19 de agosto.Enquanto isso, Alice Cooper deu as boas-vindas ao guitarrista Kane Roberts , que esteve na banda de 1986 a 1988, como substituto de Strauss.



terça-feira, 12 de julho de 2022

Nita Strauss pode se juntar à banda de turnê da estrela pop Demi Lovato

Guitarrista já anunciou a sua saída da banda de Alice Cooper e cancelou shows solo.

Um novo boato está circulando e envolvendo a guitarrista Nita Strauss, que possivelmente estaria se juntando a outra banda de turnê; embora se possa supor que ela estaria participando de algum tipo de banda de rock ou metal, esse boato na verdade envolve a estrela pop Demi Lovato. Ontem, Nita Strauss compartilhou que estava saindo da banda de Alice Cooper e cancelou algumas datas da turnê solo. De acordo com uma declaração que ela forneceu via Instagram:

Depois dessa corrida absolutamente incrível na Europa, é agridoce para mim informar a vocês que não vou me juntar à banda de Alice Cooper para a próxima turnê de outono. Infelizmente, também terei que cancelar as datas do festival que minha banda solo havia planejado para o resto do ano.

EU NÃO ESTOU GRÁVIDA!!! Não há drama algum e meu ano de turnê ainda está MUITO cheio, na verdade, estou em um voo direto para a próxima aventura enquanto publico isso, e estarei no palco novamente muito mais cedo do que você pensa! Mas isso é notícia para outro dia. Os últimos oito anos juntos foram a experiência de uma vida, e eu não poderia estar mais grata a Alice, Sheryl Cooper e Shep Gordon, à incrível banda, equipe e fãs por me receberem em todo o seu pesadelo. Não sei o que o futuro reservará depois disso, mas sou eternamente grata

De acordo com esse novo boato, compartilhado pelo Metal Sludge, parece que Nita poderia se juntar à banda de turnê de Demi Lovato. De acordo com o site, eles escreveram:

Depois de um anúncio chocante de Nita Strauss hoje cedo de que ela está deixando a Alice Cooper Band, a indústria está perguntando para onde ela está indo e quem a está substituindo? Bem, Metal Sludge tem algumas respostas, ou o que achamos que provavelmente serão as respostas. A palavra é que Nita vai se apresentar com a estrela pop Demi Lovato.

No momento da redação deste artigo, nenhuma fonte foi indicada sobre esse boato. Mas, se for verdade, quais são seus pensamentos sobre Nita se unindo à estrela pop Demi Lovato?

Via The Pit

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Mothica lança seu novo álbum “Nocturnal”

Artista se consolida como uma das novas sensações do rock em segundo álbum.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Mothica une o peso do rock com a aura do pop alternativo em “Nocturnal”, seu segundo álbum de estúdio. Trazendo um mergulho em melodias dinâmicas e emoções à flor da pele, ela faz uma continuação do seu álbum de estreia “Blue Hour”, de 2020.

Ouça “Nocturnal”: https://heavyheart.lnk.to/NocturnalPR 

Enquanto em seu debut ela se inspirava no fim da tarde, agora Mothica mergulha na escuridão falando sobre saúde mental, pesadelo e até a estreia relação que a artista tem com o sono. Em 17 faixas, ela traz o clima de fim de noite em narrativas etéreas.

Muitas das músicas tocam nos temas da escuridão e falam sobre ações autodestrutivas", diz a artista. "'Blue Hour' foi um momento de transição onde eu fiquei sóbria. Eu estava vivendo um desastre emocional, tentando entender minha vida. Esta sou eu totalmente firme, fazendo um álbum onde queria me sentir mais empoderada”.

Assista ao clipe “SENSITIVE”: 

Assista ao clipe "CASUALTY": 

Assista ao clipe “LAST CIGARETTE” (FEAT. AU/RA):

Assista ao clipe “BEDTIME STORIES”:

Crescendo em Oklahoma, Mothica achou que falar abertamente sobre problemas de saúde mental era um tabu e procurou na internet um senso de comunidade. Embora tenha escrito música desde criança, ela não começou a se dedicar à música até os 18 anos, produzindo e lançando suas músicas e se tornando muito próxima dos seus fãs que se conectam com sua história e suas temáticas. A artista explodiu globalmente no TikTok com o hit “VICES” e hoje acumula mais de 200 milhões de execuções em suas músicas em poucos anos de carreira, que já conta além dos dois álbuns, uma série de singles e EPs, sendo o mais recente “forever fifteen”, de 2021.

Dirigindo ou co-dirigindo os impactantes vídeos do projeto, Mothica agora se prepara para uma turnê de lançamento do álbum onde. Além de shows-solo, ela fará uma série de shows pela América do Norte com o Coheed and Cambria entre Julho e Agosto.

Nocturnal” é um lançamento Rise Records/BMG disponível em todas as plataformas de música.

Tracklist:

1. Sleepwalk

2. Nocturnal

3. Sensitive

4. Highlights

5. I

6. Casualty

7. Last Cigarette (Ft. Au/Ra)

8. Back Of My Mind

9. Ii

10. R.E.M.

11. Bedtime Stories

12. Lullaby

13. Iii

14. Absinthe

15. The Reckoning (Ft. Polyphia)

16. Blood

17. Tears

segunda-feira, 20 de junho de 2022

Rod Stewart fala sobre vir ao Brasil em 2023, Elton John, tocar para a Rainha e aposentar seus hits

Rod Stewart está se sentindo um pouco sentimental esses dias. Aos 78 anos, Stewart, que está iniciando sua próxima turnê norte-americana com o Cheap Trick em 14 de junho no Hollywood Bowl, abriu sua residência em Las Vegas com um cover de "Addicted To Love" de Robert Palmer como uma homenagem a Palmer, "Que foi um bom companheiro."

Stewart, que tocou no Jubileu da Rainha no Reino Unido no fim de semana passado, também estava aberto a encontrar o amigo de longa data Elton John, com quem ele vem brigando publicamente há anos.

"Faz tempo que não falo com Elton. Não estamos em contato um com o outro, mas pode haver um reencontro, um grande abraço e vamos enterrar esse tipo de coisa de briga, grande festival", diz Stewart. "Há três palcos montados em frente ao Palácio de Buckingham. Então a segurança, como você pode imaginar, vai ser inacreditável. Mas espero vê-lo e falar com ele."

Uma coisa pela qual Stewart não está se sentindo sentimental agora é seu incrível catálogo de músicas. Quando me encontro com ele para a primeira de duas conversas em seus ensaios em Los Angeles, ele discute o fato de que sua atual corrida mundial pode ser a última vez que ele toca seus sucessos.

"Eu não quero cantar 'Hot Legs' quando tiver 80 anos", explica ele. Stewart, é claro, poderia mudar de ideia sobre aposentar alguns dos maiores sucessos dos últimos 50 anos, mas ao vê-lo animadamente tocando uma versão de "Lullaby Of Broadway" que ele e Jools Holland gravaram para um novo projeto, parece que Stewart está pronto para o próximo desafio, assim como estava quando assumiu sua série Great American Songbook com grande sucesso.

Então, Elton, se despedindo de seus sucessos, a importância da camaradagem da banda, seus filhos, por que ele é leal à rainha, Rod Stewart tem muito a compartilhar em nossas duas conversas.

Como os shows de Vegas foram para você?

Eles foram ótimos. Mudamos muito, colocamos músicas e mudamos a ordem de execução, tornamos um pouco diferente. Estamos nos preparando para o Hollywood Bowl, que é importante para mim. Então estou voltando no fim de semana para fazer o Jubileu de nossa majestade a Rainha, 70 anos no trono. Então é um grande evento na Inglaterra. Então é uma grande festa, acho que Elton está participando disso, além do Duran Duran, Ed Sheeran e muitas pessoas.

Tenho certeza que você tem uma longa história com a Rainha.

Eu não ligo para ela e peço uma xícara de chá ou algo assim. Mas eu a encontrei várias vezes, senhora maravilhosa e ela tem senso de humor. Eu sei que muitas pessoas não vão acreditar nisso, mas ela tem.

Você ainda tem aquela sensação de admiração por estar tocando para a Rainha?

Ah sim, diga isso de novo, cara, muito menos sendo um cavaleiro. Deus todo-poderoso, vindo de uma casa do conselho no norte de Londres, meu deus. Mas é um grande privilégio. Eu sou um leal, eu amo a coroa. Eu amo o que eles trazem para a festa, negócios para o Reino Unido. Ela é uma grande mulher, ela realmente é. Uma coisa que a majestade e eu temos em comum é que temos o mesmo corte de cabelo há 60 anos, o que temos (risos).

Um show como esse parece uma reunião?

Eu não falo com Elton há séculos. Não estamos em contato um com o outro, mas pode haver um reencontro, um grande abraço e vamos enterrar esse tipo de coisa de briga. Mas quer eu o veja ou não, é um grande festival. Há três palcos montados em frente ao Palácio de Buckingham. Então a segurança, como você pode imaginar, será inacreditável. Mas espero poder vê-lo e falar com ele.

Na verdade, foi Iggy Pop quem me explicou melhor. Ele disse que quando ele se reuniu com os Stooges, toda a luta desaparece e você apenas se lembra do que construiu juntos.

Sim, ele está bem ali. É isso que é. Livre-se de todas as besteiras e do que resta, dois seres humanos que compartilham música, diversão e risadas. Uma carga de memórias. Eu vou ver o que acontecerá.

Você perdeu a turnê?

Ah, sim. Eu perdi? Não é apenas para chegar lá e se apresentar para todos. Mas eu tenho uma banda maravilhosa, eles são literalmente como meus filhos. Eles são ótimos artistas, e nós nos amamos socialmente. Se você está em uma banda que não se dá bem, fazer turnês é horrível.

Quanto tempo levou para montar essa banda?

A maioria deles estão juntos há cerca de 25 anos. As meninas mudaram ao longo do tempo. Mas a maioria deles muito tempo.

É engraçado você dizer que se você está em uma banda que não se dá bem, é horrível. Além disso, à medida que você envelhece, suas prioridades mudam muito e tenho certeza de que isso é mais importante agora.

Sim, claro que sim. Especialmente comigo, tendo passado por câncer, você realmente muda. Suas prioridades mudam muito.

Então, em que ponto você percebeu que era tão importante ter uma banda que se dá bem quanto uma que soa bem?

Bem, eu sempre acreditei que a banda deveria se dar bem, mas eu já tive alguns babacas em bandas antes. E nós nos livramos deles bem rápido.

Onde você estava festejando ontem à noite?

Nós acabamos de ir até o Sr. Chow. Assumimos o quarto no andar de cima, cantamos e bebemos.

Quando você se reúne apenas para sair e cantar, quais músicas você canta?

Não consigo lembrar o que estávamos cantando. Como se estivéssemos inventando à medida que avançávamos. Músicas sujas, sem dúvida [risos].

Muitos músicos tiveram um grande ajuste estando em casa durante o COVID. Como foi para você?

Bem, em primeiro lugar, minha família em casa é grande, eu tenho oito filhos. As crianças vêm e vão. Eles vivem em todo o lugar. Passar pelo COVID foi bem fácil para mim, porque ganhei uma casa grande e às vezes não vejo minha esposa o dia todo [risadas]. Então, foi muito mais fácil do que para alguém que mora em um apartamento com seis filhos e dois quartos. Então, muito mais fácil. Mas eu amo minha família. Eu amo meus filhos. E essa é a única parte difícil, sair em turnê e não vê-los. Mas o que eu faço é contornar as férias deles. Quando eles estão de férias, eu saio em turnê e eles podem sair e ficar comigo. Tenho saudades de fazer a corrida escolar com os meus filhos. Envergonhando todos eles, deixando-os em uma Lamborghini [risos].

É embaraçoso para eles ou para você?

É engraçado, as crianças mais novas adoram. Mas conforme eles ficam um pouco mais velhos, meu filho de 15 anos disse: "Tudo bem, pai. Deixe-me aqui. Prefiro caminhar o resto." Todos eles fizeram isso. Todos eles adoram quando são muito jovens. Os super carros do papai. E então, quando ficam mais velhos, eles dizem: "Não. Não traga isso por aqui."

Mas isso é todo pai estrela do rock. Eu conversei com tantas pessoas sobre isso e não importa o quão bem sucedido ou famoso você seja, você nunca será legal com seus próprios filhos.

Não, eles estão absolutamente certos. Eu estava conversando com meu filho mais novo quando ele tinha cerca de seis anos. "Sim, pai. Ok, pai, olhe para frente. Ok, pai." E então ele deu o telefone para minha esposa e disse: É Rod Stewart no telefone [risos].

Em que ponto eles começaram a perceber o que você faz? E as crianças são o melhor teste decisivo para as músicas. Existem novas músicas que eles realmente apreciaram?

Eles são muito apaixonados pela música de hoje, hip hop e rap. Então eu escuto muito com eles. Muito disso passa pela minha cabeça, mas alguns são muito bons. Não, eu não diria que eles iriam comprar meus discos, eles são muito jovens. Eles gostam de ir aos shows, eles gostam disso.

Então você ganhou pontos legais quando colaborou com A$AP Rocky?

Ah, grande momento. Sim.

Quem é o favorito deles?

Tyler, o Criador.

Houve músicas que você perdeu a chance de fazer devido à COVID ou que você teve a chance de revisitar e gostaria de voltar ao set?

Não, nenhuma delas. Não consigo pensar em nada tão antigo que eu pudesse trazer de volta. Eu e Ronnie [Wood] estamos trabalhando no álbum do Faces. Encontramos algumas faixas do Faces dos anos 70. Nós os desenterramos e estamos trabalhando nisso. E se isso vai se concretizar, espero que sim. Mas caso contrário. Eu canto músicas do passado de qualquer maneira. Não sou músico quando estou em casa.

Então, com o que você se importa quando está em casa?

Minha ferrovia, minha ferrovia modelo. Está acontecendo há 26 [anos]. Não vá mijar ou eu vou bater em você [risos].

Mas estou surpreso porque pensei que você ia dizer futebol também.

Bem, eu costumava jogar futebol. Joguei futebol até os 60 anos.

Você ainda segue?

Oh Cristo sim. É uma obsessão. Eu sigo o Glasgow Celtics e vou assistir a todos os jogos e tudo mais. Sim, é uma obsessão, mas é para a minha família. Todos os meus filhos assistem futebol. Somos uma família de futebol. É ótimo.

Então você estava dizendo que as crianças realmente te apresentam um monte de coisas?

Sim, eles fazem. E eu escuto. Eu sou um grande fã de George Ezra. Eu gosto muito dele. Ele é totalmente diferente de qualquer outra estrela do rock que apareceu. Ele tem uma voz diferente, músicas diferentes. As músicas são diferentes. Tudo é diferente nele. As garotas o amam e ele não é um rock star típico. Ele só usa um jumper no palco e ele é muito bonito.

Existem novas músicas que você está particularmente animado para fazer pela primeira vez e ver como o público responde a elas?

Sim, estamos começando o show com "Addicted To Love". E todas as meninas, vamos fazer o vídeo de Robert Palmer porque ele era um bom amigo meu e vamos fazer com todas as meninas a caráter. Todos eles têm as mesmas roupas e batom vermelho e seus cabelos para trás e elas tocam guitarra. Eu amava Robert. Ele era um herói meu.

Foi algo especial para você poder fazer a música e prestar homenagem a ele?

Sim. Acho que é a minha música de rock número um. Eu sei que é para muitas pessoas e especialmente o vídeo foi tão especial, então uma grande captura. Era tão diferente. Na verdade, Robert e eu nos confessamos uma noite, ele disse que "Hot Legs" inspirou "Addicted To Love". E minha música "Young Turks", eu disse, foi inspirada em "Johnny And Mary".

Então você está abrindo com "Addicted to Love". E as músicas do novo álbum? Há algum em particular que você está realmente animado para fazer?

Sim, eu vou fazer uma delas, não posso fazer muitas, pois as pessoas só querem ouvir as mesmas músicas. Há tantos delas que eu poderia fazer. Havia uma faixa no último álbum, que significava muito para mim porque era sobre meu pai e seu relacionamento com seus três filhos. Meus dois irmãos, obviamente, e o fato de que todos nós jogamos futebol e ele estava sempre na linha lateral nos observando e então todo tipo de clima nos inspirando e eu escrevi uma música sobre isso. Chama-se "Touchline". Acho que é uma das minhas favoritas, canção pouco ouvida embora.

Como você disse, é uma música pouco ouvida, mas é engraçada porque muitas vezes a música leva tempo. Por exemplo, uma música como "The Killing of Georgie Part I and II", eu sinto que é uma música hoje que tem mais significado agora do que provavelmente na época. Você acha que as pessoas entenderam o quão significativo foi?

Apenas refletindo quando as pessoas vinham até mim e diziam: "Oh, obrigado por essa música. Ela me ajudou em um momento ruim." E isso realmente significa muito para mim. Era 1976 quando foi lançada e os ajudou a passar por um período sombrio. Isso realmente a torna especial.

Existe alguma música sua que você possa voltar e ouvir?

Ah, eu adoro ouvir meu "Great American Songbook". Eu amo isso. Sim.

É porque não eram suas músicas ou foi porque eram apenas músicas que guardavam memórias para você quando criança?

Sim. E também porque elas, como vocalista, elas te alongam, as melodias te alongam e é simplesmente adorável. Você sabe, Jools Holland? Estou fazendo um álbum de swing com ele. Estamos na metade e é realmente ótimo, mas não é o tipo de swing de Frank Sinatra, é mais como, eu não sei, como "Rock Around The Clock". Tocamos no estilo rock and roll. Fizemos "The Lullaby of Broadway". Tantas músicas que fizemos. É tão bom. A banda dele é incrível. E ele grava em um pequeno estúdio, que é provavelmente três vezes maior que este e ele tem 18 músicos lá e todos eles tocam ao vivo e todos os solos estão vivos. Ninguém faz overdubs, exceto eu quando faço os vocais. Então eu acho que temos um acompanhamento e todos eles são números rápidos também. Eu toquei para a banda ontem à noite antes de sairmos para jantar e todo mundo estava arrasando.

E eu imagino para você, é o tipo de coisa que apenas mantém as coisas frescas, misturando tudo.

Sim. Eu realmente não trabalho com muitas outras pessoas. Eu não sei por quê. Eu sou um pouco tímido demais para ligar para as pessoas. [Mas] Jools Holland também é um grande modelo ferroviário. Nós falamos sobre ferrovias e então dizemos: "Não. Ok. É melhor falarmos sobre música agora, terminar este álbum", mas é um verdadeiro prazer. Uma banda tão maravilhosa.

Existe uma linha do tempo para quando isso vai sair?

Acho que setembro. Vamos terminar com o resto na próxima semana.

Existe uma música no álbum que você está mais animado?

Minha favorita é "Ain't Misbehavin'". Jools leva em dobro no meio realmente.

Você vai incorporar isso na turnê?

Não, provavelmente quando o ano que vem terminar, será para mim. Eu quero seguir em frente e apenas fazer os clássicos e as coisas do swing, mas não quero cantar "Hot Legs" quando tiver 80 anos. Não estou me aposentando, mas esta será a última vez que faremos essas canções na América. Eu só quero fazer uma varredura limpa. Eu quero sair em turnê com uma grande banda e apenas tocar essas coisas que eu amo, é uma entidade diferente do rock and roll, embora seja de onde tudo veio. A maneira como estamos fazendo essas músicas é com uma batida de fundo. Eu gostaria de poder descrevê-lo. Em 23 vou para o Brasil e encerro tudo.

Via FORBES.

quinta-feira, 16 de junho de 2022

Christine McVie relança a canção "Songbird", título de sua nova compilação e fala sobre o futuro do Fleetwood Mac

Ouça sua nova versão do clássico de 1976 do Fleetwood Mac, onde a faixa vocal original foi combinada com um novo arranjo de cordas.

Christine McVie passou a maior parte de sua carreira profissional no Fleetwood Mac, mas fez uma breve pausa em 1984 para gravar "Christine McVie" e seguiu 20 anos depois com "In the Meantime". Este material solo é amplamente desconhecido do público em geral, especialmente na América, mas ela espera mudar isso em 24 de junho com o lançamento de "Songbird (A Solo Collection)". É uma mistura de músicas de seus dois álbuns solo mais um punhado de músicas inéditas, incluindo “All You Gotta Do”, um dueto com George Hawkins originalmente gravado para "In the Meantime".

Stevie Nicks e Lindsey Buckingham mantiveram carreiras solo ativas durante seu tempo no Fleetwood Mac, mas McVie diz que nunca teve esse desejo. “Nunca me senti uma artista solo”, McVie disse à Rolling Stone de sua casa em Londres. “Sempre gostei de fazer parte de um grupo. Eu também me senti um pouco desconfortável fazendo uma turnê solo para aquele material. Isso só me deixou desconfortável.

Para a nova compilação, McVie “foi para minhas músicas favoritas que não estavam nos discos do Fleetwood Mac”, trabalhando com o produtor Glyn Johns e refazendo as faixas com instrumentação extra.

The Challenge” do álbum auto-intitulado de 1984 de McVie apresenta backing vocals de Buckingham e guitarra de Eric Clapton. “Lembro-me claramente de pedir a Eric para tocar nele”, diz McVie. “E para minha alegria, ele concordou. Como todas as minhas músicas, é sobre a vida, remorso e rejeição.

A maioria das músicas de "Songbird (A Solo Collection)" vem de "In the Meantime", de 2004. Ela lançou o álbum alguns anos depois de se separar do Fleetwood Mac e se retirar para sua casa no interior da Inglaterra. Ele alcançou a posição # 133 no Reino Unido e nem sequer caiu nas paradas dos EUA. “Eu realmente gosto desse disco”, diz McVie. “Acho que não foi divulgado tão bem quanto poderia ter sido.

A única música do Fleetwood Mac no disco é sua balada de 1976, “Songbird”, e é uma nova versão que combina sua faixa vocal original com um novo arranjo de cordas do compositor e arranjador Vince Mendoza. Confira a música aqui:

O Fleetwood Mac está completamente inativo desde a conclusão de sua turnê mundial de 2018/19. Foi a primeira vez desde a separação amarga de Buckingham, quando ele foi substituído pelo vocalista do Crowded House, Neil Finn e pelo guitarrista do Tom Petty & Heartbreakers, Mike Campbell. “Aqueles caras foram ótimos”, diz McVie. “Nós nos divertimos muito com eles, mas meio que terminamos agora, então quase nunca os vejo.

Eu também não me comunico muito com Stevie [Nicks]”, diz ela. “Quando estávamos na última turnê, fizemos muito. Nós sempre sentamos uma ao lado da outra no avião e nos demos muito bem. Mas desde que a banda se separou, eu não tenho falado com ela.

Ela quer dizer que o Fleetwood Mac não existe mais? “Bem, não como conhecemos”, diz McVie. "Não sei. É impossível dizer. Podemos voltar a ficar juntos, mas eu simplesmente não posso dizer com certeza.

Mick Fleetwood foi aberto sobre suas esperanças de ver a formação do Rumours voltar para uma grande turnê de despedida, mas McVie é altamente cética. “Não me sinto fisicamente preparada para isso”, diz ela. “Estou muito mal de saúde. Eu tenho um problema crônico nas costas que me debilita. Eu me levanto para tocar piano, então não sei se eu poderia fazer isso fisicamente. O que isso está dizendo? A mente está disposta, mas a carne é fraca.

Em teoria, McVie poderia sentar-se ao teclado para facilitar para ela passar por um show, mas ela diz que isso não funcionaria na prática. “Eu não poderia sentar no equipamento que toco”, diz ela. “Você tem que se levantar para tocar piano e o Hammond Organ está abaixo disso, então é um pouco difícil pensar em sentar e fazer isso. De qualquer forma, eu não gostaria de fazer isso.

De acordo com McVie, o baixista John McVie está em uma situação semelhante. “Eu não acho que John está pronto para outra turnê”, diz ela. “Ele tem problemas de saúde, então não sei se ele aceitaria. Você teria que perguntar a ele.

Se uma turnê acontecer de alguma forma, McVie espera que eles encontrem uma maneira de trazer Buckingham de volta ao rebanho. “Eu sempre quero Lindsey de volta”, diz ela. "Ele é o melhor. Neil e Mike eram uma dupla tão alegre, mas Lindsey fez falta.

Mas estou ficando um pouco demorada aqui”, continua ela. “Estou muito feliz por estar em casa. Não sei se quero fazer uma turnê novamente. É um trabalho árduo.

Isso pode decepcionar as legiões de fãs do Fleetwood Mac, para não mencionar alguns de seus próprios companheiros de banda, mas eles ficarão aliviados em saber que ela não está fechando as portas em uma turnê completamente. “Realmente não posso dizer com certeza”, diz ela, “porque posso estar errada. Então, vou deixar em aberto e dizer que podemos.

Via ROLLING STONE.

terça-feira, 14 de junho de 2022

Simple Minds anuncia novo álbum de estúdio “Direction of the Heart”

Previsto para 21 de outubro, disco é antecipado pelo single “Vision Thing.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O Simple Minds anuncia o lançamento de “Direction of the Heart”, seu décimo oitavo álbum de estúdio, para o próximo dia 21 de outubro. Já em pré-venda, o disco é antecipado pelo single “Vision Thing”, uma celebração à vida composta por Jim Kerr como um tributo ao seu pai, falecido em 2019. Este é um lançamento BMG.

Ouça “Vision Thing”: https://simpleminds.lnk.to/VisionThingPR 

Garanta “Direction of the Heart” na pré-venda: https://simpleminds.lnk.to/DirectionOfTheHeartPR 

Formada por Jim Kerr (vocais), Charlie Burchill (guitarras, teclados), Gordy Goudie (violão), Ged Grimes (baixo), Cherisse Osei (bateria), Berenice Scott (teclados) e Sarah Brown (vocais), o Simple Minds faz, nessa nova faixa, uma ponte entre o passado e o presente da banda.

Pré-produzido por Kerr e Burchill na Sicília (Itália), o álbum foi gravado na Alemanha com produção adicional de Andy Wright (Massive Attack, Echo & The Bunnymen) e Gavin Goldberg (Simply Red, KT Tunstall) e conta com participação especial de Russell Mael (Sparks). 

Vision Thing” está disponível em todas as plataformas de música.

Tracklist:

Vision Thing

First You Jump

Human Traffic(featuring Russell Mael of Sparks)

Who Killed Truth?

Solstice Kiss

Act Of Love

Natural

Planet Zero

 The Walls Came Down (written and originally recorded by The Call).

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

Dos Beatles a Stevie Nicks: 15 músicas brilhantes que começam com o refrão

Não nos aborreça. Vá para o refrão”. Uma excelente máxima para se viver e que mais artistas deveriam abraçar com fervor. Introduções longas e estendidas devem ser mantidas no reino das bandas de jam: se você está tentando causar uma primeira impressão sólida, por que acertar o ouvinte na cara com a parte mais cativante e memorável da música logo de cara?

Agora, nem sempre é óbvio qual parte da música é o refrão. Estrutura clássica da canção AABA, mais conhecida por sua prevalência em padrões de jazz e composições de Tin Pan Alley, mas também usada por músicos influenciados por este estilo particular de composição, como Brian Wilson ('Surfer Girl') e Lennon / McCartney ('From Me to You' ), desconsidera a forma verso-refrão. Outras canções, como ‘Bohemian Rhapsody’ e ‘2112’, são suítes épicas que ignoram as formalidades de um refrão.

Mas, existem muitos exemplos de música popular dos últimos 60 anos ou mais de canções que começam com um refrão claro e conciso antes de introduzir o primeiro verso. Para esta lista, estamos jogando rápido e solto com as introduções, com o entendimento básico de que, desde que não seja uma introdução estendida, alguns compassos de trabalho instrumental não vão destruir as chances de uma música.

Aqui estão alguns dos melhores exemplos de músicas que começam com suas seções mais memoráveis: o refrão.

Chapel of Love’ - The Dixie Cups (1964)

Você, o leitor anônimo perspicaz, me julgará duramente se eu disser que uma das minhas músicas favoritas de todos os tempos é este pedaço incrivelmente sincero e inocente do pop dos anos 60? Em uma época em que os grupos femininos ainda eram uma grande parte da cena pop americana, The Dixie Cups marcou seu primeiro e único sucesso com esta ode à felicidade do casamento.

As mãos famosas que ajudaram a dar vida a essa música são tão notáveis quanto a própria música: Phil Spector é um co-escritor junto com os músicos pop Ellie Greenwich e Jeff Barry, enquanto os lendários compositores Leiber e Stoller são os produtores. Aquela equipe combinada conhecia o poder do refrão de abertura, e então chegamos a capella, sem nada para impedir sua glória.

I Wanna Rock’ - Twisted Sister (1984)

Colocado aqui apenas para equilibrar a insegurança que senti ao admitir que uma das minhas músicas favoritas é reconhecidamente meio esquisita. Não me arrependo, mas se um limpador de palato é necessário, por que não torná-lo o mais direto e estúpido possível?

Dee Snider e seus companheiros de banda pesadamente maquiados em Twisted Sister nunca foram realmente do tipo sutil. Como tal, ‘I Wanna Rock’ diz logo de cara o que a banda pretende fazer (aqui vai uma dica: rock). Existe um sentimento mais imediato do que Snider gritando o refrão incrivelmente direto da música para você logo de cara? Não pelo meu dinheiro.


She Loves You’ - The Beatles (1963)

Como mencionado anteriormente, os Beatles eram uma banda com muitas influências de composição que os inspirou a escrever músicas com várias formas e estruturas. Há músicas na forma clássica de trinta e dois compassos A-A-B-A, músicas com formas tradicionais de verso-refrão-meio e até músicas sem refrão, como "Happiness Is a Warm Gun".

Mas para o que ainda permanece como uma das canções mais populares da banda em toda a sua carreira, "She Loves You" dá a você a satisfação imediata de ouvir seu refrão indelével. Tudo o que você precisa é um rápido tom preenchido de Ringo Starr antes que o anzol seja imediatamente plantado em seu cérebro, onde ficará até o fim dos tempos.


Shout’ - Tears for Fears (1984)

De todas as bandas new wave britânicas que invadiram os Estados Unidos durante a década de 1980, hoje uma das mais reverenciadas continua sendo o Tears for Fears. A apreciação por músicas como ‘Pale Shelter’, ‘Mad World’ e ‘Everybody Wants to Rule the World’ os coloca um passo à frente de alguns de seus colegas mais nostálgicos.

O poder de seu maior sucesso, "Shout", vem daquele refrão central eternamente ecoado. Soando como se estivesse sendo recitado do topo das montanhas, o refrão foi uma decisão natural de colocar bem no primeiro plano da melodia, exceto por alguns sons introdutórios de percussão apenas para definir o clima.


Everything Right is Wrong Again’ - They Might Be Giants (1986)

Em sua essência, John Flansburgh e John Linnell são nerds. Nerds sobre ciência, história e linguagem, mas mais especificamente nerds sobre música. Sua gama de influências é ampla o suficiente para emprestar elementos de tudo, desde a polca ao punk, frequentemente fundindo-os na mesma música.

Everything Right Is Wrong Again’, a primeira faixa do primeiro álbum da banda, decide ir direto ao ponto e dar-lhe o refrão imediatamente. Não só isso, mas a música tem um final falso antes de uma ponte lenta e subaquática que explode de volta naquele refrão maravilhosamente cativante.


Build Me Up Buttercup’ - The Foundations (1968)

Com alguma sorte, a presença constante de ‘Build Me Up Buttercup’ em comerciais de carros idiotas e filmes preguiçosos e aparições na televisão não diminuiu o poder da música quando você a ouve pela milionésima vez. Estranhamente, a música se tornou uma estranha sugestão de áudio para a felicidade, apesar de seu contexto claramente deprimente.

Com aquela batida alegre e melodia vocal indelével, no entanto, é difícil não sentir um pouco de alegria quando "Build Me Up Buttercup" explode em seu subconsciente. Após uma breve introdução instrumental, temos aquele refrão memorável bem na frente, pronto para ficar preso na sua cabeça o dia todo.


Le Freak’ – Chic (1978)

"Awwwwww freak out!" Você pode ouvir, eu posso ouvir, todos nós podemos ouvir em nossas cabeças. Nenhuma nota inicial ou jam introdutória necessária. O que o frequentemente difamado movimento disco realmente fez foi pegar R&B e soul music e destilá-las em seus elementos pop mais essenciais. As músicas disco ainda trazem o funk e o sabor de um ótimo R&B, mas a ênfase foi colocada em ganchos memoráveis e dançabilidade.

É difícil conseguir algo melhor no mundo da discoteca do que Chic, o Nile Rodgers dirigiu a banda que trouxe uma atmosfera de festa gigante para tudo o que fizeram. Quando você pensa em música disco em seu cérebro, provavelmente está pensando nos elementos que o Chic foi pioneiro, incluindo a remoção de qualquer coisa que atrapalhe um refrão monstruoso.


Edge of Seventeen’ - Stevie Nicks (1982)

Tentando lutar por conta própria antes de ter que retornar ao seu trabalho diurno no Fleetwood Mac para o álbum "Mirage", Stevie Nicks conjurou seu feitiço diabólico e criou Bella Donna, ainda uma das estreias solo mais idiotas e divertidas de um já famoso cantor.

Edge of Seventeen’ não retém nada da mesma leveza, em vez disso procura acertá-lo bem entre os olhos com poder e drama. Nicks tinha um refrão monstruoso para cantar junto com a música e, muito corretamente, decidiu que deveria ser colocado bem na vanguarda do arranjo da música. O resultado é uma introdução instantânea à carreira solo de Nicks.


I Shot the Sherrif’ - Bob Marley & The Wailers (1973)

Bob Marley tinha uma intuição tão natural para a composição musical que as formas tradicionais e estruturas musicais, bem como as tradições em geral, não se encaixavam em seu MO. Em vez disso, sempre havia espaço para experimentação para criar qualquer que fosse a versão ideal de uma determinada música.

Eu, pessoalmente, teria escolhido o início lento de 'Stir It Up', mas ficou claro que a introdução cada vez maior de instrumentos em camadas era muito longa e muito única em seu próprio direito para dizer razoavelmente que a música começa com seu refrão . Portanto, este anúncio vai para ‘I Shot the Sherrif’, que é muito mais imediato: uma rápida jogada de armadilha e o conto simbólico de assassinato entra em ação na mídia res.


‘Minority’ - Green Day (2000)

OK, então ‘Minority’ claramente tem uma introdução escolhida pela guitarra que vem antes do refrão. Mas, como sou eu que estou na lista, e sou eu que decidi seguir as regras de maneira rápida e solta, eu queria incluir uma das minhas músicas favoritas do Green Day.

Na época de "Warning", os membros do Green Day estavam aparentemente perdidos em seu desejo de diversificar seu som. Uma clara influência folk se insinua em "Minority", quase como se Phil Ochs pudesse ter cantado essa música se fosse um punk rocker, mas como um todo Warning se sente confuso consigo mesmo, especialmente em seu meio inchado. Não há esse problema com ‘Minority’, que arrasa tanto quanto qualquer música do Green Day com guitarras elétricas em vez de acústica.


Song 2’ - Blur (1997)

Falando em experiências da banda com seu som característico. Em 1997, o Britpop acabou. "Be Here Now" meio que arruinou a festa para todos, mas o Blur já estava fora de casa quando lançou seu quinto LP autointitulado alguns meses antes.

Principalmente influenciado pelo rock e grunge alternativo americano, Blur faz de tudo para apagar virtualmente os sons estabelecidos do passado da banda. 'Song 2', apropriadamente, acabou sendo a única música do Blur reconhecível que a maioria dos americanos poderia escolher. “The Woo-hoo Song” conhece seu poder e, depois de uma curta progressão de bateria e guitarra para estabelecer o sentimento, entramos naquele refrão ridículo em quinze segundos.


Any Way You Want It’ - Journey (1980)

Tudo bem, chega dessa merda de “essa música pode entrar na lista mesmo que tenha uma introdução instrumental”. Precisamos de uma música que seja inequívoca, inquestionavelmente iniciada com o refrão exatamente na marca de 0:01. Dói em cada fibra do meu ser dizer isso, mas é verdade: precisamos de Journey.

Na verdade, eu não odeio Journey. Eu costumava fazer isso quando tinha 14 anos e o principal componente do meu ser era mijo e vinagre, mas agora posso apreciar os tons doces e doces de AOR de Steve Perry e companhia. ‘Any Way You Want It’ tem aquele tipo de atração imediata que é difícil de resistir, e todos esses anos depois, eu finalmente consegui voltar ao seu encanto. Droga, Journey, parece que você me pegou.


Nowhere to Run’ - Martha and the Vandellas (1965)

Vamos nos jogar de volta à era clássica da Motown para ver como Martha e os Vandellas subestimados pelo crime. Claro, The Supremes recebem todo o amor e atenção por sua ladainha de sucessos número um, mas Martha Reeves tem uma voz e presença de palco melhores do que Diana Ross (duas tomadas quentes que formam uma colina proeminente na qual vou morrer) e ocasionalmente tem melhores músicas da máquina Motown.

Uma dessas canções é ‘Nowhere to Run’, o single matador de ‘Dancing in the Street’, que retém todos os melhores elementos do som da Motown, ao mesmo tempo em que apresenta um refrão cativante no topo da música. Ponha um pouco de respeito no nome Vandellas!


Casey Jones’ - Grateful Dead (1970)

Gravado em uma época em que os Dead procuravam criar gravações mais concisas e de inspiração folk, "Casey Jones" era a única coisa que ninguém poderia esperar da polêmica banda movida a drogas: uma música com claro potencial pop.

Talvez seja um pouco irônico que uma banda conhecida por suas longas passagens tenha decidido ir direto ao ponto em "Casey Jones", mas isso é parte de seu charme contagiante. O set e o set eram essenciais para a banda, e ambos foram estabelecidos nos segundos iniciais de "Casey Jones", não se entregando aos hábitos passados da banda de construções lentas e recompensas pacientes.


Feels Like We Only Go Backwards’ - Tame Impala (2012)

Os refrões imediatos não são apenas um elemento de algumas das melhores músicas do passado: eles também continuam a surgir nos dias modernos. Kevin Parker do Tame Impala nem sempre brinca com ganchos explicitamente pop-centric, mas quando o faz, eles muitas vezes se encontram na vanguarda de seus arranjos.

Esse é o caso de ‘Feels Like We Only Go Backwards’. Parker sabia o quão grande era aquele refrão e decidiu não mexer em transmiti-lo direto para o cérebro do ouvinte. Sempre fico chocado que ‘The Less I Know the Better’ acabou sendo o maior sucesso da banda, considerando a franqueza e o poder de ‘Feels Like We Only Go Backwards’.


Via FAR OUT.

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

Christine McVie, do Fleetwood Mac, vende catálogo de 115 canções para a Hipgnosis

Christine McVie, tecladista/vocalista do Fleetwood Mac, vendeera seu catálogo de 115 títulos para a Hipgnosis, a empresa de música em rápido crescimento que gastou mais de US $ 2 bilhões em três anos adquirindo os direitos de um vasto número de canções populares.

McVie, que ingressou no Fleetwood Mac em 1970, é compositora de muitos dos maiores sucessos do grupo de longa data, incluindo "Don't Stop", "You Make Loving Fun", "Over My Head", "Songbird", "Say You Love Me” e outros. Induziada ao Hall da Fama do Rock and Roll em 1998, Fleetwood Mac é um dos artistas musicais de maior sucesso comercial dos últimos 50 anos, com o álbum vencedor do Grammy de 1977, “Rumors”, vendendo mais de 45 milhões de cópias em todo o mundo; o segundo é "Tango in the Night", de 1987, com 15 milhões.

McVie é o quarto dos cinco membros da banda a fazer tal acordo nos últimos nove meses, e o segundo com a Hipgnosis, depois que seu colega cantor e compositor do Mac Lindsey Buckingham concluiu a venda de 100% de seus direitos de publicação para a empresa em Janeiro. Stevie Nicks, outra grande cantora e compositora do grupo, fechou um contrato de longo alcance de US $ 100 milhões com a Primary Wave no final do ano passado, e o baterista e co-fundador Mick Fleetwood fechou um contrato com a BMG com uma variedade de direitos em janeiro.

De acordo com o anúncio, a Hipgnosis adquiriu os direitos autorais, propriedade e interesses financeiros de McVie em todo o mundo, incluindo a parte da escritora, de todas as composições e direitos conexos. O negócio também inclui seu trabalho pré-Fleetwood Mac com o grupo britânico Chicken Shack e seu material solo, incluindo sua estreia em 1969, “Christine Perfect”.

A Hipgnosis adquiriu catálogos, incluindo os de Neil Young, Red Hot Chili Peppers, Shakira, Barry Manilow e muitos compositores e produtores de sucesso.

McVie fora representada pelo gerente de negócios Paul Glass no Colony Group, o gerente Martin Wyatt e o advogado Mario González.

Estou tão animada por pertencer à família Hipgnosis e emocionada que todos vocês considerem minhas músicas dignas de mérito”, disse McVie sobre o negócio. “Gostaria de agradecer a todos por sua fé em mim e farei tudo o que puder para continuar este novo relacionamento e ajudar de todas as maneiras que puder! Muito obrigada!"

O co-fundador da Hignosis, Merck Mercuriadis, disse: “Christine McVie é uma das maiores compositoras de todos os tempos, tendo guiado o Fleetwood Mac a quase 150 milhões de álbuns vendidos e tornando-os uma das bandas mais vendidas de todos os tempos em todo o mundo. Nos últimos 46 anos, a banda teve três escritores e vocalistas distintos, mas a importância de Christine é amplamente demonstrada pelo fato de que oito das 16 músicas nos álbuns de Greatest Hits da banda são de Christine. É maravilhoso para nós dar as boas-vindas a Christine na Família Hipgnosis e particularmente maravilhoso reuni-la mais uma vez na Hipgnosis com Lindsey Buckingham. Entre Christine e Lindsey, agora temos 48 das 68 músicas dos álbuns de maior sucesso da banda.

Via Yahoo.

sexta-feira, 16 de julho de 2021

Com membros do Strokes, Natalie Imbruglia lança single “Maybe It’s Great”

Álbum “Firebird” será lançado no dia 24 de setembro próximo, via BMG.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A cantora e compositora australiana Natalie Imbruglia continua a antecipar novidades de seu primeiro álbum de inéditas em seis anos. “Firebird” será lançado no dia 24/09 via BMG, e além da já lançada “Build It Better”, apresenta novas sonoridades com “Maybe It’s Great”, um rock alternativo com forte veia indie composto junto do guitarrista do The Strokes, Albert Hammond Jr., e o produtor musical e colaborador da banda, Gus Oberg.

Eu e o Albert Hammond Jr somos amigos há muito tempo, mas eu estava muito nervosa para trabalhar com ele porque também sou uma grande fã. Nós conversamos sobre trabalhar juntos em Los Angeles, mas eu estava indo para a Austrália no Natal. Então ele disse, 'Por que eu simplesmente não vou também?' Os estúdios Rockinghorse ficam no interior de Byron Bay, então não poderia encontrar um cenário mais mágico para uma sessão de composição”, conta Natalie.

Imbruglia estourou nos anos 90, começando sua carreira na música no topo das paradas com o hit global “Torn”. Prestes a lançar seu sexto trabalho de estúdio, ela tem 10 milhões de álbuns vendidos e 1 bilhão de streams, junto de uma coleção de prêmios invejável. Para a produção de “Firebird”, a artista buscou sair da sua zona de conforto.

O novo álbum foi realizado em sessões de composição ao redor do mundo com grandes nomes como Romeo Stodart, do The Magic Numbers; KT Tunstall; Eg White (Adele, Dua Lipa, Sam Smith); Luke Fitton (Little Mix, Girls Aloud); Fiona Bevan (One Direction, Ed Sheeran); Rachel Furner (Little Mix, Jason Derulo, Craig David); entre outros. O resultado foi um disco plural que aborda a busca por independência, o poder de ser vulnerável em uma comparação de força e fragilidade fruto de uma artista confiante e feliz consigo mesma. 

O disco foi gravado inteiramente à distância durante a pandemia com produção de Natalie e MyRiot (Aurora, London Grammar, Birdy, James Morrison, Primal Scream) com detalhes adicionais de Albert Hammond Jr, Gus Oberg (The Strokes) e Romeo Stodart (The Magic Numbers).

Assista ao clipe “Build It Better”:

Fazer este álbum foi uma experiência profunda e satisfatória. Tendo passado por um longo período do que essencialmente era um bloqueio criativo, era difícil imaginar que chegaria a este lugar. Antes da pandemia, comecei o processo de escrever este álbum em Londres e logo depois, fui para Nashville. A cada sessão e a cada novo colaborador, comecei a ganhar confiança, reencontrar minha voz e criar o som e o estilo que pareciam autênticos para mim. É um privilégio trabalhar com tantos talentos no ‘Firebird’. Mal posso esperar que as pessoas finalmente ouçam”, conta Natalie.

Maybe It’s Great” está disponível para audição e o novo álbum “Firebird”, para pré-venda.

Ouça “Maybe It’s Great”: https://natalie.lnk.to/MaybeItsGreatPR

Garanta “Firebird” na pré-venda: https://natalie.lnk.to/firebirdPR