Confraria Floydstock: música
Mostrando postagens com marcador música. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador música. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de abril de 2021

Vocalista do The Agonist entoa "Panama", canção do Van Halen, assista


 Vicky Psarakis, frontwoman do The Agonist entoara o clássico do Van Halen, "Panama".

A cantora fora acompanhada dos musicistas Manuel Iradian à guitarra e Kevin Alexander às baquetas.

"É fim de semana ... você sabe o que isso significa ...⁣

É hora de aumentar o volume para um dos maiores nomes de todos os tempos, com Kevin Alexander, Manuel Iradian e eu tocando "Panama" do Van Halen! 🤘😝⁣

⁣Muito obrigado a Christian Donaldson por adicionar sua magia à mixagem!" - dissera a cantora greco-americana, apresentando o clipe.

Assista no player abaixo:

Dear Mother lança clipe de "Invincible", 4º single de seu álbum de estreia; assista

"Invincible" integra "Bulletproof", o vindouro álbum de estreia da nova banda Dear Mother, da guitarrista do MaYan e Ex-Delain, Merel Bechtold, que chegará no dia 16 de julho próximo.

Completando o power trio, temos David Pear ao banjo e microfone e Joey Marin de Boer às baquetas.

Dear Mother lança clipe de "Symbiose", 2º single de seu álbum de estreia; assista.

Dear Mother lança clipe de "12 Years in Exile", seu 1º single ; assista.

Confira o clipe no player abaixo:


Tracklist:

1. Vertigo

2. Means To No War

3. 12 Years In Exile

4. The Ones Below

5. An Eye For An Eye

6. A Soul For Hire

7. Symbiose

8. Satellite

9. Fade In

10. Heart

11. Invincible

12. Palace

Vocalista do Sirenia entoa "Bridge over troubled water", canção de Simon and Garfunkel; assista

Emmanuelle Zoldan, frontwoman do Sirenia entoara o mega sucesso do duo Simon and Garfunkel "Bridge over troubled water"

Sirenia lança lyric video de "This Curse Of Mine", canção de seu novo álbum; assista.

Sirenia: entrevista exclusiva com a vocalista Emmanuelle Zoldan / exclusive interview with vocalist Emmanuelle Zoldan.

"Caríssimos...

Para comemorar o fim de semana que está chegando, divido com vocês o último cover que gravei. "Bridge over Troubled Water" de Simon e Garfunkel é uma música que significa muito para mim, e que me lembra memórias muito boas do passado, como uma jovem cantora. (e especialmente esse arranjo que ouvi de Noa e Maurane em um programa de TV francês, algo como ... 20 anos atrás).

Apenas violão e voz.

Dedicada a todos os meus amigos, este cover como uma “canção de abraço”, só para te dizer “Estou aqui e te amo”. Espero que gostem" - declarara a cantora sobre o vídeo.

Assista no player abaixo:

Armored Dawn propõe reflexão sobre a importância da amizade na canção “Stronger Together”


Canção traz uma mensagem de esperança para todos que precisam se reerguer nesse momento de incertezas.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Reconhecida internacionalmente por ser um dos maiores expoentes do heavy metal brasileiro no mundo, a banda Armored Dawn está lançando um novo single, intitulado “Stronger Together”. A canção inédita foi composta durante o período de isolamento criado pela primeira onda da pandemia, o que imprime à faixa uma forte carga emocional, por ser fruto de um momento complicado vivido pela sociedade em todo o mundo.

O lançamento mundial de “Stronger Together” acontecera em 16 de abril  em todas as plataformas digitais. De maneira simultânea, estará disponível no YouTube um lyric vídeo da faixa. A música será transmitida, na mesma data, em rede nacional pela Rádio Transamérica e nos principais estados brasileiros através da Rede Atlântida, Rádio Cidade, KissFM, entre outras rádios de renome no Brasil.

O vocalista do grupo, Eduardo Parras, comenta o conceito lírico, que lança um olhar de esperança e força neste momento difícil e exalta a primeira composição da nova formação: “Dois amigos compartilham o desejo de dominar o mundo, lutando pelos seus sonhos e ideais. Muito já foi feito e vivido, eles já conquistaramtantas coisas que agora é impossível desistir. Um por todos e todos por um, não importa o que digam ou o que aconteça. Juntos podemos muito mais e nada pode nos derrubar.”, explica. A letra, escrita no período de isolamento social, fortalece o conceito de amizade e reforça a importância das pessoas que dividem umas com as outras o peso de dias tão difíceis. Nessa nova realidade da sociedade, a maior prova de afeto por outro ser humano é manter a distância.

A banda está na fase final da promoção do aclamado álbum “Viking Zombie”, lançado em 2019, e está em fase avançada de gravação de seu quarto álbum de estúdio, que será lançado ainda este ano.

O grupo que é amplamente conhecido por se apresentar em turnês nacionais e internacionais ao lado de grandes ícones do metal mundial como Saxon, Megadeth, Symphony X, Rhapsody, Hammerfall, Tarja, entre outros, prepara novas datas para a retomada de seu projeto ‘Armored Dawn Convida’ e turnê especial por diversos países em um cenário pós-pandemia.

Assista o vídeo:


A atual formação da banda Armored Dawn conta com Eduardo Parras (vocal), Tiago de Moura, Heros Trench e Timo Kaarkoski (guitarras), Fernando Quesada (baixo), Rafael Agostino (teclado) e Rodrigo Oliveira (bateria).


quarta-feira, 21 de abril de 2021

Assista ao clipe de "Chasing Birds", canção do novo álbum do Foo Fighters

"Chasing Birds" integra "Medicine at Midnight", novo álbum do Foo Fighters, o 10º do grupo, que chegara no dia 5 de fevereiro último, via RCA/Sony Music.

Rolling Stones e Foo Fighters: Mick Jagger e Dave Grohl lançam a canção "Eazy Sleazy"; ouça.

Ele tem essas músicas na pegada de hinos, grandiosas, para cantar junto. É estranho, pois é quase um álbum de música dance de um jeito estranho – não EDM (electronic dance music), discoteca ou dance moderno. É pelo groove. Para mim, é como o nosso ‘Let’s Dance’, de David Bowie. É o que queríamos fazer, pois o pensamento era: ‘vamos fazer um disco pra cima e divertido’.” - declarara Dave Grohl à rádio Alt 98.7.

Assista ao clipe de "Chasing Birds" no player abaixo:

Ouça o álbum na íntegra no player abaixo:

Sequenciando, assista ao clipe de "Shame Shame" e ouça "No Son of Mine", liberado anteriormente.


Tracklist:

01. Making A Fire
02. Shame Shame
03. Cloudspotter
04. Waiting On A War
05. Medicine At Midnight
06. No Son Of Mine
07. Holding Poison
08. Chasing Birds
09. Love Dies Young

Assista ao clipe de "Bad Things", canção do novo álbum ao vivo do Lacuna Coil

"Live From The Apocalypse" chegará no dia 25 de junho próximo, via Century Media Records.

A banda milanesa Lacuna Coil liberara o clipe ao vivo de "Bad Things", canção que integra o novo lançamento do grupo, "Live From The Apocalypse", que registrara uma apresentação na Itália, sem público, em virtude da pandemia da COVID-19 (Coronavírus), mas tudo feito como se este estivesse presente, em setembro último.

O material, que traz o álbum mais recente "Black Anima", todo ele executado ao vivo, virá nos formatos LP, CD (somados a um DVD bônus com a filmagem da transmissão original) e digital.

Assista ao vídeo de "Bad Things" no player abaixo:


Tracklist:

01. Anima Nera
02. Sword Of Anger
03. Save Me
04. Now Or Never
05. Reckless
06. Through The Flames
07. Apocalypse
08. Black Feathers
09. Under The Surface
10. The End Is All I Can See
11. Veneficium
12. Black Dried Up Heart
13. Bad Things
14. Layers Of Time
15. Black Anima
16. Save Me (Apocalypse Version)


Deadman Dance reimagina “Paranoid” em coletânea dedicada ao Black Sabbath

Compilação “Swamp Sabbath” reúne 14 bandas e é lançada por selo americano

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Após apresentar sua sonoridade que vai do stoner ao punk com violino, baixo e bateria no EP de estreia, “Ticking Clocks”, Deadman Dance se volta para uma de suas influências na coletânea “Swamp Sabbath”, que reúne 14 bandas em uma homenagem ao Black Sabbath e acaba de ser lançada pelo selo americano Swamp Records. O trio paulistano recria “Paranoid”, um dos clássicos da banda referência no heavy metal.

Deadman Dance trouxe sua marca registrada para essa interpretação de “Paranoid”: fuzz e energia. A faixa foi gravada com todos os músicos ao vivo em estúdio e rendeu também um vídeo. A ideia era captar a energia dos músicos nessa troca em tempo real.

Fizemos a captação ao vivo para manter essa crueza que foi uma característica do nosso primeiro EP. Ela serve também para finalizarmos essa primeira etapa da carreira, onde definimos o nosso som e começaremos a explorar sonoridades um pouco diferentes, nas músicas que vem futuramente. Além de um carinho imenso que temos pelo Black Sabbath, é mais uma afirmação de que violino pode sim, ser um instrumento do rock, sem deixar nada à dever para outros instrumentos”, adianta o violinista Eduardo Geraissate. Além dele, Deadman Dance é formada pela bateria de Rafaela Antonelli e pelo baixo de Henrique Codonho. 

A banda é um dos expoentes do stoner no cenário nacional, fruto das explorações de Geraissate no violino para além das orquestras e óperas e progredindo para incluir outros instrumentos e vocais. De projeto solo a coletivo, Deadman Dance se consolidou na sua atual formação em 2018. A proposta do grupo é desconstruir o formato clássico de um trio de rock ao usar do contraste de sonoridades cruas com o caráter inovador do violino em meio a gêneros onde o instrumento não é comumente utilizado. 

O primeiro EP, “Ticking Clocks”, mostrou a versatilidade de Deadman Dance explorando diferentes gêneros dentro do rock. Agora, a banda se prepara para uma nova fase e inaugura os lançamentos de 2021 com o single “Paranoid”. A coletânea “Swam Sabbath” reúne também Professor Electric, Bretus, Froglord, 3Demons ft. Valeria Salvador, Gallery of Ghouls, Doomsday Rejects, Dos Brujos, Green Hog, Thunder Volt, C.I.A. Hippie Mind Control, Crow Ballard, Blaise The Seeker e Opium Warlock e já está disponível nas plataformas de streaming.

Ouça “Paranoid”: https://tratore.ffm.to/paranoid

Assista ao vídeo de “Paranoid” ao vivo:

Ouça a coletânea completa “Swamp Sabbath”:

segunda-feira, 19 de abril de 2021

Hierofantes de Marte lança o seu EP de estreia "Debutando o Século XXI"; ouça

"Debutando o Século XXI" é o primeiro EP da banda Hierofantes de Marte, uma tropicália requentada no micro-ondas da internet. Foi gravado em 2016, mas não estava disponível para streaming até hoje. A banda de 11 integrantes, se caracterizava pelo som quente e festivo, através da performance audaciosa e cativante organizada pelo movimento das vozes de Qex Bittencourt e Kevin Brezolin, junto a big band formada por Guilhereme Lopes, Daviana Suares, Chico Lohmann, Cibele Blanco, William Osmarin, Gabriel Amaral, Renan Candieiro, Guilherme Ahum e Diego Acauan.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Com direito a mini-documentário feito por Diogo Dubiela, o EP foi gravado através de um edital de ocupação do estúdio da Prefeitura de Porto Alegre. Apesar de terem gravado 12 músicas, só finalizaram duas antes de encerrarem suas atividades. A produção é parceria da banda com Chico Algo, que assina também a mix e a master.

Hoje, 5 anos depois e com a autonomia da produção caseira, mais a ajuda de amigues, o álbum póstumo e homônimo da banda será finalizado pelo produtor e engenheiro de som Olimpio Machado.

Ouça nos streamings: www.bit.ly/hieroXXI

Videoclipe de "Fé Em Deus":

Mini-Documentário: www.bit.ly/rechieroXXI

Ian Anderson diz que teria mudado o som do Jethro Tull para Tony Iommi seguir na banda

Ian Anderson disse que estava preparado para mudar a abordagem musical do Jethro Tull se o futuro guitarrista do Black Sabbath, Tony Iommi, permanecesse na banda.

Iommi se profissionalizou como membro do Earth antes de passar várias semanas com Anderson em 1968; ele então decidiu retornar à sua banda anterior. Ele não gravou com Jethro Tull, mas fazia parte da formação vista no filme-show do Rock N 'Roll Circus dos Rolling Stones.

Logo depois, Jethro Tull começou a trabalhar em "Stand Up", o álbum que definiu seu som progressivo. Mas naquele ponto, Anderson disse ao Planet Rock, que sua banda estava um pouco distante de estabelecer uma direção.

Nós tínhamos sido colocados no escaninho de sermos uma pequena banda de blues antiga com uma ligeira estranheza de ter uma flauta colocada no meio", disse ele. "Foi definitivamente giz e queijo com o que teria acontecido se Tony se tornasse um membro permanente da banda, porque seu estilo musical era completamente diferente.

Observando que “você não chamaria Tony, então ou agora, de guitarrista de blues”, Anderson acrescentou: “Ele não fazia todos aqueles licks e tocava esse tipo de coisa; ele era muito monofônico - grandes coisas de uma única nota. Na banda com a qual ele tocou, chamada Earth, que posteriormente se tornou o Black Sabbath, ele era tão diferente.

Se Iommi tivesse ficado, “isso teria mudado radicalmente a maneira como a música de Jethro Tull teria sido”, admitiu Anderson. “Isso teria mudado a maneira como eu escrevia músicas - o lote de músicas que se tornou nosso segundo álbum, "Stand Up", em 1969. Eu repassei algumas coisas com Tony e parece que o formato daquelas músicas em que eu estava trabalhando não era sua praia”.

Anderson se lembra de Iommi como um “cara legal” e admitiu estar “apaixonado por sua guitarra quando Earth tocou com Jethro Tull em algum show em uma universidade. (…) Só pensei: 'Uau, aquele cara pode muito bem ter algo a oferecer.' E de fato ele o fez - ele o ofereceu ao mundo.

Via UCR.

The Who - Pete Townshend: "os Beatles nos copiaram!"

"Sgt. Pepper" foi inspirado em "A Quick One, While He's Away ", afirma ele

Pete Townshend afirmou que os Beatles se inspiraram para ‘Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band 'da música de nove minutos do The Who' A Quick One, While He Away '.

Townshend conversou recentemente com a Rolling Stone para promover a releitura de luxo do álbum de 1967 do The Who, "The Who Sell Out", e foi perguntado se era inspirado nos Beatles "Sgt. Pepper’, lançado sete meses antes.

Ele respondeu: “Não, não. Vamos. Os Beatles nos copiaram! Paul McCartney veio até mim no Bag O’Nails (local do show), que mencionamos na capa do álbum.

Ele sempre foi muito, muito doce comigo. Eu deveria dizer isso primeiro. Mas ele me disse que realmente amava nossa mini ópera, que se chamava "A Quick One, While He's Away". Isso estava no álbum que precedeu "The Who Sell Out" ("A Quick One" de 1966). E ele me disse que eles estavam pensando em fazer coisas semelhantes.

Acho que qualquer pessoa que tivesse um pouco de escola de arte na época, um pouco aventureira - e, é claro, os Beatles foram encorajados a experimentar ao máximo no estúdio - teria pensado em fazer algo que fosse um conceito.

Prosseguindo generoso ‘Sgt. Pepper 'com elogios, Townshend continuou: “Não há muito de um conceito para esse disco, mas até hoje, sempre que me sento e pego o vinil, algo sempre salta para fora que eu nunca percebi antes .

Acho que o mesmo se aplica aos sons para animais de estimação (dos Beach Boys). Esses dois álbuns são mudanças seminais no que todos nós acreditávamos que seria possível se você estivesse em uma banda gravando discos, apenas atos extraordinários de fé de que o público aceitaria.

No início desta semana, The Who anunciou que havia se reunido com Heinz Beanz para lançar latas de edição limitada "Beanz Meanz The Who". Os rendimentos de todas as vendas no Reino Unido irão arrecadar fundos para a organização de caridade Magic Breakfast, para a fome de crianças, e para a instituição de caridade de apoio ao câncer Teenage Cancer Trust, Heinz e os respectivos parceiros de caridade do Who.

Via Planet Rock.

Yes: Jon Anderson ao ver o King Crimson: "temos que praticar mais, porque esses caras são realmente bons.

Durante uma aparição no Rock History Book, o vocalista clássico do Yes, Jon Anderson falou sobre o King Crimson, lembrando a primeira vez que viu os ícones do prog.

Em 1971, o baterista original do Yes, Bill Bruford, saiu da banda para se juntar ao King Crimson.

Jon comentou (transcrito por UG):

Eu e Chris Squire (saudoso baixista do Yes), fomos ver o King Crimson no Speakeasy, um clube em Londres, e havia uma banda se formando.

“'Quem é a banda?' 'King Crimson.' 'Nunca ouvi falar deles.' E eles foram simplesmente incríveis, eles tocaram todo o seu primeiro álbum, 'In The Court of the Crimson King' perfeitamente como se tivessem acabado de sair do estúdio.

“Eles simplesmente acertaram, sério, e eu olhei para Chris e disse: 'Temos que praticar mais, porque esses caras são realmente bons.'

“Alguns meses depois, Bob Fripp entrou em contato comigo para cantar a música chamada 'Prince Rupert' (lançada no álbum 'Lizard' do KC em 1970), e eu disse, 'OK, estou muito feliz em fazer isso.'

Então fui ao estúdio e ouvi a demo gravada, como se eu a cantasse mais ou menos. Bob se aproxima, olha por cima dos óculos, 'Bem, Jon, você poderia cantar exatamente como a demo?'

'Eu poderia, se você quiser.' Então eu cantei exatamente como a demo, era mais direto de uma forma que eu começaria a me dobrar um pouco.

Quando eu era criança na escola, ia para a escola 15 minutos mais cedo para ver os trens passarem, tínhamos uma ponte bem ao lado da escola e os trens passam direto por baixo.

E toda quarta-feira, esse trem descia, esse lindo trem verde, era como um trem a vapor, se chamava Príncipe Rupert."

Hamen faz feat com cantora de apenas 13 anos

Duas gerações do metal brasileiro se encontram na colaboração da Hamen com Iara Almeida, cantora adolescente de apenas 13 anos. A parceria que teve início por meio das redes sociais, ganha vida na versão de “Chimerical Love”, em que a jovem artista e a banda de power metal sinfônico mostram seu poder. A performance foi realizada à distância e contou com a estreia no festival “Caio Indica - Women Edition”, realizado durante o mês de março. O feat agora fica disponível no canal de YouTube da Hamen, que já conta com diversos vídeos de react e entrevistas.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Um dos nossos propósitos com a música é deixar o nosso legado no mundo e ajudar outras pessoas que estão percorrendo nesta carreira, principalmente mulheres que querem ou estão ingressando na carreira musical do rock e do metal. Nossas letras, por mais que tenham o tema de ficção científica, elas sempre trazem um momento de reflexão do ser humano, do olhar para si, para o mundo que vivemos e o que estamos fazendo com ele. Então temos na Hamen esse objetivo, de nos conscientizarmos e podermos ajudar a quem está a nosso alcance.”, declara Monica Possel, vocalista e letrista da Hamen.

A colaboração com Iara Almeida começou de maneira inusitada, conta Monica:

Eu a conheci quando cedi uma entrevista para Bangers Brasil, que me apresentou para ela e fui correndo para ver quem era e fiquei alucinada com o talento e o jeitinho dela. Lembrei da minha época, de quando era adolescente, cantora, mulher, desbravando o mundo do metal. Então eu a convidei para cantar uma música da Hamen, o que ela prontamente aceitou. E agora queremos lançá-la nos festivais e escolhemos o Caio Indica, que trouxe em março uma edição especial de mulheres.”, elogia.

Atualmente a cantora Iara Almeida faz parte da School of Rock, sendo a vocalista da House Band, que já tocou no Morrison Rock Bar, Bourbon Street e Manifesto Bar e nos eventos Brooklyn Fest, Festival Rock N’Hari, no Hopi Hari. E ainda, chegou a participar de duetos com Felipe Machado, vocalista do Viper.

Com oito anos de carreira, a Hamen traz em sua discografia o EP “Altar” (2015) e o disco de estreia, “Unreflected Mirror” (2018), que contou com participação especial de Marcelo Barbosa (Angra). De lá para cá, a banda participou de coletâneas internacionais e festivais online durante a pandemia, se tornando uma das representantes do power metal sinfônico brasileiro. Liderada por Monica Possel (voz), ganhadora do prêmio europeu FemMetal na categoria Best Operatic Vocals, o grupo também conta com Cadu Puccini (guitarra).

A gravação foi realizada com a direção de câmera da mãe de Iara Almeida, e edição de vídeo e artes de Monica Possel, com mixagem e masterização de Alexandre Pedro.

Assista “Chimerical Love”:

Murdock: banda catarinense de hard/stoner rock lança nova faixa em todas as plataformas de streaming via Abraxas

A banda catarinense Murdock, oriunda de Tijucas, lançou neste último final de semana em todas as plataformas seu novo som, “Irônico Maldito”.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Lançada oficialmente no streaming pelo selo Abraxas Records (RJ), a faixa é um “tributo” ao rock setentista e rock´n roll, inspirada por nomes como Black Sabbath, Led Zeppelin e rock´n roll brasileiro. Estreada oficialmente pelo site americano Doomed and Stoned, a música foi liberada no último sábado (17) e fala sobre a dualidade psicológica e conflitos internos.

Irônico Maldito” está disponível no streaming, Bandcamp e Youtube nos links abaixo:

STREAMING (ONERPM): https://ps.onerpm.com/7471412295

YOUTUBE: https://www.youtube.com/watch?v=HaRsX9KZJ14

BANDCAMP: https://murdockband.bandcamp.com/track/murdock-ir-nico-maldito

Pink Floyd: Roger Waters e banda (à distância) tocam "The Bravery of Being Out of Range"; assista

O eterno gênio floydiano, em seu isolamento em razão da pandemia do COVID-19 (Coronavírus), entoara, acompanhado de sua banda  (à distância) a sua canção "The Bravery of Being Out of Range", que integra o álbum solo "Amused To Death", de 1992.

Pink Floyd: Roger Waters diz que turnê ‘This Is Not A Drill’ pode ser a sua última.

Pink Floyd: Roger Waters e banda (à distância) tocam "The Gunners Dream"; assista.

Pink Floyd: Roger Waters e banda (à distância) tocam "Vera" e "Bring the Boys Back Home". Assista.

Pink Floyd: Roger Waters canta "Mother" durante seu isolamento. Assista.

Waters explica a gravação em nota:

"Esta é uma nova gravação e vídeo de “The Bravery of Being Out of Range” do meu álbum de 1992, 'Amused To Death'. Ele apresenta parte do discurso de despedida de Ronald Reagan à nação quando ele deixou o cargo. Incluo o discurso porque o primeiro verso da música é sobre Reagan, ele é o velho a quem estou falando. Reagan ainda é reverenciado por muitos, embora seja um criminoso de guerra em massa que, entre seus muitos outros crimes, apoiou conscientemente o genocídio do povo maia da Guatemala quando era presidente dos Estados Unidos. Seu secretário de Estado assistente na época do genocídio, o igualmente homicida Elliot Abrams, ainda trabalha para elementos desagradáveis ​​nos atuais círculos do governo dos Estados Unidos. Tente assistir ao filme "Journeyman" sobre o genocídio da Guatemala e o envolvimento do governo dos EUA linkado aqui (https://www.journeyman.tv/film/635), é cansativo, mas…. Bem, olhe para as meninas guatemaltecas, suas mães e avós e pais foram massacrados com a bênção de Regan.

O segundo verso é sobre "Tempestade no Deserto", então o segundo velho é Bush Sênior, que massacrou todas as tropas iraquianas desarmadas que se retiravam do Kuwait por ordem de Bush na estrada para Basra. O terceiro verso foi algo que escrevi quando, enojado como estava que "trinta anos depois" os EUA ainda estão lidando com a morte de inocentes em nome da liberdade, decidimos fazer essa música como um bis na Letônia. Trunfo? Biden? Ainda jogando bombas, ainda matando pessoas inocentes. Os mesmos fantoches de falcão de guerra nojentos. Vamos, AMÉRICA, é hora de MAN UP e dizer NÃO MAIS MATAR AS CRIANÇAS PARA TER NOSSO PRÓPRIO CAMINHO, NÃO MAIS GUERRAS IMPERIAIS. VAMOS PARA CASA E COLOCAR A NOSSA PRÓPRIA CASA EM ORDEM! PORQUE ESTÁ ELA ESTÁ FODIDA."

Assista ao vídeo:

Letra de "The Bravery of Being Out of Range":

"“Back in 1980

When I was running for President

It was all so different

Some pundits said our programs

Would result in catastrophe

Our views on foreign affairs would cause wars

Once you begin a great movement

There’s no telling where it will end

We meant to change a nation

And instead we changed the world” (Ronald Reagan).

You have a natural tendency to squeeze off a shot

You’re good fun at parties you where the right masks

You’re old but you still like a laugh in the locker room

You can’t abide change you’re at home on the range

You opened the suitcase behind the old workings

To show off the magnum you deafened the canyon

A comfort a friend only upstaged

In the end by the Uzi machine gun

Does the recoil remind you

Remind you of sex

Old man what the hell you gonna kill next

Hey Old timer who you gonna kill next

I looked over Jordan and what did I see

Saw a US marine in a pile of debris

I swum in your pools and lay under your palm trees

looked in the eyes of the Indian

Who lay on the federal building steps

And through the rangefinder over the hill

Saw the front line boys popping their pills

Sick of the mess they find of that desert stage

And the bravery of being out of range

Yeah the question is vexed

Old man what the hell you gonna kill next

Hey old timer who you gonna kill next

Thirty years later it’s the same old tune

No closer to peace than the man in the moon

The president’s still just as crazy as a loon

Still picking fights in some foreign saloon

Bombs still falling out of the sky

The band’s still playing Miss American Pie

The Gunner still sleeps in some foreign field

And the boys are still coming home on a shield

But nothing is real

We’re still playing the game

With the bravery of being out of range

We still zap and maim

With the bravery of being out of range

Still strafing the train

With the bravery of being out of range

We still gain terrain

With the bravery of being out of range

Still fucking insane

With the bravery of being out of range

Still channeling John Wayne

With the bravery of being out of range

Still blowing out our own damn brains

Yeah with the bravery of being out of range

Ronald Regan.

“At the big opening meeting

All of a sudden just for a moment

I saw that everyone

Was sitting and looking at me.

And then one of them

Broke the silence

Tell us about the

American miracle

He said.”

Hey bartender over here

Two more shots and two more beers

Sir, turn up the TV sound

The war has started on the ground

Just love those laser guided bombs

They‘re really great for righting wrongs

You hit the target and win the game

From bars three thousand miles away

Three thousand miles away

We play the game

With the bravery of being out of range."

A Banda:

Roger Waters: Piano and Vocal

Dave Kilminster: Guitar

Joey Waronker: Drums

Lucius- Jess Wolfe and Holly Laessig: Vocals

Gus Seyffert: Bass

Jonathan Wilson: Guitar

Jon Carin: Piano and Keys

Bo Koster: Hammond

sexta-feira, 16 de abril de 2021

Sirenia lança lyric video de "This Curse Of Mine", canção de seu novo álbum; assista

"This Curse Of Mine" integra Riddles, Ruins & Revelations", 10º álbum da banda norueguesa Sirenia, o 3º com Emmanuelle Zoldan ao microfone, que chegara em 12 de fevereiro último, via Napalm Records.

Sirenia libera “We come to ruins”, canção de seu novo álbum; ouça.

Sirenia anuncia novo álbum e divulga clipe de “Addiction No. 1”. Assista.

Sirenia: entrevista exclusiva com a vocalista Emmanuelle Zoldan / exclusive interview with vocalist Emmanuelle Zoldan.

O líder do grupo, Morten Veland falou sobre o lançamento:

Riddles, Ruins & Revelations" é o décimo álbum de estúdio de SIRENIA. O álbum é muito diverso, como um álbum nosso deveria ser. Há muito material que mostra a banda de um novo lado, e há muito material que é esperado da banda musicalmente. Ao todo, o álbum levará os ouvintes por uma jornada que cobrirá paisagens musicais familiares e inexploradas. Esperamos que você aproveite a jornada.

VENDA.

Assista ao lyric video de "This Curse Of Mine" no player abaixo:

Ouça o álbum na íntegra:


Assista ao clipe de "Voyage Voyage" no player abaixo:

Tracklist:

01 Addiction No. 1
02 Towards An Early Grave
03 Into Infinity
04 Passing Seasons
05 We Come To Ruins
06 Downwards Spiral
07 Beneath The Midnight Sun
08 The Timeless Waning
09 December Snow
10 This Curse Of Mine
11 Voyage Voyage

Order "Riddles, Ruins & Revelations: smarturl.it/Sirenia-RRR 

Evanescence lança clipe de “Better Without You”, canção de seu novo álbum, assista

Better Without You” integra "The Bitter Truth", novo álbum do Evanescence, que chegara no dia 26 de março último, em diversos formatos.

Evanescence lança clipe oficial de "Use My Voice". Assista.

Assista no player abaixo:

Segundo a @playfonic, a banda nos brindara com um trabalho "emotivo, sensitivo, poderoso e com importantes mensagens atuais. Evanescence está de volta com músicas inéditas depois de muito tempo de espera, lançaram hoje o quinto álbum de estúdio da banda, o tão esperado "The Bitter Truth.

Amy Lee emprega toda a potência de sua voz, entregando um disco que vai agradar aos antigos e novos fãs." Segundo a cantora, em uma entrevista de rádio em setembro de 2020, ela deu outra explicação sobre o títuloː

"O álbum tem esse título por um motivo. Não é sobre mostrar seu lado mais bonito, é sobre mostrar seu eu interior mais real e ser fiel a si mesmo externamente a qualquer custo. Sinto que existe uma maneira de se ter uma opinião forte e ainda respeitar seus semelhantes que não necessariamente concordam contigo".

Ouça “The Bitter Truth"no player abaixo:

Tracklist:

1. "Artifact/The Turn"

2. "Broken Pieces Shine"

3. "The Game Is Over"

4. "Yeah Right"

5. "Feeding The Dark"

6. "Wasted on You"

7. "Better Without You"

8. "Use My Voice"

9. "Take Cover"

10. "Far From Heaven"

11. "Part of Me"

12. "Blind Belief"

Liv Kristine lança seu EP intimista “Have Courage Dear Heart” e com direito a clipe; ouça e assista

Have Courage Dear Heart” novo EP da cantora e compositora norueguesa Liv Kristine (ex-Theatre of Tragedy, ex-Leaves' Eyes), chegara hoje nos formatos digitais e streaming.

Concomitantemente fora lançado o clipe de "Gravity". Assista no player abaixo:


Segundo a @playfonic , "Liv nos apresenta um lado mais intimista, calmo e sensível. Transmitindo na voz uma sensação de força e esperança.
.
A sonoridade vai do gothic rock e metal, sinfônico e um pouco folk. Conta também com o single Skylight numa versão acústica muito linda. O EP é lançado pela gravadora Allegro Talent Media.
.
Segundo Liv as composições lidam sobre assuntos pessoais, a beleza da natureza, do universo e suas leis, conexão, amor, cura e se encontrar. Vale muito a pena escutar."

Ouça o EP na íntegra:


Tracklist:

1. Serenity
2. Have Courage Dear Heart
3. Skylight
4. Gravity
5. Skylight Cathedral

Billy Gibbons lança "Desert High", canção de seu novo álbum solo; ouça

"Desert High" integra “Hardware”, 3º álbum solo do guitarra e voz do ZZ Top, Billy Gibbons, que chegará no dia 4 de junho próximo, via Universal Music.

Billy Gibbons lança clipe de "West Coast Junkie", canção de seu novo álbum solo; assista.

O trabalho fora produzido pelo próprio Gibbons, em parceria com Matt Sorum, ex-Guns N' Roses.

Ouça no player abaixo:

Tracklist:

1. My Lucky Card
2. She’s On Fire
3. More-More-More
4. Shuffle, Step & Slide
5. Vagabond Man
6. Spanish Fly
7. West Coast Junkie
8. Stackin’ Bones feat. Larkin Poe
9. I Was A Highway
10. S-G-L-M-B-B-R
11. Hey Baby, Que Paso
12. Desert High

Marcela Bovio volta vigorosa em EP de estreia de sua nova banda, a Dark Horse White Horse; ouça, assista e leia resenha

A Dark Horse White Horse, nova banda da cantora Marcela Bovio, ex-Streaming of Passion e integrante do MaYan e Ayreon, lançara hoje o seu 1º EP auto-intitulado.

Miss Bovio recebera o convite dos ex-integrantes do Revamp, Jord Otto (guitarra) e Ruben Wijga (teclas), para formarem um power-trio prog-symphonic-metal. O baixista Siebe Sol Sijpkens (Phantom Elite, Destiny Potato, Sordid Pink) e  Ariën van Weesenbeek (Epica e MaYan) às baquetas completaram o time no estúdio, sob a produção sempre magistral de Joost van den Broek.

O trabalho trouxera 5 canções formidáveis que felizmente teimam em soar pesadas, com intermitentes nuances prog-melódico-líricas em alto nível, sempre.

É como se Marcela tivesse ressuscitado uma versão fênix de sua antiga banda, a Stream of Passion. Aqui o fluxo musical voltara a correr com toda a força de uma correnteza sonora pulsante, potencializada por riffs, fraseados e solos de guitarra vitaminados.

Nossa prima-dona denotara todo o seu esplendor oriundo de suas quase biônicas cordas vocais, sem pudor nem temor de deliciosamente romper nossos tímpanos, porém concomitantemente os amaciando, com partes de canto aveludadas em intermezzos dentre seu vocal rascante.

Rascante, pois agora não poderia deixar de sê-lo, uma vez que ela já deixara claro, inclusive em entrevista para a Confraria Floydstock, que sempre faz tudo com muita entrega e intensidade. Logo era de se esperar que nossa Bovio irrompesse cantando o mais alto e forte possível, como se expurgando recentes dramas pessoais e de saúde que bravamente superara. E em tempos como esse, nada melhor do que cantar alto para deixar os males bem longe.

O melhor deste EP é saber que ele é só o 1º passo e que a Dark Horse White Horse está só começando e que muitas alegrias sonoras ainda poderá nos trazer.

Ouça o EP na íntegra e também assista aos vídeos lançados:


Tracklist:

Judgement Day (04:01)

Black Hole (04:14)

The Spider (04:16)

Get Out (04:12)

Cursed (05:21)

A Banda:

Marcela Bovio - Vocals,

Jord Otto - Guitar,

Ruben Wijga - Keyboard,

Siebe Sol Sijpkens - Bass,

Ariën van Weesenbeek - Drums

quinta-feira, 15 de abril de 2021

Bernardo amadurece seu jazz alternativo no segundo EP “Wasn’t there, someone told me”

Lançamento da cantora inglesa é da Seloki Records

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

A vocalista, guitarrista e produtora de jazz alternativo de Londres Sonia Bernardo revela seu novo EP, “Wasn’t there, someone told me”, uma coleção de quatro faixas onde explora vertentes do indie, dream pop e até da bossa nova. O trabalho foi produzido por Bernardo e por Dave Maclean, do Django Django, e é um lançamento da Seloki Records juntamente do clipe para a faixa “Lovers Praise”.

O EP foi antecipado pelos singles e clipes “All You Leave is Love” e “Almost A Mother”. Além delas e “Lover’s Praise”, o álbum acompanha a intensa “Migraine Daze”. Após essa série de lançamentos, um remix feito por Django Django será revelado no dia 09/04.

Depois de excursionar pelo mundo, tendo trabalhado com Phil Manzanera (Roxy Music) e abrindo o programa de Jools Holland, Sonia Bernardo recrutou algumas das mentes musicais mais requisitadas de Londres, incluindo Skinny Pelembe, Luke Wynter (Nubyan Twist, Roller Trio) e Oscar Robertson (Sunglasses For Jaws) para dar vida ao seu segundo trabalho solo.

Bernardo é filha de portugueses. Nascida em Londres, ela mudou-se com os pais para uma aldeia no interior do país ibérico antes de retornar à Inglaterra. Suas primeiras composições surgiram ainda aos 10 anos, influenciada pelos grandes nomes do fado. No auge da onda indie que mexeu com o Reino Unido, a artista retornou para Londres, onde passou a se aprimorar como produtora e guitarrista e a descobrir a própria voz enquanto compositora e intérprete.

Seu primeiro EP, “Panic Prayers”, foi lançado em fita cassete e digitalmente em 2019, mesclando um lado pop e sensual para a música de guitarra underground londrina. O trabalho colocou de vez Bernardo entre os nomes em ascensão no cenário. 

Já em “Wasn’t There, Someone Told Me”, a artista mergulha fundo nas melodias que adora criar, atravessando o dream pop, o pós-punk e dub da cena de Londres e o soul psicodélico com inspirações na bossa nova. As canções exploram temáticas que vão de pertencimento e identidade a autoconhecimento e foram todas compostas por Sonia Bernardo e co-produzidas pela artista ao lado de Dave Maclean. A mixagem é de Alexis Smith, no Dan Careys Studio, em Streatham.

Wasn't there, someone told me” chega às principais plataformas de streaming via Seloki Records.

Assista a “Lovers Praise”:

Ouça “Wasn’t there, someone told me”: https://smarturl.it/BernardoEP