Confraria Floydstock: heavy metal
Mostrando postagens com marcador heavy metal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador heavy metal. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 12 de maio de 2021

Edu Falaschi anuncia datas de lançamento mundial do álbum "Vera Cruz" e linha de produtos exclusivos

Projeto celebra um momento de superação na carreira do cantor

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O cantor Edu Falaschi anunciou hoje através de suas redes sociais o lançamento mundial do seu primeiro álbum autoral, intitulado "Vera Cruz".

O projeto considerado ousado para os parâmetros atuais, celebra um momento de superação do cantor e será lançado mundialmente da seguinte forma:

 - 12 de Maio lançamento no Japão em formato físico e digital.

- 18 de Maio lançamento digital mundial

- 31 de Maio lançamento físico no Brasil 

- 15 de Junho lançamento físico mundial

Repleto de melodias e harmonias poderosas, o álbum incorpora todo o estilo que o artista consolidou durante seus 30 anos de carreira e que se tornou uma marca registrada em suas obras. Suas origens e principais características como cantor e compositor ficam evidentes a cada faixa desta grande álbum. 

O lançameto no Brasil contará com produtos exclusivos em formatos especiais, tais como DIGIPACK em uma edição luxuosa, embalagem com luva, escritos em prata, encarte de 20 páginas, Pop-up e uma faixa bônus para o mercado brasileiro. 

Além disso, também será lançado para os colecionadores de Vinil, um LP DUPLO COLORIDO em edição especial 180g, prensagem limitada de 285 peças.

Vera Cruz é o nome do primeiro álbum solo gravado com repertório inédito por Edu Falaschi, cantor e compositor paulistano projetado nos anos 2000 como vocalista da banda Angra, na qual permaneceu até 2012.

O trabalho teve o início das gravações em novembro de 2020 no Rio de Janeiro e foi produzido por Edu Falaschi e Roberto Barros e co-produzido por Thiago Bianchi. O disco conta com a participação dos mesmos companheiros de banda de Falaschi que o acompanham desde o início da carreira solo: Aquiles Priester, Fábio Laguna, Raphael Dafras, Roberto Barros e Diogo Mafra.

Ícone da música brasileira, Elba Ramalho, foi confirmada como a primeira convidada especial do álbum “Vera Cruz” e irá realizar um dueto mais do que especial com Edu Falaschi no novo disco. Reforçando a lista dos convidados, o álbum conta com o lendário vocalista e guitarrista Max Cavalera (Soulfly/Cavalera Conspiracy/Killer Be Killed/Go Ahead and Die), que está presente na faixa “Face of the Storm”.

Ambientado entre Brasil e Portugal nos tempos do descobrimento da ilha de Vera Cruz pelos colonizadores lusitanos, o romance é o mote da criação do repertório autoral composto por Falaschi, o conceito das letras foi criado por Edu Falaschi e desenvolvido por Fabio Caldeira. As orquestrações do álbum foram inicialmente idealizadas por Edu Falaschi e produzidas, criadas e finalizadas por Pablo Greg.

A arte do álbum e de todos os produtos associados ao Vera Cruz,  foram idealizadas pelo grande "digital designer" Carlos Fides.

O álbum "Vera Cruz" foi mixado e masterizado na Europa pelo lendário produtor Dennis Ward (Angra, Helloween, Pink Cream 69, Unisonic). “Poder estar com o Dennis novamente é extremamente emocionante, estar com ele de novo me traz muitas lindas recordações e ele sabe exatamente o que eu gosto em termos de sonoridade, sem contar que ele tem um bom gosto absurdo para mixagens”, afirma Edu sobre trabalhar com o Dennis Ward.

Tracklist:

1 – Burden

2 – The Ancestry

3 – Sea Of Uncertainties

4 – Skies In Your Eyes

5 – Frol De La Mar

6 – Crosses

7 – Land Ahoy

8 – Fire With Fire

9 – Mirror Of Delusion

10 – Bonfire Of The Vanities

11 – Face Of The Storm – feat. Max Cavalera

12 – Rainha do Luar – feat. Elba Ramalho

segunda-feira, 10 de maio de 2021

Evanescence e Halestorm anunciam turnê conjunta pelos EUA começando ainda em 2021

Evanescence e Halestorm estão retornando aos palcos de shows nos EUA neste outono (por lá). Produzida pela Live Nation, a turnê começará sexta-feira, 5 de novembro em Portland, Oregon, e levará as bandas para arenas em todo o país antes de terminar no Nordeste pouco antes das férias.

Uma pré-venda especial do BLABBERMOUTH.NET começará na quarta-feira, 12 de maio, às 10h00, horário local, e terminará na quinta-feira, 13 de maio, às 22h00. horário local. Quando solicitado, digite o código de pré-venda "EVSxHS21" para acessar os ingressos antes do público em geral. A venda geral será nesta sexta-feira, 14 de maio, às 10h local. (Volte aqui antes do início da pré-venda na quarta-feira para obter links de ingressos individuais para todos os shows.)

A turnê reunirá duas das melhores mulheres do rock: Amy Lee e Lzzy Hale, para uma experiência verdadeiramente foda noite após noite. Amigas próximas, bem como colaboradoras próximas, no ano passado, Lzzy executou back-up vocals na "divertida canção de protesto não partidária" do Evanescence (MTV) "Use My Voice", e Amy se juntou a Lzzy em uma nova versão de "Break In" do Halestorm. Além de novas músicas e dos maiores sucessos das duas cantoras, os shows vão destacar seu vínculo pessoal e a música que daí vem.

Amy disse:

"As palavras não podem expressar o quão animados estamos para voltar em turnê com nossos amigos e agitar novamente. Nós temos construído essa nova música isoladamente por mais de um ano e sonhando com como será finalmente tocar ao vivo e experimentar junto com nossos fãs pela primeira vez. Mal podemos esperar para vê-lo lá!"

Lzzy disse sobre a próxima turnê:

"Todos nós estivemos de luto pela perda da música ao vivo e esperamos pacientemente, olhando para um futuro incerto. Finalmente o futuro parece brilhante e não consigo pensar em uma maneira melhor de quebrar o silêncio do que com nossos queridos amigos do Evanescence. Eu só posso imaginar como será a sensação de subir no palco novamente noite após noite, e me reconectar com todos os fãs de quem eu sinto tanto falta. Prepare-se para emoções intensas, performances barulhentas e uma nova energia estimulante, diferente de qualquer turnê que experimentamos no passado. Ansiosa para ver todos vocês!"

Datas da turnê:

Nov. 05 - Portland, OR - Veterans Memorial Coliseum

Nov. 07 - Seattle, WA - Climate Pledge Arena

Nov. 09 - San Jose, CA - SAP Center at San Jose

Nov. 12 - Las Vegas, NV - The Cosmopolitan of Las Vegas - The Chelsea

Nov. 13 - San Diego, CA - San Diego State University - Viejas Arena

Nov. 15 - Phoenix, AZ - Arizona Federal Theatre

Nov. 20 - Fort Worth, TX - Dickies Arena

Dec. 02 - Duluth, GA - Infinite Energy Arena

Dec. 05 - Saint Louis, MO - Saint Louis University - Chaifetz Arena

Dec. 11 - Detroit, MI - Little Caesars Arena

Dec. 12 - Cincinnati, OH - Heritage Bank Center

Dec. 14 - Pittsburgh, PA - University of Pittsburgh - Petersen Events Center

Dec. 15 - Newark, NJ - Prudential Center

Dec. 17 - Camden, NJ - BB&T Pavilion

Dec. 18 - Worcester, MA - DCU Center

terça-feira, 4 de maio de 2021

Burning Witches divulga clipe de, "The Witch of The North", faixa-título de seu novo álbum; assista

"The Witch of The North" dá nome ao novo álbum da banda suíça Burning Witches, que chegará em 28 de maio próximo, via Nuclear Blast.

Burning Witches divulga clipe de, "Flight Of The Valkyries", canção de seu novo álbum; assista.


O trabalho marca a estreia da guitarrista Larissa Ernst, que substituíra Sonia "Anubis" Nusselder, que deixara a banda em maio de 2020 para se juntar à nova banda de death metal Crypta.

Assista ao clipe de "The Witch of The North" no player abaixo:


Tracklist:

01. Winter's Wrath
02. The Witch Of the North
03. Tainted Ritual
04. We Stand As One
05. Flight Of The Valkyries
06. The Circle Of Five
07. Lady Of The Woods
08. Thrall
09. Omen
10. Nine Worlds
11. For Eternity
12. Dragon's Dream
13. Eternal Frost

Udo Dirkschneider & The Old Gang lança clipe e single "Face Of A Stranger"; assista

"Face Of A Stranger", 2º single do projeto Udo Dirkschneider & The Old Gang, chegara no dia 29 de abril último, via AFM Records.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O nome praticamente explica o que está por trás do projeto musical: a lenda do rock Udo Dirkschneider reuniu seu grupo de músicos mais próximos em meados de 2020 e fundou um novo projeto espetacular. Já estão disponíveis as primeiras informações concretas sobre o projeto Dirkschneider & The Old Gang. Além de Udo, seu filho Sven, os ex-membros do Accept, o baixista Peter Baltes e o guitarrista Stefan Kaufmann e da cantora Manuela Bibert também decidiram embarcar nesta nova iniciativa. A extensão desta formação e seus planos futuros só serão anunciados nas próximas semanas.

Udo Dirkschneider & The Old Gang lança clipe e single "Where Angels Fly".

Apenas isto: qualquer pessoa que anteriormente acreditou que já sabia de todos os planos desta ousada iniciativa está enganada. Dirkschneider & The Old Gang começou com um vídeo sensacional, mas é apenas um piscar de olhos nesta nova dimensão imensa que está pra surgir. Portanto, fique de olhos e ouvidos atentos: A partir de agora algo emocionante está para acontecer!

Assista ao clipe de "Face Of A Stranger" no player abaixo:

terça-feira, 27 de abril de 2021

Tears of the Dragon ganha versão folk com voz de Aline Happ

Canção é um clássico da carreira solo de Bruce Dickinson

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

O vocal melódico e poderoso de Bruce Dickinson é substituído pela bela voz de Aline Happ, que traz uma nova roupagem para “Tears of the Dragon”, com uma versão classical crossover. Em uma releitura voltada para o folk, a cantora e produtora musical dá uma nova vida para o clássico da carreira solo do vocalista do Iron Maiden. A canção faz parte de uma série de releituras que Happ realiza em seu canal no YouTube, o qual já conta com versões de Rihanna, Linkin Park, Iron Maiden, e até mesmo, The Mandalorian. Algumas das canções também estão disponíveis nas principais plataformas de streaming e download.

Lançada originalmente em 1994, a canção “Tears of the Dragon” foi o primeiro single do segundo disco de Bruce Dickinson, "Balls to Picasso”. A letra fala sobre as aflições do vocalista quando saiu do Iron Maiden, em 1993, retornando apenas em 1999.

Conhecida mundialmente por seu trabalho como líder, vocalista e compositora do Lyria, Aline Happ é hoje uma das vozes mais famosas do metal brasileiro. Em seu projeto solo, a artista promove releituras Gothic/Folk/Celtic de canções do rock e do metal mundial que estão disponíveis em seu canal no YouTube. Graças ao apoio dos fãs, a cantora arrecadou mais de 200% da meta do financiamento coletivo para o seu disco solo de estreia, que será lançado ainda neste ano.

Os vídeos postados no canal de Aline Happ contam com o apoio de fãs no Patreon e no Padrim. Conhecidos mundialmente, o Lyria é uma banda carioca fundada em 2012 por Aline Happ. De lá pra cá, o grupo lançou dois discos com apoio de crowdfunding, "Catharsis" (2014) e "Immersion" (2018) e tocou em diversas cidades brasileiras como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, São Paulo, entre outras, além de transmitir shows online com venda de ingressos para o mundo todo.

Assista a versão de “Tears of the Dragon”:

sexta-feira, 23 de abril de 2021

Dear Mother lança clipe de "Invincible", 4º single de seu álbum de estreia; assista

"Invincible" integra "Bulletproof", o vindouro álbum de estreia da nova banda Dear Mother, da guitarrista do MaYan e Ex-Delain, Merel Bechtold, que chegará no dia 16 de julho próximo.

Completando o power trio, temos David Pear ao banjo e microfone e Joey Marin de Boer às baquetas.

Dear Mother lança clipe de "Symbiose", 2º single de seu álbum de estreia; assista.

Dear Mother lança clipe de "12 Years in Exile", seu 1º single ; assista.

Confira o clipe no player abaixo:


Tracklist:

1. Vertigo

2. Means To No War

3. 12 Years In Exile

4. The Ones Below

5. An Eye For An Eye

6. A Soul For Hire

7. Symbiose

8. Satellite

9. Fade In

10. Heart

11. Invincible

12. Palace

Armored Dawn propõe reflexão sobre a importância da amizade na canção “Stronger Together”


Canção traz uma mensagem de esperança para todos que precisam se reerguer nesse momento de incertezas.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Reconhecida internacionalmente por ser um dos maiores expoentes do heavy metal brasileiro no mundo, a banda Armored Dawn está lançando um novo single, intitulado “Stronger Together”. A canção inédita foi composta durante o período de isolamento criado pela primeira onda da pandemia, o que imprime à faixa uma forte carga emocional, por ser fruto de um momento complicado vivido pela sociedade em todo o mundo.

O lançamento mundial de “Stronger Together” acontecera em 16 de abril  em todas as plataformas digitais. De maneira simultânea, estará disponível no YouTube um lyric vídeo da faixa. A música será transmitida, na mesma data, em rede nacional pela Rádio Transamérica e nos principais estados brasileiros através da Rede Atlântida, Rádio Cidade, KissFM, entre outras rádios de renome no Brasil.

O vocalista do grupo, Eduardo Parras, comenta o conceito lírico, que lança um olhar de esperança e força neste momento difícil e exalta a primeira composição da nova formação: “Dois amigos compartilham o desejo de dominar o mundo, lutando pelos seus sonhos e ideais. Muito já foi feito e vivido, eles já conquistaramtantas coisas que agora é impossível desistir. Um por todos e todos por um, não importa o que digam ou o que aconteça. Juntos podemos muito mais e nada pode nos derrubar.”, explica. A letra, escrita no período de isolamento social, fortalece o conceito de amizade e reforça a importância das pessoas que dividem umas com as outras o peso de dias tão difíceis. Nessa nova realidade da sociedade, a maior prova de afeto por outro ser humano é manter a distância.

A banda está na fase final da promoção do aclamado álbum “Viking Zombie”, lançado em 2019, e está em fase avançada de gravação de seu quarto álbum de estúdio, que será lançado ainda este ano.

O grupo que é amplamente conhecido por se apresentar em turnês nacionais e internacionais ao lado de grandes ícones do metal mundial como Saxon, Megadeth, Symphony X, Rhapsody, Hammerfall, Tarja, entre outros, prepara novas datas para a retomada de seu projeto ‘Armored Dawn Convida’ e turnê especial por diversos países em um cenário pós-pandemia.

Assista o vídeo:


A atual formação da banda Armored Dawn conta com Eduardo Parras (vocal), Tiago de Moura, Heros Trench e Timo Kaarkoski (guitarras), Fernando Quesada (baixo), Rafael Agostino (teclado) e Rodrigo Oliveira (bateria).


quarta-feira, 21 de abril de 2021

Deadman Dance reimagina “Paranoid” em coletânea dedicada ao Black Sabbath

Compilação “Swamp Sabbath” reúne 14 bandas e é lançada por selo americano

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Após apresentar sua sonoridade que vai do stoner ao punk com violino, baixo e bateria no EP de estreia, “Ticking Clocks”, Deadman Dance se volta para uma de suas influências na coletânea “Swamp Sabbath”, que reúne 14 bandas em uma homenagem ao Black Sabbath e acaba de ser lançada pelo selo americano Swamp Records. O trio paulistano recria “Paranoid”, um dos clássicos da banda referência no heavy metal.

Deadman Dance trouxe sua marca registrada para essa interpretação de “Paranoid”: fuzz e energia. A faixa foi gravada com todos os músicos ao vivo em estúdio e rendeu também um vídeo. A ideia era captar a energia dos músicos nessa troca em tempo real.

Fizemos a captação ao vivo para manter essa crueza que foi uma característica do nosso primeiro EP. Ela serve também para finalizarmos essa primeira etapa da carreira, onde definimos o nosso som e começaremos a explorar sonoridades um pouco diferentes, nas músicas que vem futuramente. Além de um carinho imenso que temos pelo Black Sabbath, é mais uma afirmação de que violino pode sim, ser um instrumento do rock, sem deixar nada à dever para outros instrumentos”, adianta o violinista Eduardo Geraissate. Além dele, Deadman Dance é formada pela bateria de Rafaela Antonelli e pelo baixo de Henrique Codonho. 

A banda é um dos expoentes do stoner no cenário nacional, fruto das explorações de Geraissate no violino para além das orquestras e óperas e progredindo para incluir outros instrumentos e vocais. De projeto solo a coletivo, Deadman Dance se consolidou na sua atual formação em 2018. A proposta do grupo é desconstruir o formato clássico de um trio de rock ao usar do contraste de sonoridades cruas com o caráter inovador do violino em meio a gêneros onde o instrumento não é comumente utilizado. 

O primeiro EP, “Ticking Clocks”, mostrou a versatilidade de Deadman Dance explorando diferentes gêneros dentro do rock. Agora, a banda se prepara para uma nova fase e inaugura os lançamentos de 2021 com o single “Paranoid”. A coletânea “Swam Sabbath” reúne também Professor Electric, Bretus, Froglord, 3Demons ft. Valeria Salvador, Gallery of Ghouls, Doomsday Rejects, Dos Brujos, Green Hog, Thunder Volt, C.I.A. Hippie Mind Control, Crow Ballard, Blaise The Seeker e Opium Warlock e já está disponível nas plataformas de streaming.

Ouça “Paranoid”: https://tratore.ffm.to/paranoid

Assista ao vídeo de “Paranoid” ao vivo:

Ouça a coletânea completa “Swamp Sabbath”:

sábado, 27 de abril de 2019

Em 27 de abril de 1979 o Black Sabbath demitia Ozzy Osbourne


Em 27 de abril de 1979, os outros membros do Black Sabbath definitivamente perderam a paciência com o vocalista Ozzy Osbourne e seu comportamento descontrolado e lhe mostraram a porta.

Foi uma decisão impressionante, que atingiu Osbourne como uma tonelada de tijolos, como ele lembra em seu livro, "I Am Ozzy":

Nós estávamos fazendo alguns ensaios em Los Angeles e eu saia carregado, mas depois eu estava saindo carregado o tempo todo”, lembrou ele. “Era óbvio que Bill [Ward] tinha sido enviado pelos outros, porque ele não era exatamente o tipo que teria tal iniciativa. Não me lembro exatamente o que ele disse para mim… mas a essência era que Tony [Iommi] achava que eu era um perdedor triste, chateado e um desperdício de tempo para todos os envolvidos”.

No livro "In Iommi's memoir, Iron Man", o guitarrista se defendeu escrevendo:

Ozzy parece pensar que fui eu quem insistiu, mas eu estava apenas falando em nome da banda e tentando fazer a coisa acontecer. Alguém teve que fazer um movimento, alguém teve que fazer algo de outra forma, nós ainda estaríamos lá agora e todos estaríamos fora disso. Então foi isso."

Iommi continuou descrevendo o estado da banda no momento da demissão de Osbourne e o custo que as drogas tinham sobre o grupo como um todo:

“Estávamos juntos há uma década, mas chegou a um ponto em que não pudemos. relacionar-se uns com os outros mais. Havia tantas drogas voando por ali, cocaína, quaaludes e Mandrax, e havia bebida e tarde da noite, mulheres e tudo mais. E então você fica mais paranóico e pensa que eles me odeiam. Nós nunca brigamos, mas é difícil lidar com as pessoas, para se comunicar e resolver as coisas quando todo mundo está fora de sí.”

Por mais chocante que tenha sido o incidente, acabaram por trabalhar mais ou menos a favor de todos, pelo menos a curto prazo. O Black Sabbath contratou um cara chamado Ronnie James Dio para assumir os vocais e, juntos, eles fizeram um dos maiores e mais bem vistos discos do grupo, "Heaven and Hell".

Osbourne, em uma das mais inesperadas repercussões da história do rock, descobriu um guitarrista de L.A. chamado Randy Rhoads no caminho para criar uma carreira solo incrivelmente bem-sucedida. Ele logo superaria a popularidade da banda que o demitiu apesar de ainda estar lutando contra seus vícios.

Nos últimos anos, uma série cada vez mais rápida de mudanças de programação deixou o Black Sabbath em posição comercial comparativamente fraca. Em 1997 eles se reuniram com Osbourne para a primeira do que seria uma série de reuniões. Em 2013, o grupo - sem Ward lançou seu primeiro álbum de canções inéditas em décadas, "13".

Via UCR

quarta-feira, 15 de março de 2017

Ouça a playlist Slow Heavy. Porque peso não é velocidade


Desde a década de 70 quando o hard rock começou a dar cada vez mais peso e intensidade ao rock and roll, a velocidade dos andamentos das canções passou a aumentar, quer seja em um ou outro elemento, tais como os solos rápidos de Eddie Van Halen, baterias cada vez mais céleres ou mesmo músicas extremamente rápidas como um todo.

Isso tomou extrema força no advento Heavy Metal ou simplesmente Metal, como gostam de chamar por aí, quando as grandes bandas do gênero ganharam o mundo.

Aumentou sobremaneira na expansão do trash metal e outros braços do metal que viriam.

Nesses dias últimos andei ouvindo uma série de álbuns, bons até instrumentalmente falando, mas que ao meu ver ( ou melhor, ao meu ouvir) ficam massantes por terem o andamento "speed" em tempo integral.

Confesso que nunca fui um simpatizante da equação quanto mais rápido é mais pesado e portanto melhor, ao contrário, sempre me encantei mais com o peso bem colocado e variações de velocidades e andamentos e preferencialmente embebido em melodia, afinal, gosto de música.

Então resolvi pensar e enumerar de cabeça algumas canções que traduzem bem o supracitado e oferecem um bom peso em sua atmosfera, sem necessariamente abusarem da velocidade rítmica e cheguei inicialmente a dez músicas, que integram uma playlist que disponibilizo no fim desse post.

São elas:

Black Sabbath - "Age of Reason"

O  Sabbath e especialmente Tony Iommi é a explicação literal desse texto. Desde os tempos de seu álbum de estreia, a faixa-título mostrava um clima sombrio, denso e pesado, calcado num andamento quase parado que só depois acelerava.
Em "Age of Reason", do álbum de estúdio derradeiro do grupo não é diferente. Tony Iommi está afiadíssimo nos riffs e fraseados de ótimo peso e variações de andamentos. Ozzy dá o tom lúgubre, como sempre.
Atenção especial no minuto 3:58.

Judas Priest - "Victim of Changes"

Entoada logo de cara pelas fabulosas guitarras gêmeas de Glenn Titpton e K.K. Downing, a música cai solenemente no riff pesado e rítmico e se completa na frente com o canto magistralmente hipersônico de Rob Halford, que nela brada um dos melhores gritos de todo o heavy metal.
A versão ao vivo no disco "Unleashed in The East" é conclusiva.   

Mercyful Fate - "Into the Coven"

Aqui novamente o tripé formado pela dupla de guitarristas e o vocalista fazem toda a diferença. No caso, Hank Shermann e Michael Denner nas guitarras e o mago das cordas vocais, King Diamond.
O andamento é fascinante, sobretudo pelo canto agudo contrastando com o grave, ambos os tons cantados pelo mesmo Diamond, entre bases e solos das guitarras sensacionais.

Iron Maiden - "Wrathchid"

A Velha Donzela é, sempre foi e sempre será peso embebido e melodia. Mesmo na crua e direta "Wrathchild", que soa visceral com o canto forte, aqui nessa versão de Bruce Dickinson, com o andamento regido pelo chefe Steve Harris no baixo e a trinca de guitarristas Gers/Murray/Smith se alternando nas bases e solos.

Accept - "Shades of Death

A entrada com climatização de suspense já nos dá a sensação e certeza que um musicaço se seguirá. E é o que acontece em Shades of Death, quinta faixa do ótimo álbum "Blood of Nations" do Accept.
Quando entra o riff de Wolf  Hoffmann e o canto visceral-esganiçado de Mark Tornillo, o sentimento é que a vida toda melhora.

Epica - "Kingdom of Heaven - A New Age Dawns"

O symphonic metal é um dos sub-gêneros do metal com mais incidência da hiper-aceleração. Mas não com o Epica. Nesta longa canção, uma das melhores da banda, a porrada é firme, o peso é sem erro, mas sem acelerar fora de hora ou em demasia. Corais lindos e o belo canto da prima-dona Simone Simons a enobrecem ainda mais.
Atenção especial no minuto 4:50

Megadeth - "Countdown to Exctincion"

Dave Ellefson num trovejante e rítmico contrabaixo e a voz peculiar do líder Dave Mustaine, com seu fraseado na guitarra tornam esta música uma delícia de se ouvir. Nada de muito veloz. Uma aula sem pressa do bom e velho metal.

Sepultura - "Territory"

Quando o baterista Iggor Cavalera começa esta, dá a impressão que virá uma porrada supersônica. Mas eis que a dupla Max Cavalera e Andreas Kisser, puxam o freio, tornando-a um clássico de rítmo e peso, cheia de variações de andamento. Maravilha.

Motörhead - "Metropolis"

Aqui é Lemmy Kilmister!!! Onde tem sua voz e seu baixo Rickebacker tem peso e qualidade certamente. Numa ode ao espaço metalico, embalada pelos solos de Eddie "Fast" Clark, essa pode ser considerada A balada do Motörhead.

Metallica - "One"

Para mim a melhor música do Metallica, especialmente nesta versão orquestrada sob a regência do saudoso Michael Kamen. A beleza de sua construção e andamento é difícil traduzir em palavras.
O naipe de violinos dão um espetáculo à parte.
Sim, ela acelera e muito no final, mas no momento preciso e eruptivo. Tudo perfeito.

Ouça a playlist clicando na cruz abaixo (Com o passar do tempo novas músicas serão incluídas nessa playlist, que agora é colaborativa. Inclua a sua também):