Confraria Floydstock: grunge
Mostrando postagens com marcador grunge. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador grunge. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 28 de julho de 2022

Bush anuncia novo álbum com single “More Than Machines”; ouça

The Art of Survival” será lançado no dia 07 de outubro.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Um dos nomes icônicos do rock nas últimas décadas, o Bush anuncia o seu nono álbum de estúdio, “The Art of Survival”, a ser lançado no dia 07/10 via BMG. O primeiro single, que apresenta os novos caminhos sonoros da banda, é a poderosa “More Than Machines”, já disponível em todas as plataformas de streaming e com um lyric video.

Assista ao lyric video “More Than Machines”: 

Essa é uma canção com três temas fortes. De cara, não consigo entender como alguém tem a audácia para tomar controle dos corpos das mulheres. Ao mesmo tempo que essa música fala sobre a destruição dos direitos femininos, ela fala do modo como estamos destruindo o planeta e como estamos caminhando para a inteligência artificial se consolidar para nos substituir. Esses são temas que existem aí desde os anos 50 e sinto que não estou aqui para pregar nada, mas para ser um bardo como na idade média, jogando ideias pro universo”, conta o cantor e guitarrista Gavin Rossdale.

Em mais de 3 décadas de carreira, a banda tem mais de 20 milhões de álbuns vendidos e mais de 1 bilhão de streams, mas sem perder a vontade de se reinventar. O novo álbum tem produção de Erik Ron (Panic! At The Disco, Godsmack) e colaborações em duas faixas com o compositor de trilhas sonoras Tyler Bates (300, Guardiões da Galáxia). O tema central do disco é a resiliência da raça humana em meio às dificuldades.

Rossdale completa, “No lugar de ser pessimista, esse álbum fala das histórias onde sobrevivemos contra todas as probabilidades. A humanidade encontrou um modo de seguir adiante. Acredito que a natureza da vida é lidar com a arte de sobreviver. Somos testados a todo momento, mas continuamos. Nos últimos tempos passamos por guerras, racismo sem fim, desigualdades de gênero, pandemia e tudo junto. Nosso novo álbum vai dialogar com tudo isso”.

Ouça “More Than Machines”: https://bush.lnk.to/MoreThanMachinesPR

More Than Machines” está disponível para streaming e no canal do YouTube da banda.

Tracklist:

Heavy Is The Ocean

Slow Me

More Than Machines

May Your Love Be Pure

Shark Bite

Human Sand

Kiss Me I’m Dead

Identity

Creatures of the Fire

Judas Is A Riot

Gunfight

1000 Years.

segunda-feira, 18 de julho de 2022

Eddie Vedder expulsa fã de show do Pearl Jam por agressão: “Nenhuma violência é permitida”

Uma mulher deu um soco em outro espectador no show da banda em Zurique depois de ficar irritada com ele filmando o show.

Uma fã do Pearl Jam foi expulsa do show da banda em Zurique pelo vocalista Eddie Vedder por começar uma briga com outro espectador.

A banda de Seattle estava tocando no Hallenstadion na cidade suíça como parte de sua turnê pelo Reino Unido e Europa.

Conforme relatado pelo Rock Feed, durante a apresentação da banda de 'Animal' no show, Vedder notou uma briga no meio da multidão e parou o show para abordar o suposto agressor.

"Acenda as luzes, por favor", disse ele. “Ei, ei, ei, ei, ei, eu vi a coisa toda, eu sei, estava te irritando. Você ficou chateada porque ele estava filmando o tempo todo.

Foi o show todo ou só agora? Só agora quando eu vim? Foi o tempo todo? Sim, você está filmando todo mundo.

Vedder acrescentou: “A coisa é, eu sei que isso te chateou, mas você também não pode bater na parte de trás da cabeça dele, mesmo sendo uma mulher. Eu aprecio o fato de que você pode ser forte. Pare de bater nele, você está fora daqui. A violência não é permitida.

Sinto muito, senhora, não há violência permitida. Você poderia ter acenado para mim, eu estava olhando para você. Desculpe por isso, não é legal, não estamos batendo nas pessoas aqui. Desculpe."

Via NME.

Veja imagens do incidente no player abaixo.

quinta-feira, 5 de maio de 2022

Querela estreia com a pesada stoner grunge ‘Submission’

Quarteto de Brasília faz imersão no rock alternativo dos anos 90 e começo dos 2000 para compor com o balanço do peso e melodias.

Quer anunciar sua banda/artista/eventos/notícias/produtos musicais na Confraria? Mande seu material para confrariafloydstock@gmail.com

Dobra de voz, harmonia vocal, guitarras repletas de fuzz, batidas marcantes e groove no baixo, esta é cartilha que segue a recém-formada Querela, quarteto stoner de Brasília que estreia com o single "Submission", já no streaming e também em videoclipe.

"Submission", com seu riff potente e grudento junto ao refrão aberto explosivo, está nas principais plataformas de streaming: https://linktr.ee/querela.

Assista o clipe de "Submission":

O clipe de "Submission", com direção de Rui Rodrigues e produção da NoveZeroUm Vídeo, também remete aos clássicos audiovisuais underground da década de 90, com a banda tocando em uma sala e câmeras dinâmicas com foco nos músicos - tudo para a música ficar, mesmo, em primeiro plano!

A sonoridade de "Submission", cartão de visitas da Querela, mostra uma banda que faz uma imersão no rock alternativo dos anos 90 e começo dos 2000 para compor com o balanço do peso e melodias. O quarteto traz, neste processo, muito da efervescência do grunge e do stoner daquelas épocas.

Não à toa, a banda começou em 2017 tocando covers de Incubus, Audioslave, Royal Blood e Stone Temple Pilots e, em paralelo, a Querela era moldada com influência de Quicksand, Thrice, Failure, Sparta, entre outras.

"Submission", na letra, fala sobre alguém que não tem identidade e é submisso a estereótipos. O assunto fica latente no refrão: o homem ou o escravo surgem após o confronto com o desejo, uma luta constante desde os primórdios da humanidade.

Em outras composições, que serão lançadas na sequência, a Querela também trará reflexões e apontamentos pessoais sobre self awareness, estoicismo, mente, controle, entre outros termos relacionados à conduta humana.

"Submission" tem produção de Xicão Vasconcelos, da banda Toro de Brasília.

Querela é

Rodrigo Ribeiro (bateria)

Bruno Pires (baixo)

Raul Lisboa (guitarra)

Gustavo Vellame (guitarra base e voz)

quarta-feira, 13 de abril de 2022

Membros do Nirvana, Soundgarden e Pearl Jam formam nova banda; conheça a 3rd Secret

Uma nova banda chamada 3rd Secret apresenta o ex-baixista do Nirvana Krist Novoselic, o baterista do Soundgarden Matt Cameron (também membro do Pearl Jam) e o guitarrista do Soundgarden Kim Thayil.

Na semana passada (9 de abril), o supergrupo centrado nos ícones do grunge se apresentou ao lançar de surpresa seu álbum de estreia auto-intitulado, como a Rolling Stone informou. O lançamento não era amplamente conhecido até a segunda-feira (11 de abril).

O 3rd Secret é liderado pelas vocalistas Jillian Raye, do outro grupo de Novoselic, Giants in the Trees, e Jennifer Johnson. O guitarrista Bubba Dupree da banda de hardcore dos anos 1980 Void preenche o som que incorpora vertentes alternativas, indie e folk, todas impulsionadas pelos vocais duplos de Raye e Johnson.

Ouça 3rd Secret no final deste post, logo abaixo da arte do álbum e do tracklist, agora disponível na maioria dos serviços de streaming.

Mas o álbum aparentemente surgiu com tanta surpresa na semana passada que alguns serviços ainda estão faltando. "Relatos vindos da assessoria da 3rd Secret de que o álbum ainda não está na Apple Music", disse o grupo em uma atualização em seu site.

Eles acrescentaram: "Recomendamos gentilmente ouvir no YouTube a canção 'I Choose Me' e as outras do álbum, até que seu serviço preferido disponibilize".

Cameron e Novoselic estão entre os principais compositores da 3rd Secret, como mostram os créditos do álbum. O LP marca o primeiro álbum de Cameron e Thayil juntos desde a morte do cantor do Soundgarden, Chris Cornell, em 2017, embora os dois tenham colaborado em uma música do Pretty Reckless de 2021, “Only Love Can Save Me Now”.

O álbum "3rd Secret" também recebeu a colaboração em grande parte do famoso produtor grunge Jack Endino. Dois dias atrás, Cameron vazou notícias da formação do grupo, compartilhando uma foto deles realizando um recente show secreto no Museu de Cultura Pop de Seattle.

Via Loudwire.

Tracklist:

1. "Rhythm of the Ride"

2. "I Choose Me"

3. "Last Day of August"

4. "Winter Solstice"

5. "Lies Fade Away"

6. "Live Without You"

7. "Right Stuff"

8. "Dead Sea"

9. "Diamond in the Cold"

10. "Somewhere in Time"

11. "The Yellow Dress"

quarta-feira, 25 de agosto de 2021

Homem fotografado como bebê na capa de 'Nevermind' processa o Nirvana, alegando pornografia infantil

A foto faz o bebê parecer "um trabalhador do sexo", disse um advogado de Spencer Elden, o homem retratado na capa enquanto criança.

O homem que foi fotografado nu debaixo d'água quando bebê e mais tarde acabou na capa do álbum icônico do Nirvana, "Nevermind", entrou com um processo na terça-feira última alegando que ele foi vítima de pornografia infantil.

A capa do álbum mostra Spencer Elden, agora com 30 anos, em uma piscina quando era bebê, com o pênis exposto.

A imagem usada para a capa do segundo álbum do Nirvana em 1991 inclui uma imposição digital de uma nota de um dólar em um anzol que o bebê parece estar tentando agarrar. A capa foi amplamente considerada uma repreensão ao capitalismo.

Fotos nuas não sexualizadas de bebês geralmente não são consideradas pornografia infantil perante a lei. Mas o advogado de Elden, Robert Y. Lewis, alega que a inclusão de moeda na foto faz com que o bebê pareça "um trabalhador do sexo".

Kurt Cobain "escolheu a imagem de Spencer - como um trabalhador do sexo, agarrando uma nota de um dólar que está posicionada pendurada em um anzol na frente de seu corpo nu com seu pênis explicitamente exposto", declarou no processo, movido no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Central da Califórnia.

Elden está pedindo pelo menos $150.000 (quase R$800mil) de cada um dos réus, que incluem os membros sobreviventes da banda Dave Grohl e Krist Novoselic; Courtney Love, a executora do espólio de Cobain; Guy Oseary e Heather Parry, gerentes da propriedade de Cobain; fotógrafo Kirk Weddle; o diretor de arte Robert Fisher; e várias gravadoras existentes ou extintas que lançaram ou distribuíram o álbum nas últimas três décadas.

O baterista original do Nirvana, Chad Channing, também é citado como réu, embora tenha sido substituído por Grohl em 1990, antes que o álbum fosse gravado ou a fotografia da capa fosse tirada.

A Entertainment Weekly relatou em 1992 que Elden, com 4 meses de idade, foi escalado para a filmagem junto com outros quatro bebês. Cobain encomendou a filmagem depois de ver um documentário sobre bebês nascendo debaixo d'água e "pensar que a imagem daria uma capa legal", disse Fisher à revista na época. "Essa visão era um pouco gráfica demais, então optamos pelo bebê nadador."

Weddle tirou as fotos em uma piscina olímpica no centro aquático Pasadena, na Califórnia.

"Weddle tirou uma série de fotos sexualmente explícitas de Spencer", diz o processo. "Para garantir que a capa do álbum desencadearia uma resposta sexual visceral do espectador, Weddle ativou o 'reflexo de vômito' de Spencer antes de jogá-lo debaixo d'água em poses destacando e enfatizando os órgãos genitais expostos de Spencer.

Weddle produziu essas imagens sexualmente gráficas com o objetivo de aprimorar e aumentar o sucesso comercial do Nirvana, o álbum "Nevermind" de L.L.C.", disse o processo."

O álbum vendia cerca de 300.000 cópias por semana quando alcançou o primeiro lugar na Billboard 200 dos Estados Unidos no início de 1992. O álbum, com os clássicos "Smells Like Teen Spirit" e "Come as You Are", passou pelo menos 335 semanas no total no Billboard 200.

A imagem da capa recebeu resistência, momento em que Cobain concordou em lançar o álbum com um adesivo sobre os órgãos genitais de Elden que dizia: "Se você está ofendido com isso, você deve ser um pedófilo enrustido."

"O adesivo, no entanto, nunca foi incorporado à capa do álbum", segundo o processo.

Como resultado, Elden "sofreu e continuará a sofrer ferimentos pessoais" e "danos permanentes", incluindo "sofrimento emocional extremo e permanente com manifestações físicas, interferência em seu desenvolvimento normal e progresso educacional, perda ao longo da vida da capacidade de ganho de renda, perda de salários passados ​​e futuros, despesas passadas e futuras com tratamento médico e psicológico, perda de gozo de vida e outras perdas ”, afirma a ação.

Via NBCNEWS.COM