Confraria Floydstock: Pink Floyd lança, enfim, a versão remixada de "Animals"; ouça

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

Pink Floyd lança, enfim, a versão remixada de "Animals"; ouça

Discordâncias entre Gilmour e Waters atrasaram o lançamento, antes previsto para 2018.

Os processos, os insultos nas entrevistas, as manchetes com citações furiosas sobre todos os assuntos do Pink Floyd, tem sido deprimente assistir Roger Waters e David Gilmour, o ex-yin-yang de uma grande banda de rock de todos os tempos, constantemente brigando em público.

Parte disso é a adoração dos fãs falando. Quem não preferiria a noção de conto de fadas de que todos os ex-colegas de banda continuam amigos, preservando o legado acima de tudo? Mas, neste caso, também é uma preocupação prática: um “novo” remix de "Animals", LP de 1977 da banda, foi finalizado em 2018, mas disputas no encarte (sim, sério) contribuíram para o grande atraso do projeto. (Entenda melhor as desavenças lendo a matéria no link abaixo) 

Pink Floyd supera brigas e enfim anuncia reedição de 'Animals'.

Ironicamente,  "Animals" original ofereceu o último sabor de seu equilíbrio criativo. Claro, você poderia ter um bom argumento para o sucessor de 1979, "The Wall", um álbum conceitual quase inteiramente liderado por Waters, como a obra-prima do Pink Floyd. Mas "Animals", pelo menos sonoramente, destacou o espírito da velha escola que definiu o pico dos anos 70.

Para não dizer que a vibe era totalmente democrática. Gilmour (guitarra e vocais) e Richard Wright (teclados), que fizeram contribuições significativas para "The Dark Side of the Moon" e "Wish You Were Here", estavam menos envolvidos desta vez: entre os dois, eles conseguiram apenas um co- escrever (Gilmour nos 17 minutos "Dogs"). Ainda assim, ao contrário de "The Wall", que muitas vezes soa como Waters com apoio de elite, "Animals" é muitas vezes mais sobre atmosfera e humor do que composição convencional de qualquer maneira, o conceito lírico de Waters, comparando falhas humanas ao comportamento animal, cria uma escuridão subjacente sobre a qual os músicos constroem.

Gilmour nunca tocou com tanta agressividade nua, desde o talk-box corajoso e o baixo funky de "Pigs (Three Different Ones)" até seu dedilhar acústico sincopado e solos harmonizados em "Dogs". Wright, embora nunca tão assertivo quanto em "Wish You Were Here", ainda é um mestre da textura: sua brilhante introdução de piano elétrico para "Sheep" é crucial para essa faixa, criando uma sensação de introspecção jazzística que é gradualmente desenraizada e subvertida ao longo de mais de 10 anos.

Em “Animals” o Pink Floyd mostra o prog rock numa atmosfera punk.

O remix de James Guthrie não oferece grandes revelações em "Animals", como a maioria dos álbuns do Floyd do período intermediário, já era perfeito em um nível de fidelidade. As alterações aqui são interessantes, mas sutis, modernizando o som um pouco: bateria mais forte e efeitos vocais mais proeminentes em "Pigs (Three Different Ones)", uma dissolução mais pronunciada do vocal gritado de Waters no sintetizador rodopiante durante os versos de "Sheep." (Uma escolha estranha: o pequeno e saboroso riff de baixo aos 4:25 em "Dogs" soa visivelmente mais silencioso.)

Os fãs provavelmente discutirão os méritos de uma versão sobre a outra. Justo, realmente, não seria um projeto do Pink Floyd sem um pouco de drama.

Via UCR.

Ouça via Spotify no player abaixo ou clique AQUI para outras plataformas.

Tracklist:

Pigs on the Wing (Part One)

Dogs

Pigs (Three Different Ones)

Sheep

Pigs on the Wing (Part Two).

Nenhum comentário:

Postar um comentário