head> Confraria Floydstock: The Beatles: Como tocar bateria como Ringo Starr

quinta-feira, 7 de julho de 2022

The Beatles: Como tocar bateria como Ringo Starr

Depois de 60 anos nas mentes e corações dos fãs de música em todos os lugares, não é nada controverso chamar Ringo Starr de um dos bateristas mais amados de todos os tempos. Através de uma mistura potente de ritmo contundente, afabilidade pateta, piadas oportunas, performances vocais ocasionalmente e aparições no cinema e na televisão, Ringo Starr é mais do que um baterista, ele é um ícone da cultura pop.

Nascido Richard Starkey em uma das áreas mais pobres de Liverpool, Inglaterra, Starr foi assolado por problemas de saúde que o forçaram a ficar fora da escola até que ele finalmente deixou a educação formal aos 15 anos. Starr encontrou uma fuga através da música, que manteve seu ânimo durante suas longas estadias no hospital. Ele veio em um momento potente quando meados da década de 1950 começou a explodir com uma nova forma de música que mudaria a vida de Starr: o rock and roll.

Construindo seu primeiro kit com tampas de lixo e pedaços de madeira quebrados, Starr passou por grupos de skiffle locais antes de desembarcar com um cantor chamado Al Caldwell em 1959. Não muito tempo depois que ele se juntou, Caldwell mudou seu nome artístico para Rory Storm, e Starr se tornou o baterista dos Hurricanes. Inspirado no novo batizado de Caldwell, Starr adotou oficialmente seu nome artístico, inspirado na cultura cowboy do velho oeste e na infinidade de anéis que adornavam seus dedos.

Quando Rory Storm and the Hurricanes começou a tocar residências em clubes em Hamburgo, na Alemanha, Starr se tornou amigo de outro grupo de Liverpool que estava dando o salto para o rock and roll: os Beatles. A essa altura, Starr havia dominado vários gêneros e estilos, incluindo rock, R&B, samba, swing e country, superando em muito as habilidades do então baterista dos Beatles, Pete Best. Os Beatles restantes tomaram nota, e uma rivalidade amigável logo se transformou em um convite oficial para Starr se juntar à banda em 1962.

O estilo de jogo de Starr foi atípico desde o início: sem treinamento formal, tudo o que ele podia fazer era aprender de ouvido. Ele era canhoto, mas adaptado para jogar em um kit destro. Ele preferia a pegada de partida em vez da pegada tradicional. Não havia ninguém que tocasse como Starr, e ele mesmo se opôs a influências diretas, afirmando que Cozy Cole foi o único disco de bateria que ele comprou. Ringo Starr não teve outra opção a não ser soar como Ringo Starr.

Durante quase toda a carreira dos Beatles, Starr permaneceu leal à empresa de bateria Ludwig. Em 1963, Starr comprou um kit Oyster Pearl Ludwig que se tornaria icônico, completo com uma caixa de 14 polegadas, tom de rack de 12 polegadas, surdo de 14 polegadas e bumbo de 20 polegadas. Essa configuração variaria apenas um pouco no final da carreira dos Beatles. Starr também usou pratos Zildjian principalmente na banda, com tamanhos variando de chimbals de 14 polegadas a pratos de passeio de 20 polegadas.

A única vez que Starr realmente reformulou sua bateria foi para a gravação dos dois últimos álbuns da banda, "Abbey Road" e "Let It Be". Starr pulou para um kit de maple que incluía um tom de rack de 13 polegadas adicional e um prato de colisão adicional. Apesar de ter praticamente a mesma configuração em toda a sua carreira com os Beatles, Starr conseguiu extrair sons extremamente diferentes de seu kit através de diferentes afinações, trocas de armadilhas, mudanças de pratos e uma quantidade saudável de experimentação em estúdio.

Starr faria qualquer coisa para obter o som certo: toalhas de chá foram usadas para abafar a bateria em 'Come Together'. Bongos foram contratados para dar um impulso adicional a 'You're Going to Lose That Girl'. Os tímpanos foram trazidos para dar a 'Every Little Thing' seu toque único. Assim como seus companheiros de banda estavam experimentando novos sons, Ringo também estava.

Depois disso, tudo se resumia à variedade de técnicas que Starr empregaria. Starr usaria um estilo de chimbal que muitas vezes é comparado a lavar janelas, uma espécie de sensação meio reta e meio balançada que você pode ouvir melhor em músicas antigas como 'All My Loving' e 'I Wanna Be Your Man', mas também em faixas posteriores como 'Fixing a Hole' e 'Your Mother Should Know'. Também essencial ao estilo de Ringo é o uso de chamas, batendo um tambor com as duas mãos ao mesmo tempo. Para se encher de chamas, confira 'She Loves You', 'Ticket to Ride', 'Eight Days a Week' e 'Drive My Car'.

A adaptabilidade de Starr tornou-se uma grande necessidade para os Beatles explorarem diferentes gêneros. Starr estava usando batidas inspiradas em samba e rumba já em 'Till There Was You', mas Starr realmente acelerou em 'I Feel Fine', utilizando batidas rápidas de pratos para manter o ritmo da música em movimento. Se ele ficasse preso, Starr não estava acima de simplesmente bater um único tambor repetidamente para manter as músicas no tempo, incluindo 'Good Day Sunshine', 'Good Morning Good Morning' e 'Come Together'.

Starr também não teve medo de usar o kit por tudo que valia. Padrões estranhos podem ser ouvidos em músicas como 'Anna (Go To Him)' e 'In My Life', onde uma batida direta simplesmente não funcionaria. Isso começaria a se transformar em um dos hábitos de bateria mais icônicos de Starr: preenchimentos.

Os preenchimentos de tom que Starr empregou em todo o catálogo dos Beatles são algumas de suas contribuições mais icônicas para toda a música. Seu hábito de pular ao redor do kit, mais uma vez graças ao seu canhoto, torna seus preenchimentos estranhos e um pouco instáveis. Em outras palavras: eles têm personalidade. Basta ouvir alguns de seus maiores sucessos: 'Rain', 'She Said She Said', 'A Day in the Life' e 'The End'.

À medida que a música dos Beatles mudou, também mudou a abordagem de Starr para tocar bateria. O estilo rock and roll pesado logo deu lugar a sons mais psicodélicos, com Starr adotando preenchimentos mais frenéticos para adicionar à mania. Com a música indiana vieram os címbalos ao contrário. Com lamentos lentos vieram embaralhamentos de blues. Com as canções de assassinato do music hall vieram as bigornas. As limitações de apenas tocar “bateria” nunca pareciam segurar Starr, mesmo que ele parecesse fazer tudo parecer incrivelmente fácil.

Essa facilidade também deu origem a um grave equívoco: que Starr não era um baterista muito talentoso. Sua atitude humilde, comportamento pateta e admitida falta de proeza de composição provavelmente contribuíram para essa noção, mas não se engane, Ringo Starr é altamente habilidoso e, talvez mais importante, quase impossível de replicar. Sem falhas, a maioria dos ouvintes podia apenas ouvir o padrão de bateria de Starr e identificar qual música dos Beatles era. Em alguns casos, a execução de Starr seria o aspecto mais interessante da faixa.

Tocar como Ringo Starr é tocar junto com a música como um colaborador igual. “Há um ritmo de vida. Há um ritmo para cada música. Você pode levantar a banda e a banda pode levantar você”, como Starr explicou em sua recente MasterClass sobre Drumming and Creative Collaboration. Mais do que qualquer outro baterista na história, Starr trabalhou duro para servir a música que ele estava tocando. A forma de tocar de Starr vem com muito pouco ego, o que pode ser o maior obstáculo ao tentar replicar seu estilo.

Em última análise, para tocar bateria como Ringo Starr, você só precisa ouvir, deixar fluir, se divertir e tocar alguns preenchimentos ao longo do caminho.

Via FAR OUT.

Nenhum comentário:

Postar um comentário