Confraria Floydstock: Cream: Um furacão passou pelo rock

quinta-feira, 13 de maio de 2021

Cream: Um furacão passou pelo rock

Na segunda metade dos anos 60 o rock estava  saindo da 'puberdade'(com seus "iê-iê-iê's" e "oh baby, give me a kiss") e chegando a 'fase adulta', onde as virtuoses começaram a se sobressair e a levarem este gênero por inúmeros caminhos. Uma dessas bandas foi o Cream, que tinha na sua formação o primeiro power trio da história do rock.

Em 1966, Eric Clapton, que na época já era "deus" e alcançou a divindade tocando e amando o blues juntava-se aos incríveis Jack Bruce e Ginger Baker, que eram jazzistas por definição e religião. Era uma "fé cega", se me permitem a torta referência.

Depois de um caminho tortuoso no início, com o primeiro single do álbum "Fresh Cream", a banda colocou pra fora toda a sua genialidade e compôs músicas que fariam parte de seus 4 álbuns de estúdio e se tornariam verdadeiras pérolas do Rock, como "Sunshine of Your Love", "I Feel Free", "White Room", "Tales of Brave Ulysses", "Strange Brew", "Toad", "Badge" e versões poderosas de "Spoonful", "Outside Woman Blues", "Crossroads", "Born Under a Bad Sign" e "Steppin' Out".

Se no estúdio a banda já era absurdamente prolífica, as performances ao vivo eram algo sem igual, marcadas pela genialidade e excelência, onde a plateia ficava numa espécie de transe diante daquilo, condensando-se em um som inovador, poderoso, psicodélico e que tomou de assalto os amantes do rock na época. E então veio o fim. As desgastantes turnês(a banda fez cerca de 300 shows em um intervalo de um ano) e as tensões entre seus membros(especialmente Bruce e Baker) acabaram esgotando o trio e seus integrantes resolveram seguir com a vida em outros projetos.

Em 26 de novembro de 1968 o Cream subia ao palco do lendário Royal Albert Hall de Londres para seu último concerto e sairia daquele palco sendo ovacionado por uma multidão consternada que jogava inúmeras rosas em direção aos três e bradava "God save the Cream!", numa espécie de alusão à "God save the Queen!", saldação costumeira feita à rainha Elisabeth.

Muitos defendem que o Cream foi o precursor do que viria a ser o heavy metal, algo que categoricamente não era a intenção da banda, tanto que anos depois numa entrevista, um "doce e gentil" Ginger Baker soltou a seguinte frase: "O Heavy Metal deveria ter sido abortado". O Cream durou menos de 3 anos, mas deixou uma marca indelével na história do rock. A lista de admiradores e músicos que foram fortemente influenciados pela banda inclui nomes como Jimi Hendrix, Roger Waters, Eddie Van Halen e David Bowie, e grupos como Hush, Led Zeppelin, Queen e Black Sabbath, entre tantos outros. 

 O Cream foi único. Um legado que poucas bandas na história da música puderam deixar. Sei que o texto é repleto de "nostalgia do que não vivemos" e cheio de romantismo. Mas o que fica é a reverência à uma das maiores bandas da história e que pavimentou o caminho para tudo o que veio depois. Como diria a revista britânica "Beat Instrumental" na sua manchete sobre o penúltimo álbum da banda, "Wheels of Fire": "Comprem este álbum ou vivam miseravelmente o resto de suas vidas!"

Por Jaderson Gomes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário