Confraria Floydstock: Uriah Heep: Por que Mick Box ama o álbum "Amused To Death" de Roger Waters

quinta-feira, 25 de março de 2021

Uriah Heep: Por que Mick Box ama o álbum "Amused To Death" de Roger Waters

O guitarrista do Uriah Heep, Mick Box, exaltara "Amused To Death", o álbum conceitual sombrio e esotérico do  eterno líder do Pink Floyd ,Roger Waters:

"Tive muitos dias e noites felizes ouvindo este álbum extremamente instigante. Peguei-o pela primeira vez na Austrália durante uma viagem de carro de Sydney a Melbourne. Mal sabia eu no que me metia. Sentei-me e ouvi com o sol se pondo e fiquei totalmente imerso. Assim que acabou, tive que ouvir novamente.

Sempre fui fã do Pink Floyd, mas assim que apertei "play", soube imediatamente que aquele era da gaveta de cima. O fato de Jeff Beck, meu guitarrista de rock favorito, tocar nele o tornou um vencedor desde o início. Também apresenta participações de Don Henley do The Eagles, Jeff Porcaro e Steve Lukather do Toto, e da cantora Rita Coolidge. Mas o toque de Beck realmente ajudou a torná-lo um favorito pessoal.

É um sucesso em muitos níveis diferentes. É difícil ouvir letras como "O que Deus deseja que Deus consegue" sem se perder no que Roger Waters está tentando dizer.

O que eu realmente amo mais no álbum é seu fluxo. De "The Ballad Of Bill Hubbard", um monólogo de abertura altamente comovente de um veterano da Primeira Guerra Mundial, ao retorno do mesmo personagem durante o final da faixa-título, nem uma única nota ou palavra poderia ser considerada fora do lugar. Eu não poderia simplesmente entrar e sair e ouvir uma ou duas faixas, tem que ser do início ao fim.


As faixas são conectadas por trechos de conversas dessas vozes incríveis que parecem ter sido gravadas no rádio na década de 1940, outros ruídos como tiros de metralhadora entrando e saindo da música. Existem até mensagens gravadas ao contrário. Muitas vezes isso pode ser pretensioso, mas cria drama aqui.

O álbum foi baseado no livro "Amusing Ourselves To Death", de Neil Postman. Mas Waters é um escritor incrível. Não apenas da música, mas também das mensagens que ele transmite. Ele zomba dos líderes mundiais em "The Bravery Of Being Out Of Range" e também da religião em "What God Want, Part One". É escuro e incisivo, mas também ironicamente engraçado em alguns lugares - assim como o título sugere.

Às vezes, desafio qualquer um a não se emocionar com a emoção na voz de Roger. Eu recomendaria "Amused To Death" para qualquer fã de rock sério. Na verdade, acabei comprando um monte de cópias e distribuindo para várias pessoas que eu conhecia.

Minha esposa comprou ingressos para vermos Jeff Beck tocar em Londres um tempo atrás, e Waters acabou tocando com ele. Quando eles tocaram "What God Want, Part One", pensei que tinha morrido e ido para o céu. Não parei de falar sobre aquela noite pelos próximos seis meses.


Nenhum comentário:

Postar um comentário