Confraria Floydstock: Wolfgang Van Halen mostra "You’re To Blame", canção de seu 1º álbum solo; ouça

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Wolfgang Van Halen mostra "You’re To Blame", canção de seu 1º álbum solo; ouça

Em 2013, acabado de tocar baixo no que viria a ser uma das últimas turnês do Van Halen, Wolfgang Van Halen voltou sua atenção para sua própria música, fazendo uma demo de uma canção que chamou de "Mammoth", uma homenagem a um dos primeiros nomes da banda de seu pai. “Foi a primeira vez que eu pensei,‘ Sim, estou pronto para fazer isso ’”, lembra Van Halen.

Sete anos depois, essa música finalmente está chegando na estreia autointitulada de "Mammoth WVH", sua banda de um homem só, no dia 11 de junho próximo.

O álbum incluirá 13 faixas, mais uma canção bônus, "Distance", o primeiro lançamento do "Mammoth WVH", que teve um sucesso viral no final do ano passado com um vídeo comovente repleto de imagens caseiras do falecido pai de Wolfgang, Eddie Van Halen. O Van Halen mais jovem tocou todos os instrumentos do álbum, criando um som de banda completa altamente convincente, mas montou uma formação em turnê para shows ao vivo, que estreara no Jimmy Kimmel Live!.

Eu simplesmente chego lá e toco”, diz Van Halen. “O que meu pai sempre disse é que a razão pela qual a seção rítmica é tão apertada é, sou eu. Normalmente, com uma ótima seção rítmica, eles são muito unidos porque sabem exatamente o que o outro está fazendo. Quando se trata de bateria e baixo, eu sei exatamente o que fiz com cada parte, então posso meio que reagir com isso, e vai encaixar.

O álbum abre com uma faixa chamada “Mr. Ed,”outro aceno para o pai de Wolfgang. “Era apenas o título de demonstração”, diz Wolfgang, “porque eu abro com um toque harmônico e bato no solo, e isso me lembrou meu pai, então, brincando, chamei-o assim.

A faixa mais pop do álbum, "Think It Over", que se baseia no gosto de Wolfgang por Jimmy Eat World, era a favorita de Eddie Van Halen. “É apenas uma música pop-rock direta”, diz Van Halen. “Mas papai simplesmente amou a energia da música. Isso o deixou feliz.

Outro destaque, "Don't Back Down", tem um ritmo de rock de estádio pesado e glam-ting que fica em algum lugar entre "Beautiful People" de um artista agora inominável e o também desgraçado Gary Glitter, mas o Van Halen originalmente tinha um influência específica em mente: "O título de demonstração para aquele era 'Sabbath'. Toda a vibração da música era apenas 'arena de esportes'. Apenas mãos para cima gritando pelo seu time, enlouquecendo."

Na maior parte, o Van Halen enfatizou as músicas, não sua habilidade multi-instrumental, mas ele a mostrara em uma faixa, "Feel". “Há uma espécie de solo de bateria ali, e o baixo fica muito louco”, diz ele.

Nessa faixa e em algumas outras, Van Halen tocou uma das guitarras mais valiosas do mundo: a Frankenstein original e signature de seu pai. “Meu pai estava lá quando o retiramos”, diz ele. “Essa guitarra obviamente não tem preço. Ed pega e começa a tocar, diz ‘Parece o que eu lembro’. E ele meio que jogou no sofá. E todos nós na sala pensamos, 'Ooooh'. Para ele, é como este pedaço de lixo que ele montou por algumas centenas de dólares, para outros, são algumas centenas de dólares, mas para todos os outros, é a guitarra mais icônica da história da música. Então, vê-lo fazer isso foi uma coisa tão engraçada.

Via RS.

Ouça "You’re To Blame":

Tracklist:

1. Mr. Ed

2. Horribly Right

3. Epiphany

4. Don’t Back Down

5. Resolve

6. You’ll Be the One

7. Mammoth

8. Circles

9. The Big Picture

10. Think It Over

11. You’re To Blame

12. Feel

13. Stone

14. Distance (Bonus Track)


Nenhum comentário:

Postar um comentário