Confraria Floydstock: Como David Bowie foi banido durante o pouso na Lua

1XBET

1XBET
UTILIZE O CÓDIGO PROMOCIONAL 1x_431349 PARA DOBRAR SEU 1º DEPÓSITO

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Como David Bowie foi banido durante o pouso na Lua


"Space Oddity" foi lançada pouco antes da decolagem da Apollo 11, mas a BBC se recusou a tocá-la até que os astronautas retornassem em segurança à Terra.
É julho de 1969. Nos EUA, a Nasa está contando os dias até o lançamento da Apollo 11, a missão destinada a desembarcar os primeiros humanos a pisar na Lua.
Cinco dias antes da data de lançamento planejada, o Centro Espacial Kennedy, na Flórida, é um local movimentado; o resto do mundo aguarda em antecipação.
Longe das plataformas de lançamento e da forma intimidadora do foguete Saturno V, Londres está dominada pelo fim dos anos sessenta. Os Beatles estão em um certo St John’s Wood Studio, gravando o álbum "Abbey Road". Os Rolling Stones, poucos dias antes, tocaram para um quarto de milhão de pessoas no Hyde Park. E um cantor e compositor iniciante - com apenas um álbum levemente bem-sucedido por trás, e quase desconhecido fora do Reino Unido - lança uma música que flerta com a febre da corrida espacial que vem fervilhando até o ponto de ebulição.
"Space Oddity", de David Bowie, inspirou-se nos fatos e na ficção. A corrida para a Lua havia dominado as manchetes desde que o presidente John F. Kennedy a divulgou em 1961. Quando o programa Apollo avançou, Stanley Kubrick lançou 2001: Uma Odisséia no Espaço, o instigante épico de ficção científica baseado no romance de Arthur C Clarke.

Com "Space Oddity", David Bowie chegara ao seu almejado "Estrelato Sideral"

A gravadora de Bowie lançou Space Oddity poucos dias antes do lançamento da Apollo 11 (Crédito: Getty Images)

Bowie amou o filme, que foi claramente uma grande influência na música que ele havia escrito, e não apenas pelo seu título irônico. "Eu estava doidão de qualquer maneira, eu estava muito chapado quando fui vê-lo, várias vezes, e foi realmente uma revelação para mim", disse Bowie em uma entrevista de 2003 com a Performing Songwriter. "Isso fez a música fluir."
"Space Oddity" foi um conto sombrio em meio ao triunfalismo industrial do programa Apollo. O consenso era de que o poder tecnológico e a vontade de sucesso da América prevaleceriam. Mas "Space Oddity" não foi uma ode ao sucesso. A música é o conto pessimista de um astronauta - Major Tom - se metendo em dificuldades em sua missão misteriosa para as estrelas. O Controle de Solo não pode fazer nada para salvá-lo enquanto ele gira na escuridão.
"Bowie estava tentando dizer ... em meio a todas essas coisas fantásticas, há lados obscuros", diz Jason Heller, o autor do livro Strange Stars, um livro que explora o fascínio da música pop pela ficção científica. "E isso é o que muitos escritores de ficção científica também estavam fazendo ao mesmo tempo."
A Apollo 11 era impossível de ignorar - alguns comentaristas a consideram a primeira notícia recorrente, com o público sintonizando de novo e de novo a última atualização.

Tilda Swinton poderá viver David Bowie no cinema

O filme de Stanley Kubrick 2001: Uma Odisséia no Espaço foi uma grande influência para Bowie (Crédito: Getty Images)

Farejando um sucesso, a gravadora de Bowie, Philips, lançou a música poucos dias antes do lançamento da Apollo 11. Mas a BBC, instrumental na transformação de singles pop em singles de sucesso, ficou desconfortável. Com Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins contemplando a enormidade da missão diante deles, o desabafo psicodélico de Bowie podia soar de mau gosto. A BBC a proibiu. Bem, quase. Ninguém enviou o memorando para a equipe encarregada da cobertura da Apollo para a BBC TV, que tocou a música como música de fundo.
A BBC tinha um longo histórico de banimento de músicas que considerava inapropriadas - nos anos sessenta, a Beeb tinha recusado músicas tão diversas quanto Lola (homônimo de refrigerante) do The Kinks e Monster Mash (muito mórbido) das ondas de rádio. Mas a decisão de banir "Space Oddity" foi mais sutil. Seria de mau gosto imaginar a morte longa e solitária de um astronauta quando a tripulação da Apollo 11 poderia estar ponderando o mesmo?
Foi uma música que tentou falar sobre as desvantagens, o desespero e a solidão que poderiam advir de [Tom Major] estar tão longe de casa”, diz Heller. Ele diz que a música foi banida "porque foi uma espécie de desmancha-prazeres".

Ouça "Space Oddity", clássico de David Bowie na versão prog da banda Mindspeak

Assim que a tripulação da Apollo 11 aterrissou em segurança na Terra, Space Oddity retornou às ondas do rádio (Crédito: Getty Images)

A proibição, no entanto, não durou muito tempo. Uma vez que o trio da Apollo 11 voltou triunfante para a Terra, caindo no Oceano Pacífico, “lançou-se a discussão”, diz Heller. “A missão foi bem sucedida e os humanos retornaram da lua. Não era apenas sobre pôr os pés na Lua, era sobre chegar em casa com segurança.” Space Oddity retornou às ondas do rádio.
A proibição pode ter sido desastrosa para a música, mas acabou sendo um pequeno desvio na jornada de décadas da "Space Oddity". Depois que a proibição foi suspensa no Reino Unido, a música se tornou um dos cinco maiores sucessos, embora tenha alcançado a posição 124 nos EUA.
No entanto, mesmo quando o fervor público pelo programa Apollo começou a diminuir, a música apenas perdurava. “Era basicamente o hino perfeito da rádio FM”, diz Heller. “Um pouco mais longo e psicodélico de uma forma diferente de muitas músicas psicodélicas da época. Soava como "música psicodélica futura".

O Cover de Space Oddity pelo astronauta Chris Hadfield a bordo da Estação Espacial Internacional foi o primeiro videoclipe gravado no espaço (Crédito: YouTube)

"Space Oddity" se tornaria o número um no Reino Unido num relançamento em 1975, mas então Bowie havia se transformado de compositor relativamente desconhecido em um artista que mudava de forma e que deu à luz - e matou - seu mais famoso alter-ego, Ziggy Stardust, além de reinterpretar a alma da Filadélfia em sua fase Young Americans. “Eu acho que certamente havia uma parte dele mostrando que ele não seria um sucesso passageiro, e na época de Space Oddity ele definitivamente poderia ter sido”, diz Heller.
Bowie iria - figurativamente, ao menos - enterrar o Major Tom em sua canção de 1980, "Ashes To Ashes", mas o astronauta condenado, em muitos aspectos, se recusou a morrer.
Em 2013, o astronauta Chris Hadfield interpretou a música em órbita sobre a Terra na Estação Espacial Internacional, gravando e transmitindo o primeiro videoclipe gravado no espaço. “Quão perfeita poderia ser essa possibilidade?”, Diz Heller. “Você tem alguém que sabe o que é ser alienado e desconectado da Terra, e cantar e transmitir isso dá uma pungência que você não pode imaginar ninguém mais fazendo. Tenho certeza que é algo que Bowie nunca poderia ter imaginado."

Traduzido pelo confrade Renato Azambuja via BBC

Nenhum comentário:

Postar um comentário