Confraria Floydstock: Jethro Tull: a maravilha chamada Thick As A Brick

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Jethro Tull: a maravilha chamada Thick As A Brick


Um jovem prodígio escreve um poema narrando as aventuras e sobretudo desventuras do ato de envelhecer.

Este é Gerald Bostock. Real? Fantasia? Vai saber.

Ao menos na mente criativa de um dos mais brilhantes artistas e musicistas do século XX, o inigualável Ian Anderson, o garoto Gerald Bostock ganhou vida e esta virou uma verdadeira obra de arte sonora em 42 minutos de duração: o quinto álbum de estúdio do Jethro Tull, o conceitual "Thick As A Brick", que sucedera o muito aclamado "Aqualung".

"Thick As A Brick", lançado em março de 1972, trouxe algo inédito para a época: era um disco todo ele de uma única música, a faixa-título, somente dividida em duas partes em virtude do LP não caber todo seu conteúdo num lado só.

A qualidade e a inspiração criativa já começou pela capa que parodiava os principais tablóides bretões, contendo falsas imagens, notícias e manchetes.

Mas e a música?

Era um perfeita combinação melodia-letra com o poema de Bostock tão bem cantado por Ian Anderson e executada magistralmente pelos músicos Martin Barré na guitarra (fantástico), Jeffrey Hammond no baixo, John Evan no cravo, orgão e piano (esplêndido), Barriemore Barlow na bateria e percussão (muito bom), além do próprio Anderson que tocou sua famosa flauta e também violino, violão, saxofone e trompete, esse é essencialmente completo.

A canção se desenvolve em uma atmosfera plenamente teatralizada, com diversas nuances de andamento, navegando entre o folk, um toque celta e o mais belo rock progressivo, repleto de momentos virtuosos dos cinco membros dessa solene formação do Jethro Tull.

O disco arrebatou a América e conquistou o primeiro lugar na parada estadunidense.


No seu vigésimo-quinto aniversário, "Thick As A Brick" ganhou uma edição comemorativa em CD, contendo além das duas faixas que compunham toda a faixa-título original, uma versão ao vivo no concerto no Madison Square Garden em 1978 e uma entrevista com o líder Ian Anderson.

Em 2012, Ian Anderson lançou uma continuação, o álbum "Thick As A brick 2", quarenta anos depois, sendo uma exceção àquela velha regra que continuações são bem abaixo de sua origem.


Dois anos depois ele e sua banda, acompanhados pelo ator e cantor britânico Ryan O'Donnell que encarnou o papel do mancebo Bostock, dão vida ao espetáculo que gerou o CD/DVD "Thick As A Brick - Live In Iceland", executando ambos os álbuns na íntegra, indispensável à coleção de quem gosta de música de primeiríssima qualidade.


Somente uma obra-prima como esta poderia render tantos desdobramentos artísticos ao longo de seus 45 anos de lançamento e permanecer atual e nunca se esgotar.

LETRA E TRADUÇÃO DE "THICK AS A BRICK"

Tracklist (DeLuxe Edition - 25th Anniversary:

"Thick as a Brick"
"Thick as a Brick"
"Thick as a Brick" (ao vivo no Madison Square Garden, 1978)
"Entrevista com Ian Anderson, Martin Barre e Jeffrey Hammond-Hammond" 

A Banda (1972):

Ian Anderson: vocais, violão, flauta, violino, saxofone, trompete
Martin Barre: guitarra, alaúde
John Evan: piano, órgão, cravo
Jeffrey Hammond (como "Jeffrey Hammond-Hammond"): baixo, vocais
Barriemore Barlow: bateria, percussão, tímpanos

Tracklist - "Thick As A Brick 2"

From a Pebble Thrown
Medley: Pebbles
Medley: Upper Sixth Loan Shark / Banker Bets, Banker Wins
Swing It Far
Adrift and Dumfounded
Old School Song
Wootton Bassett Town
Medley: Power and Spirit / Give Till It Hurts
Medley: Cosy Corner / Shunt and Shuffle
A Change of Horses
Confessional
Kismet in Suburbia
What-ifs, Maybes And Might-Have-Beens

A Banda (2012):

Ian Anderson: vocal, flauta, violão
Florian Opahle: guitarra elétrica
Scott Hammond: bateria, percussão
John O'Hara: piano, órgão Hammond, acordeão
David Goodier: baixo
Ryan O'Donnell: vocal
Pete Judge : trompete, flugelhorn, saxhorn, tuba

Nenhum comentário:

Postar um comentário