Confraria Floydstock: Entrevista com a Banda Rhevan de Campo Grande-MS

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Entrevista com a Banda Rhevan de Campo Grande-MS

Em meados dos anos noventa um novo estilo musical surgia.

Apesar de já ser corriqueiro o uso da fusão da música clássica com o rock sobretudo no rock progressivo, tal elemento até então parecia tão distinto de sons mais pesados como água e óleo.

Em 1996, bandas como a sueca Therion, que começou em 1987, mas que a essa altura começava a incrementar sua sonoridade e partindo progressivamente para o recém-nascido "Symphonic Metal" e os finlandeses do Nightwish, capitaneados pelo tecladista e arranjador Tuomas Holopainen e a grande novidade, sendo pioneira do gênero:  a soprano Tarja Turunen.

Virou a década e o Symphonic Metal só cresceu desde então, com a nova fórmula de bandas usarem uma frontwoman com características operísticas que entoavam seu canto ante ao instrumental com bases harmônicas e pesados, além de por vezes constratar com vozes masculinas propondo o canto "gutural", à melhor nuance "Bela e a Fera".

Além das supracitadas, bandas como Epica, Xandria, Sirenia, Stream of Passion, Edenbridge, a maioria do centro e norte europeu nasciam e foram dominando a cena até os dias de hoje.

No ano de 2007, uma dupla de músicos de Campo Grande-MS, o guitarrista Thiago Azevedo e a cantora Danielle Navarro, bebedores ávidos dessa fonte fundaram a banda Rhevan, única representante do symphonic metal no Estado.

Com um repertório predominantemente formado por covers das bandas Nightwish, Epica, Within Temptation, entre outras, somando-se às suas próprias "Curse Of The Angels" e "Frontline", o grupo começou a se apresentar nos bares campo-grandenses, chamando a atenção por categóricas performances.

Em 2008, juntamente com o produtor local Aldo Carmine que se tornara baixista do grupo, a Rhevan lança o CD demo "Frontline", contendo a faixa-título e outras três canções autorais além de "Ever Dream", clássico do Nightwish. Completaram o time Gleydson Keyller na guitarra e Matheus Mattos na bateria.

Posteriormente a Rhevan alçou voos maiores tendo lançado mais três discos até 2012, "Perpetually" (2008), "Drunk With the Blood of Saints" (2011) e "One More Last Attempt", tendo sido agraciada com o premio de melhor clipe para a canção “Fortune and a Name” concebido pela afiliada da MTV Brasil do Estado.

Após ótimos momentos como ter tocado no Blackmore Bar em São Paulo em 2012 e ter aberto o show do Sepultura no IX Roraima Sesc Fest Rock em Boa Vista em 2013, a banda anunciou no fim daquele ano o seu fim das atividades, ficando em off a partir de então... até agora....

Com o retorno anunciado para o dia 9, sábado próximo no Blues Bar-MS, ocasião em que lançará o novo álbum "We Are Back", o guitarrista Thiago Azevedo e a vocalista Danielle Navarro concederam a entrevista abaixo à Confraria Floydstock:

Entrevista:

Primeiramente, parabéns pela feliz ideia desse retorno com um próspero álbum, mas voltando ao passado, como se dera a ideia de montar uma banda embebida num gênero musical que era e ainda é nada ou pouquíssimo difundido nesse Estado e Cidade?

R: Acredito que não foi bem uma escolha, acabamos indo por esse caminho naturalmente. Todos gostavam de músicas e bandas deste gênero e de outras, os covers eram escolhidos com base em músicas que nos agradavam, e as autorais simplesmente saíram deste modo, não somente com a influência do symphonic, mas de outros gêneros também!

E como surgira a ideia de voltarem à cena?

R: A Dani recebeu uma mensagem por facebook do Gutemberg (Oliveira, confrade e editor da página Senhor dos Rolês), ele conversou sobre o cenário musical atual e de como seria legal ver a Rhevan retornando. A Dani entrou em contato com o resto da banda, conversamos bastante, pois agora fica bem difícil nos encontrar para ensaiar e criar as músicas, a vida está corrida para todos, mas nos damos bem e estávamos com saudades de nos reunirmos para tocar. Tem suas dificuldades, mas é muito divertido, somos amigos e gostamos de tocar e criar músicas, por que não fazer alguns shows ou composições de vez em quando, e foi assim que retornamos.

O symphonic metal mostrou ser amplamente possível o encontro do lírico com o metal pesado. Quais as suas influencias maiores tanto dentro do clássico como no rock-metal e como vocês dosam os componentes eruditos e pesados na hora de compor? Existe uma preocupação para a música não tender mais ao heavy metal ou ficar erudita demais?

R: As influências da banda são muito variadas, Nightwish, Epica, Dream Theater, Angra, Shaaman, Iron Maiden, MPB, Florence and the Machine, Aurora, Rock Brasileiro, ........ Enfim, é muito variado. Acredito que juntamos tudo isso e produzimos algo nosso, algo meio Antropofágico hehehe, mas as pessoas classificaram como Symphonic ou Gótico, e nós abraçamos, por que não?! Quando criamos uma música não pensamos se ela vai ficar mais num gênero ou no outro, ela nasce com nossas características, é como fazer um desenho, você tem uma ideia e vai colocando no papel, nem sempre fica da forma como imaginou. Houve vezes em que levamos muito tempo para compor uma letra, outras somente 10 minutos. Algumas vezes havíamos traçado um solo x para a música, mas na hora de gravar sai algo que encaixa perfeitamente e é diferente do que havíamos planejado inicialmente. Fazemos um trabalho que segue ideias e feeling mas sem se preocupar completamente em não sair do estilo.

No início, nas apresentações de vocês o Nightwish era a grande referência mundial do estilo à época e vocês caprichavam nas interpretações ao vivo de músicas como a aclamada "The Phantom of the Opera", que levava muitos presentes ao delírio. Hoje o symphonic metal se expandiu bastante no mundo. Podemos esperar outras canções icônicas assim nos shows ao vivo?

R: Nosso foco sempre serão as músicas autorais, e dentro delas pretendemos realizar as grandes interpretações, até por que são nossos filhos, nossa cara. Mas vamos trazes alguns covers que sabemos agradar bastante o público.

Como será a sonoridade do novo álbum "We are Back"? Quantas faixas? Todas autorais?

R: Disponibilizamos o álbum para download gratuito no dia 05/08, o link está em nosso facebook e também pode ser acessado pelo Soundcloud. São 9 músicas, sendo 1 música inédita (We are Back), 5 músicas de nossos álbuns anteriores e mais 3 covers gravados especialmente para este álbum, os covers em especial com gêneros bem diferentes do que costumamos apresentar. https://soundcloud.com/rhevanofficial

Ainda sobre o novo álbum, pretendem executá-lo todo ao vivo?

R: Neste show faremos a música inédita e mais algumas antigas disponibilizadas no novo álbum.

Vocês já consideram a possibilidade de futuramente se apresentarem junto a uma orquestra ou parte dela, com musicistas de instrumentos eruditos?

R: Já pensamos a respeito, seria fantástico com certeza, mas nunca fomos ver como poderíamos executar isso. Seria maravilhoso realizar um evento de Metal Opera, temos excelentes músicos na cidade e muita criatividade, mas demandaria tempo e custos e no momento estamos sem estas condições, mas não descartamos que a vontade de fazer algo no estilo é grande!

O que o público pode esperar do show do próximo sábado no Blues Bar-MS?

R: Vai ser muito emocionante retornar aos palcos, estamos ansiosos e com muita expectativa. Esperamos que o público curta bastante o show!

Ouça os álbuns "Drunk With the Blood of Saints" e "One More Last Attempt"

A Banda:

Dani Navarro - Vocal
Thiago Azevedo - Guitarra / Vocal
Gleydson Keyler - Guitarra
Aldo Carmine - Baixo
Matheus Mattos - Bateria



Nenhum comentário:

Postar um comentário